Parentesco cosmológico e morfológica Mbya Guarani

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e70621

Palavras-chave:

Morfologia Social, Mbya (Tupi-Guarani), Territórios Étnicos

Resumo

O presente artigo busca problematizar alguns dos modos pelos quais os Mbya Guarani (Tupi-Guarani) constituem seus territórios de forma ao mesmo tempo tão dispersa geograficamente e tão homogênea linguística e culturalmente. Entre os povos Guarani, são os Mbya aqueles que produzem uma dinâmica intercomunitária mais vigorosa e uma endogamia étnica mais marcada. Neste artigo, busco compreender de que modo essa morfologia se constitui, prescindindo de estratificações políticas no nível interaldeão e, para tanto, mobilizo dados etnográficos, demográficos e genealógicos. Conforme será analisado, a organização social mbya se assenta na vida ritual (uma pedagogia xamânica), a qual está diretamente relacionada à categoria de idade dos tuja, dos velhos. Esse modelo gerontocrático, por sua vez, replica modos de relação estabelecidos nos planos celestes, onde habitam os nhanderukuery, origem e destino mbya.

Biografia do Autor

Paulo Roberto Homem de Góes, Universidade Federal do Paraná

Antropólogo, bacharel em Ciências Sociais (2005) mestre (2009) e doutor (2018) pelo Programa de Pós-Graduação de Antropologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). É membro da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) desde 2008. Tem ampla experiência de pesquisa, assessoria e consultoria entre diversos povos indígenas na Amazônia (Katukina, Ashaninka e Karitiana), Cerrado (Ramkokámekra, Apayekrá, Krahô e Apinajé) e Mata Atlântica (Mbya, Ñandeva e Kaingang). Coordenou a elaboração de Relatórios de Identificação e Delimitação de três comunidades quilombolas no Estado do Paraná e atualmente integra o Projeto Território Caiçara do Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Ambientais da UFPR. Desde 2014 trabalha na implantação de sistemas agroflorestais em uma pequena propriedade em Morretes – Paraná, a qual possui certificado de produção orgânica desde 2016.

Referências

BATESON, Gregory. Naven: um exame dos problemas sugeridos por um retrato compósito da cultura de uma tribo da Nova Guiné, desenhado a partir de três perspectivas. São Paulo: Edusp, 2008. 384p.

BENITES, Tonico. A escola na ótica dos Ava Kaiowá: impactos e interpretações indígenas. 2009. 112 p. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

BENITES, Tonico. Rojeroky hina ha roike jevy tekohape (Rezando e lutando): o movimento histórico dos Aty Guasu dos Ava Kaiowa e dos Ava Guarani pela recuperação de seus tekoha. 2014 269p. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

BONAMIGO, Zélia Maria. Comunidade Mbya-Guarani: Economia e relações com a sociedade “atrevida”. Tellus, Campo Grande, ano 8, n. 14, p. 145-170, 2008.

CHAMORRO, Graciela (Chamorro Arguello, Cándida Graciela). Terra madura, yvy araguyje: fundamento da palavra guarani. Dourados: Editora da UFGD, 2008. 368p.

CICCARONE, Celeste. Drama e sensibilidade: Migração, xamanismo e mulheres Mbyá. Revista de Índias, [s.l.], v. LXIV, n. 230, p. 81-96, 2004.

CTI – CENTRO DE TRABALHO INDIGENISTA (coordenação). Guata Porã – Belo Caminhar. Coordenação editorial Maria Inês Ladeira. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista (CTI), 2015.

DALLANHOL, Katia Maria Bianchini. Jeroky e Jerojy: por uma antropologia da música entre os Mbya Guarani do Morro dos Cavalos. 2002. 150p. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, 2002.

DARELLA, Maria Dorotéia Post. Territorialidade e territorialização Guarani no litoral de Santa Catarina. Tellus, Campo Grande, ano 4, n. 6, p. 79-110, 2004.

FERNANDES, Florestan. A função social da guerra na sociedade Tupinambá. 2. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora: Editora da Universidade de São Paulo, 1970 [1951].

GANSON, Barbara. The Guaraní under Spanish Rule in the Río de la Plata. California: Stanford University Press, 2003.

GARLET, Ivo; ASSIS, Valéria. A imagem do Kechuíta no universo mitológico dos Mbya- Guarani. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 7, n. 2, p. 99-114, 2002.

GÓES, Paulo Roberto Homem de. Ciência boa: modos de aprendizado, percepção e conhecimento entre os Katukina/Pano. Revista de Antropologia, USP, São Paulo, v. 55, n. 1, 2012.

GOÉS, Paulo Roberto Homem de. Morfológicas: um estudo etnológico de padrões socioterritoriais entre os Kaingang (dialeto Paraná) e os Mbya (Litoral Sul). 2018. 500p. Tese (Doutorado em Antropologia) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

GONÇALVES, Marcelo Abreu. Ethos e movimento: um estudo sobre mobilidade e organização social Mbya Guarani no litoral sul do Brasil. 2011. 139p. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

LITAIFF, Aldo. As divinas palavras: identidade étnica dos Guarani-Mbya. Florianópolis: Editora da UFSC, 1996.

MELIÁ, Bartolomeu Beliches. A terra sem mal dos Guarani: economia e profecia. Revista de Antropologia, USP, São Paulo, v. 33, p. 33-46, 1990.

MELLO, Flávia Cristina. Aetchá Nhanderukuery Karai Retarã: entre deuses e animais: Xamanismo, Parentesco e Transformação entre os Chiripá e Mbyá Guarani. 2006. 295p. Tese (Doutorado em Antropologia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

MORELLO, Rosângela; SEIFFERT, Ana Paula. (org.). Inventário da Língua Guarani Mbya – Inventário Nacional da Diversidade Linguística. Florianópolis: IPOL: Editora Garapuvu, 2011. 184p.

NIMUENDAJU, Curt Unkel. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamento da religião dos Apapocuva-Guarani. São Paulo: Hucitec: Edusp, 1987 [1914].

PEREIRA, Levi Marques. Parentesco e organização social Kaiowa. 1999. 235p. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

PIRES, Daniele de Menezes. Alegorias etnográficas do Mbya reko em cenários interétnicos no Rio Grande do Sul (2003-2007): Discurso, prática e holismo Mbya frente às políticas públicas diferenciadas. 2007. 189p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

PISSOLATO, Elizabeth de Paula. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo Mbya (Guarani). São Paulo: UNESP: ISA; Rio de Janeiro: NuTI, 2007.

POPYGUA, Timóteo Verá Tupã. Yvyrupa: a terra uma só. São Paulo: Editora Hedra, 2016.

SOARES, Mariana de Andrade. Caminhos para viver o Mbya reko: estudo antropológico do contato interétnico e de políticas públicas de etnodesenvolvimento a partir da pesquisa etnográfica junto a coletivos Guarani no Rio Grande do Sul. 2012. 319p. Tese (Doutorado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Araweté: os deuses canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

WAGNER, Roy. Coyote Anthropology. Lincoln; London: University of Nebraska Press, 2010.

WORLD BANK. Plan con Pueblos Indígenas 2010 – Plan Nacer Provincia de Misiones, 2010. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/845231468221981671/pdf/ IPP4350v50SPAN1OMISO0ANUAL020100PPI.pdf. Acesso em: 20 nov. 2016.

Downloads

Publicado

2022-05-26

Edição

Seção

Artigos