Zika vírus e itinerários terapêuticos: os impactos da pós-epidemia no estado Rio Grande do Norte

Autores

  • Rozeli Maria Porto

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2020v22n2p169

Palavras-chave:

Zika vírus, Itinerários terapêuticos, Mães de micro

Resumo

O artigo analisa os impactos da pós-epidemia do zika vírus em mulheres mães de micro residentes no RN, a partir de seus itinerários terapêuticos (Langdon, 1994). Procura refletir sobre o desgaste dessas mulheres na busca por terapias, estímulos e cuidados para as crianças, descrevendo as incertezas e desconhecimentos dos profissionais de saúde relativos à epidemia e suas relações com a primeira geração de mães de micro. Observa como a violência dos direitos fundamentais realça disparidades socioeconômicas, diferenças raciais e de gênero no acesso a saúde, constatando como setores governamentais de assistência são insuficientes para atender às necessidades dessas mulheres, com novas vivências corporais e de cuidado. Os recursos em saúde apresentaram-se escassos, e poderiam ter maior acuidade se tivessem um olhar que envolvesse o conhecimento e experiência daquelas que lidam com o drama social da deficiência. Foi realizada observação etnográfica em espaços hospitalares, não hospitalares e entrevistas em profundidade

Referências

ASCH A. Diagnóstico Pré-natal e Aborto Seletivo: Um Desafio à Prática e às Políticas. Rev. Saúde Coletiva; 2003; 13(2):49-82

AZEREDO, Y. e SCHRAIBER, L. B. Violência institucional e humanização em saúde: apontamentos para o debate Institucional. Ciência & Saúde Coletiva, 22(9):3013-3022, 2017.

BERNARDES, L. e ARAUJO, T. Aborto e Deficiência: Percepção de Pessoas com Deficiência, Gestores Públicos e Bioeticistas no Contexto da Epidemia de Zika. Rev. Brasileira Bioética 2018;13(e2):1-17.

BOLETIM SESAP/2019. http://www.saude.rn.gov.br/Conteudo.asp

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolo de atenção à saúde e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. (Plano nacional de enfrentamento à microcefalia).

CUGOLA, F. R.; FERNANDES, I. R.; RUSSO, F. B. The Brazilian Zika virus strain causes birth defects in experimental models. In: Nature (2016) doi:10.1038/nature18296. Published online 11 May 2016.

DAVIS, Â. Mulheres, raça e classe. SP: Boitempo, 2016.

DINIZ, D. Zika: do sertão nordestino à ameaça global. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

FLEISCHER, S. Segurar, caminhar e falar: notas etnográficas sobre a experiência de uma “mãe de micro” no Recife/PE. Cadernos de Gênero e Diversidade, UFBA. Volume 03, n. 02 - Maio - Agosto, 2017.

FUNCK, S. B. Desafios atuais dos feminismos. Estudos feministas e de gênero: articulações e perspectivas [livro eletrônico] / organizadoras Cristina Stevens, Susane Rodrigues de Oliveira e Valeska Zanello. Fpolis: Ed. Mulheres, 2014.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Que deficiências a criança que nasce com microcefalia pode ter. Rio de Janeiro, 27 jan. 2016. Disponível em: <http://portal.fiocruz.br/pt-br/que-defici%C3%Aancias-a-crian%C3%A7a-que-nasce-com-microcefalia-pode-ter>. Acesso em: 29 abr. 2016.

MACHADO, L. Z. “Dádivas, Conflitualidades e Hierarquias na Saúde”. In: MARTINS, Paulo Henrique; CAMPO, Roberta (orgs.). Polifonia do dom. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2006, pp. 32-45.

MALUF, S. W. “Biolegitimidade, direitos e políticas sociais: novos regimes biopolíticos no campo da saúde mental no Brasil”. In: Estado, políticas e agenciamentos sociais em saúde: etnografias comparadas/Sônia Weidner Maluf, Érica Quinaglia Silva, organização. Fpolis: Ed. da UFSC, 2018.

MICROCEFALIA: Ministério da Saúde investiga 4.291 casos suspeitos no país. http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/22869-microcefalia-ministerio-da-saude-investiga-4-291-casos-suspeitos-no-pais

MOORE, H. “Fantasias de poder e fantasias de identidade: gênero, raça e violência”. Cadernos Pagu, 14, 2000, pp.13-44.

SCOTT R., P.; QUADROS, M. T., RODRIGUES, A. C., et all. A Epidemia de Zika e as Articulações das Mães num Campo Tensionado entre Feminismo, Deficiência e Cuidados. Cadernos de Gênero e Diversidade, UFBA. Vol. 03, n. 02 - Maio - Agosto, 2017.

SCAVONE, L. “A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Cadernos pagu (16) 2001: pp.137-150.

SEGATA, J. A Doença Socialista e o Mosquito dos Pobres. Iluminuras, Porto Alegre, v. 17, n. 42, p. 372-389, ago/dez, 2016.

SOARES, A. The Zika Epidemic in Brazil: State and the (re)Production of Inequalities. GT: Políticas Públicas de Saúde, Direitos Reprodutivos e Desigualdades. II Ras - Reunião de Antropologia da Saúde, UnB, Brasília, 2017.

VALIM, T. Um olhar antropológico sobre a sociabilidade de bebês nascidos com a Síndrome Congênita do Zika Vírus em Recife/PE: “ele sente tudo o que a gente sente.”. 2017. v, 78 f. Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Sociais) — UnB Brasília, Brasília, 2017.

Downloads

Publicado

2020-11-23

Edição

Seção

Antropologia e as outras Ciências da Epidemia do Vïrus Zika