Notas exploratórias sobre agências, discursos e experiências de gênero na/pela produção cultural de quadrinhos: um estudo de caso da obra Olga, a sexóloga

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e68112

Resumo

Como produções culturais da contemporaneidade, os quadrinhos fornecem elementos para se pensar valores e representações, através de sua iconografia e enredos. Muitas destas produções endossam questionamentos sobre sexualidade, corpo e condição feminina, sobretudo naquelas obras criadas por mulheres quadrinistas. Uma destas obras é Olga, a sexóloga, criada pela quadrinista paraibana e feminista Thais Gualberto. Os desenhos são feitos de traços simples, ressaltando o teor do conteúdo da temática sexual por meio do humor e da ironia. As narrativas quadrinísticas de Olga constituem espaços de engajamentos e agenciamentos no qual a sua criadora evidencia os seus posicionamentos sociais. Nesta perspectiva, este artigo pretende-se refletir sobre os novos (ou não tão novos assim) discursos construídos sobre as questões de gênero, através da experiência assinalada por um sujeito constituído por posições diferenciadas marcadas pelo gênero, no qual o termo mulher contemporânea assume parte da representação destas posições de forma simbólica e alusiva.

Biografia do Autor

Deyse de Fátima do Amarante Brandão, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutoranda em Antropologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestre em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bacharela em Comunicação Social pela mesma instituição. Atualmente é membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Etnografias Urbanas (GUETU/UFPB/CNPQ) e Integrante do NAVIS, Núcleo de Antropologia Visual da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Possui trabalhos nos seguintes temas: processos de identificação, consumo, culturas juvenis, pós-modernismo, narrativas visuais, formas de expressão e sociabilidades. 

Referências

BOFF, Ediliane de Oliveira. De Maria a Madalena: representações femininas nas historias em quadrinhos, 2014. pp.309. Tese (Doutorado em Comunicação). Programa de Pós Graduação em Ciências da Comunicação. Escola de Comunicação e Artes. São Paulo, 2014.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Pierre Kühner. 11° ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CAIXETA, Juliana Eugênia; BARBATO, Silviane. Identidade feminina: um conceito complexo. Paideia, 14 (28), 2004.pp.211-220.

CARDOZO, Fernanda. Performatividades de gênero, performatividades de parentesco: notas de um estudo com travestis e suas famílias na cidade de Florianópolis/SC. In: Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. GROSSI, Miriam; UZIEL, Anna Paula; MELLO, Luiz (orgs.). Conjugalidades, parentalidades e 208 identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2007 (pp. 233-251).

CORRÊA, Mariza. A natureza imaginária do gênero da história da antropologia. Cadernos Pagu (5). 1995: pp. 109-130.

EISNER, Will. Quadrinhos e arte sequencial. Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GROSSI, Miriam Pillar. Identidade de gênero e sexualidade. Antropologia em primeira mão, Florianópolis, UFSC/Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, nº 26, p. 29-46. 1998.

GUALBERTO, Thais. Olga, a sexóloga. Edição única. Miramar, Paraíba, 2015.

HEILBORN, Maria Luiza. “Fazendo gênero? A antropologia da mulher no Brasil”. IN: COSTA, Albertina, O. e BRUSCHINI, Cristina (orgs.), Uma Questão de Gênero. São Paulo: Editora Rosa dos Tempos - Fundação Carlos Chagas, 1992.

HOOKS, Bell. Linguagem: ensinar novas paisagens/novas linguagens. Revista Estudos Feministas, vol. 16, n. 3, Florianópolis, set/dez, 2008.

MACHADO, LiaZanotta. Interfaces e deslocamentos: feminismos, direitos, sexualidades e antropologia. Cadernos Pagu, no. 42, 2014. p. 13-46.

MAGALHÃES, Henrique. Uma história dos quadrinhos paraibanos. 9 ª Arte, São Paulo, vol. 1, n. 1, pp.23-36 1º. Semestre, 2012.

MOORE, Henrietta. “Fantasias de poder e fantasias de identidade: gênero, raça e violência”. Cadernos Pagu, 14, 2000, pp.13-44.

ODININO, Juliane Di Paula Queiroz. Princesas, heroínas ou super-poderosas? Agencia e representação das personagens femininas infantis dos quadrinhos ao desenho animado. In: JUNIOR, Amaro Xavier Braga; SILVA, Valéria Fernandes da. (Orgs.). Representações do feminino nas histórias em quadrinhos. Maceió: EDUFAL, pp. 69-98, 2015.

ORTNER, Sherry. Poder e Projetos: reflexões sobre a agência. In: GROSSI, M; ECKERT, C; FRY, P. (Org.). Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas. Brasília: ABA; Blumenau: Nova Letra, 2007 p. 45-80.

PAIS, José Machado. O mundo em quadrinhos: o agir da obliquidade. In: ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de; PAIS, José Machado. (Orgs). Criatividade, juventude e novos horizontes profissionais. Rio de Janeiro: Zahar. 2012.

PAIXÃO, Maria de Lurdes Barros da; SANTOS, Maria Consuelo Oliveira. A ironia, a paródia e o riso como elementos de crítica social na dança brasileira de origem africana. Urdimento, v.1, n.28, p. p. 159-179, Julho 2017

RAHDE, Maria Beatriz. Origem e evolução das histórias em quadrinhos. Revista FAMECOS. Porto Alegre, nº 5, p.103-106, novembro, 1996.

SANTOS, Isaiana Carla Pereira dos; NOLASCO, Renata Izabel de Freitas; DANTAS, Daiany Ferreira. Ei, por que não existem grandes quadrinhos feitos por mulheres? INTERCOM: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Anais do XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste. Caruaru: PE .2016.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995.

TODORÓV, Tzvetan. A vida em comum: ensaio de antropologia geral. Campinas, SP: Papirus, 1996.

Downloads

Publicado

2021-06-16

Como Citar

BRANDÃO, Deyse de Fátima do Amarante. Notas exploratórias sobre agências, discursos e experiências de gênero na/pela produção cultural de quadrinhos: um estudo de caso da obra Olga, a sexóloga. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 115–129, 2021. DOI: 10.5007/2175-8034.2021.e68112. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/68112. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos