Temporalidades sacrificiais, deslocamentos históricos: os etnônimos nos Sertões do Leste

Autores

  • Douglas Ferreira Gadelha Campelo Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e70036

Resumo

Neste artigo procuro lançar um olhar para as especificidades acerca da circulação de nomes e etnônimos na parte leste das Terras Baixas da América do Sul. A partir do material etnográfico tikm?,?n procuro lançar algumas hipóteses sobre a etnonímia nesta região etnográfica. Argumento que, seguindo algumas pistas dos nomes que circularam nos documentos históricos da região e analisando dados do século XX a respeito das pessoas tikm?,?n, mais conhecidas pelo etnônimo Maxakali, é possível que a noção de pessoa tikm?,?n atravessasse os clusters de etnônimos presentes em escritos datados ao longo dos séculos XVII a XIX. Partindo da ideia de uma ontologia do esquartejamento e partilha do corpo e da palavra, argumento que a pessoa tikm?,?n é capaz de ser atravessada por diferentes povos, não cristalizando no corpo uma identidade estável. Assim, trabalhando a articulação entre coletivizadores e sequenciamento de cantos, aproximo da noção de um corpo feito de muitos, que instila no corpo da pessoa tikm?,?n um devir múltiplo e intensivo

Biografia do Autor

Douglas Ferreira Gadelha Campelo, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil

É Bacharel em violão pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006), mestre em antropologia pela mesma instituição (2009) e doutor em Antropologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2018). Realiza trabalhos de extensão e pesquisa desde 2004 em conjunto com pessoas tikmũ,ũn. Atualmente, têm-se dedicado a estudar a relação entre cantos, territorialidade e construção da pessoa tikmũ,ũn em estágio de pós doutorado a ser realizado no Programa de Pós Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Santa Catarina (2019 – 2021).

Referências

ÁLVARES, Myriam Martins. Yãmiy, os espíritos do canto: a construção da pessoa na sociedade maxakali. 1992. - Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Campinas, Campinas, 1992.

ANDRELLO, Geraldo. Nomes, posições e (contra) hierarquia: coletivos em transformação no Alto rio Negro. Ilha: revista de antropologia, Florianópolis: UFSC, v. 18, n. 2, p. 57 - 98, 2016.

BARCELOS NETO, Aristóteles. A serpente do corpo repleto de canções: um tema amazônico sobre a arte do trançado. Revista de Antropologia, São Paulo: USP, V. 54, n. 2, p. 981 – 1012, 2011.

COSTA, Luis As faces do Jaguar: parentesco, história e mitologia entre os Kanamari da Amazônia Ocidental. 2007. – Tese (Doutorado em Antropologia Social) – PPGAS, Museu Nacional, UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, 2007.

DAVOINE, Françoise; GAUDILLIERE, Jean-Marc. Histoire et trauma. La folie des guerres. Paris: Éditions Stock, 2006. Apud. TUGNY, Rosângela Pereira de. Filhos-imagens: cinema e ritual entre os tikmũ,ũn. Revista Devires. Belo Horizonte: UFMG, 2014, v. 11, p. 154 -179.

DETURCHE, Jéremy e HOFFMAN, Kaio Domingues. Nomes, subgrupos e qualidades totêmicas – nas águas de uma sociologia katukina (rio Biá, sudoeste amazônico). Ilha: revista de antropologia, Florianópolis: UFSC, v. 18, n. 2, p. 122 - 148, 2016.

ERIKSON, P. Une Nébuleuse compact: le macro-ensemble pano. L’Homme, [S.l.], v. 33, n. 126, p. 45-58, 1993.

FAUSTO, Carlos. Donos demais: Maestria e Domínio na Amazônia. Mana, Rio de Janeiro, v.14, n.2, p.329-366. out. 2008,

GUERREIRO, Antônio. Do que é feita uma sociedade regional?: lugares, donos e nomes no Alto xingu. Ilha: Revista de Antropologia, Florianópolis: UFSC, V. 18, n. 2, p. 23 - 56, 2016.

LANNA, Marcos; COSTA, Carlos Eduardo; SOUZA, Alexandre Coli. Sacrifício, tempo, antropologia: três exercícios em torno de O pensamento Selvagem. Revista de Antropologia, São Paulo: USP, V. 58 N° 1. pp. 321 – 361, 2015.

LEVI-STRAUSS, Claude Le serpent aux corps rempli des poissons, Actes du XXVII Congrès des Americanistes, Paris: Sociéte des Américanistes, pp. 633-636, 1948.

LOLLI, Pedro. A plasticidade Maku. Ilha: Revista de Antropologia, Florianópolis: UFSC, V. 18, n. 2, p. 23 - 56, 2016.

MATTOS, Isabel Missagia de. Civilização e revolta: povos botocudo e indigenismo missionário na Província de Minas. 2002. - Tese (doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

MENEZES BASTOS, Rafael. Música nas Terras Baixas da América do Sul: Estado da Arte (Primeira Parte). Antropologia em Primeira Mão, Florianópolis: UFSC, v. 86, p. 4-20, 2006.

MENEZES BASTOS, Rafael. A Festa da Jaguatirica: uma partitura crítico-interpretativa. 1. ed. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

MENEZES BASTOS, Rafael. Tradução intersemiótica, Sequencialidade e Variação nos Rituais Musicais das Terras Baixas da América do Sul. Revista de Antropologia, São Paulo: USP, v. 60, p. 342-355, 2017.

MORI, Bernd Brabec (Editor). The human and non human in Lowland South American Indigenous Music. Ethnomusicology Forum. Routhledge: Taylor and Francis Group. V. 22, N. 3, 2013

NAVEIRA, Miguel Carid. Pessoas e grupos: alguns aspectos dos nomes dos Yaminahua (Pano/Peru). Ilha: Revista de Antropologia, Florianópolis: UFSC, V. 18, n. 2, p. 121 - 148, 2016.

NIMUENDAJÚ, Curt. Índios Machacari. Relatório. Revista de Antropologia, São Paulo: USP, V. 6(1), 53-61, jun., 1958.

PARAÍSO, Maria Hilda. Amixokori, Pataxo, Monoxo, Kumanoxo, Kutaxo, Kutatoi, Maxakali, Malali e Makoni: povos indígenas diferenciados ou subgrupos de uma mesma nação? uma proposta de reflexão. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo: USP / MAE, n. 4, p. 173-87, 1994.

PARAÍSO, Maria Hilda. (1999) Texto não intitulado disponível no site do ISA (Instituto Sócio-ambiental). Apud. VIEIRA, Marina Guimarães. Guerra ritual e parentesco entre os Maxakali: um esboço etnográfico. 2006. - Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006

PARAÍSO, Maria Hilda. O tempo da dor e do trabalho: a conquista dos territórios indígenas nos sertões do leste. Salvador: EDUFBA, 2014. 757 p.

PIEDADE, Acácio Tadeu Camargo. O canto do Kawoká: musica, cosmologia e filosofia entre os Wauja do Alto Xingú. 2004.. Tese (Doutrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 2004.

PIRES ROSSE, Eduardo. A explosão de Xunim. 2007. - Dissertação (Mestrado em Etnomusicologia) − Universidade PARIS 8, Vincennes-Saint-Denis, 2007.

PIRES ROSSE, Eduardo. Festa com os espíritos. Música e Cultura, v. 4, p. 1, 2009.

PIRES ROSSE, Eduardo. Kõmãyxop: étude d’une fête en Amazonie (Mashakali/ Tikmũ,ũn, MG – Brésil). 2013. - Tese (Doutorado em Antropologia) – Université de Paris-Ouest, Nanterre, 2013.

PIRES ROSSE, Eduardo. Dinamismo de objetos musicais ameríndios: notas a partir de cantos yãmĩy entre os maxakali (tikmũ'ũn). Revista Per Musi, Belo Horizonte: UFMG, v. 32, p. 53-96, 2015.

PIRES ROSSE, Eduardo. Processos de microvariação nas estéticas ameríndias. PROA: Revista de Antropologia e Arte, Campinas: UNICAMP, v. 6, p. 104-120, 2016.

RIBEIRO, Rodrigo Barbosa. Guerra e Paz entre os Maxakali: devir histórico e violência como substrato da pertença. 2008. - Tese (Doutorado em Ciências Sociais - Antropologia) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2008.

SÁEZ, Oscar Calavia e CAMPELO, Douglas Ferreira Gadelha. Dossiê: A serpente do corpo cheio de nomes. Ilha: Revista de Antropologia, Florianópolis: UFSC, V. 18, n. 2, p. 9 – 200, 2016.

SANTOS, Péricles Ribeiro dos. Pioneiros de Águas Formosas: Relato histórico do desbravamento das selvas do Pampã. Belo Horizonte: Imprensa oficial, 1970, p. 447.

SEEGER, Anthony, DA MATTA, Roberto e VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. Boletim do Museu Nacional, V. 32, p. 2 -19, 1979.

SEEGER, Anthony. Fazendo parte: sequências musicais e bons sentimentos. Revista Anthropológicas, Recife: Universidade Federal de Pernambuco, ano 17, Volume 24 (2), 2013, p. 7 – 42

SEEGER, Anthony. Por que cantam os kĩsedje: uma antropologia musical de um povo amazônico. São Paulo: Cosac e Naify, 2015 [1987]

TUGNY, Rosângela. Escuta e poder na estética Tikmũ,ũn. Rio de Janeiro: Museu do Índio -Funai, 2011.

TUGNY, Rosângela. Um fio para o ĩnmõxa: em torno de uma estética maxakali. In: FERREIRA, Pedro Peixoto e FREIRE, Emerson. (Org.). Nada. Lisboa: 2008. p. 52-72.

TUGNY, Rosângela. Filhos-imagens: cinema e ritual entre os tikmũ,ũn. Revista Devires. Belo Horizonte: 2014, v. 11, p. 154 -179.

VIEIRA, Marina Guimarães. Guerra ritual e parentesco entre os Maxakali: um esboço etnográfico. 2006. - Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os Pronomes Cosmológicos e O Perspectivismo Ameríndio. Mana. Rio de Janeiro: UFRJ, v. 2, n.2, p. 115-144, 1996.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Xamanismo e sacrifício. 2002. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2002a. p. 457 - 472.

WAGNER, Roy. Are There Social Groups in the New Guinea Highlands? In: LEAF, Murray J.; CAMPBELL, Bernard Grant. (Ed.). Frontiers of Anthropology: an introduction to anthropological thinking. Londres – Nova York: D. Van Nostrand Company, 1974. Cap. 4, p. 95-122.

Downloads

Publicado

2021-06-16

Como Citar

CAMPELO, Douglas Ferreira Gadelha. Temporalidades sacrificiais, deslocamentos históricos: os etnônimos nos Sertões do Leste. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 47–72, 2021. DOI: 10.5007/2175-8034.2021.e70036. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/70036. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos