A política dos lados: produção da alteridade na TI São Jerônimo.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e70652

Palavras-chave:

Kaingang, Mbyá, Kaiowá e Xetá, Políticas Indígenas, Aldeamentos Indígenas, Terra Indígena São Jerônimo (PR)

Resumo

Este artigo, escrito a quatro ma?os, se debruc?a sobre processos contempora?neos e histo?ricos das poli?ticas de alteridade dos Kaingang, Xeta?, Guarani Mbya?, N?andeva e Kaiowa?, habitantes da Terra Indi?gena Sa?o Jero?nimo (Parana?). Buscamos construir uma aproximac?a?o entre as dina?micas da poli?tica atual da Terra Indi?gena Sa?o Jero?nimo (TI), marcada pela divisa?o em dois lados distintos e os processos intertribais descritos no contexto dos aldeamentos indi?genas do peri?odo do II Reinado (1844-1889), ana?lise que leva em conta o teor das poli?ticas indigenistas do Impe?rio e da Repu?blica. Atualmente, existe na Terra Indi?gena Sa?o Jero?nimo o lado kaingang e o lado guarani, sendo que a dina?mica entre os lados na gesta?o do territo?rio nos revela aspectos importantes das relac?o?es ali estabelecidas. Apesar das numerosas descontinuidades impostas pelas poli?ticas indigenistas, pensamos que a dina?mica dos lados e? um procedimento de construc?a?o do parentesco, que envolve a reclassificac?a?o do dualismo je?, assim como outros processos de produc?a?o da alteridade local.

Biografia do Autor

Roberta de Queiroz Hesse, PPGAS/USP

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da USP, instituição onde também realizou seu Bacharelado e Licenciatura em Ciências Sociais. Atualmente atua como pesquisadora associada ao Centro de Estudos Ameríndios (CeSTA/USP).

Marta Rosa Amoroso, CEstA/USP

Mestre em Antropologia Social pela UNICAMP e doutora em Antropologia Social pela USP. Em 2000 realizou pós doutorado no CEBRAP. Desde 2001 é professora do Departamento de Antropologia da FFFLCH/USP, e atualmente é chefe do Departamento. Em 2016 foi professora visitante do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. É fundadora e foi coordenadora (2017-2021) do Centro de Estudos Ameríndios (CeSTA/USP).

Referências

AMOROSO, Marta. Catequese e evasão: etnografia do aldeamento indígena de São Pedro de Alcântara, Paraná (1855-1895). 1998. 200p. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo – FFLCH/USP, São Paulo, 1998.

AMOROSO, Marta. Terra de Índio: imagens em aldeamentos do Império. São Paulo: Terceiro Nome, 2014.

AMOROSO, Marta. Descontinuidades indigenistas e espaços vividos dos Guarani. Revista de Antropologia, [s.l.], v. 58, n. 1, p. 105-148, 12 ago. 2015.

BALDUS, Herbert. Actes du IVe congrès international des sciences anthropologiques et ethnologiques. Vienne, [s.l.], v. 1, n. 8, septembre, 1952.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Três peças de circunstância sobre direito dos índios. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009a. p. 245-259.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Por uma história indígena e do indigenismo. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009b. p. 125-133.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Política indigenista no século XIX. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992. p. 133-154.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Vingança e Temporalidade: Os Tupinambá. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009. p. 77-101.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. In: CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2003. p. 201-232.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência: a guerra nas sociedades primitivas. In: CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência: pesquisas de antropologia política. São Paulo, Cosac Naify, 2004. p. 215-255.

COELHO DE SOUZA, Marcela. Parentes de sangue: incesto, sustância e relação no pensamento timbira. Mana, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, 2004.

DUMONT, Louis. Introduction à deux théories d’anthropologie sociale. Paris: La Haye: Mouton, 1971.

FAUSTO. Carlos. Inimigos fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. São Paulo: Edusp, 2001.

FERNANDES, Ricardo Cid. Política e Parentesco entre os Kaingang: uma Análise Etnológica. 2003. 288p. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo – FFLCH/USP, São Paulo, 2003.

GOÉS, Paulo Roberto Homem de. Morfológicas: um estudo de padrões socioterritoriais entre os kaingang (dialeto Paraná) e os Mbyá (litoral Sul). 2018. 500p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

GOLDMAN, Marcio. Como funciona a democracia: uma teoria etnográfica da política. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

GOW, Peter. Of mixed Blood: Kinship and History in Peruvian Amazonia. Oxford: Clarendon Press, 1991.

GOW, Peter. O parentesco como consciência humana: o caso dos Piro. Mana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, 1997.

GOW, Peter. Steps towards an ethnographic theory of acculturation. Gdańsk: Etnografia, Praktyki, Teorie, Doświadczenia, n. 1, 2015.

HENSEL, Reinhold. Die Coroados der brasilianischen Provinz Rio Grande do Sul. Zeitschrift für Ethnologie, [s.l.], v. 1, p.124-135, 1869.

HESSE, Roberta de Queiroz. Teorias indígenas da mistura: política, lados e composição da pessoa na Terra Indígena São Jerônimo (Paraná, Brasil). 2021. 248p. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2022.

ISA – INSTITUTO SOCIAMBIENTAL. Terras Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2022. Disponível em: https://terrasindigenas.org.br/pt-br/. Acesso em: 12 fev. 2022.

LADEIRA, Maria Inês Martins. Espaço geográfico Guarani-MBYA: significado, constituição e uso. 2001. 235p.Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares dos parentes co. Petrópolis: Editora Vozes, [1949] 2009.

LIMA, Edilene Coffaci; PACHECO, Rafael. Povos Indígenas e Justiça de Transição: reflexões a partir do caso Xetá. ARACÊ – Direitos Humanos em Revista, [s.l.], ano 4, n. 5, fevereiro, 2017.

LIMA, Tânia Stolze. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia tupi. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 21-47, outubro, 1996.

MOTA, Lúcio T.; NOVAK, Éder. Desiguais e combinados: índios e brancos no vale do Rio Tibagi – PR na primeira metade do século XX. CAMPOS – Revista de Antropologia Social, [s.l.], v. 14, 2013.

MOTA, Lúcio Tadeu. As guerras dos índios Kaingang: a história épica dos índios Kaingang no Paraná (1769-1924). Maringá: Eduem, 2009.

NIMUENDAJÚ, Curt Unkel. Unveröffentlichte Angaben über die Kaingang, Opayé, Múra, Maué. 1911. Disponível em: http://www.wikidot.com/Unveröffentlichte Angaben über die Kaingang, Opayé, Múra, Maué (Nimuendaju 1926) - Biblioteca Digital Curt Nimuendajú. Acesso em: 15 fev. 2022.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos índios misturados? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, 1998.

PACHECO, Rafael. Os Xetá e suas História: Memória, Estética, Luta desde o Exílio. 2018. 259p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

PEREIRA, Levi M. Imagens Kaiowá do Sistema Social e seu Entorno. 2004. 403p. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Festa e Guerra. 2015. 126p. Livre-Docência (Tese) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

PISSOLATO, Elizabeth. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo mbya (guarani). São Paulo: Editora da UNESP, 2007.

RAMOS, Luciana Maria de Moura. Vénh Jykré e Ke Ha Han Ke: Permanência e Mudança do Sistema Jurídico dos Kaingang no Tibagi. 2008. 255p. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

SANTOS, Géssia Cristina dos. Com mais Briga as diferenças se mantêm: noções de pertencimento, mistura e pureza étnica entre Kaingang, Guarani e Xetá no contexto da Ti São Jerônimo (PR). 2017. 255p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

SCHADEN, Egon. Aspectos Fundamentais da cultura Guarani. São Paulo, EPU/Edusp, 1974.

SCHADEN, Egon. A religião Guarani e o Cristianismo. Contribuição ao estudo de um processo histórico de comunicação intercultural. Revista de Antropologia, [s.l.], v. 25, 1982.

SILVA, Carmen Lúcia da. Em Busca da Sociedade Perdida: o trabalho da memória Xetá. 2003. 318p.Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

SPENASSATO, Josiéli Andréa. Os lados da mistura: desafios da coabitação e dos intercasamentos na Terra Indígena São Jerônimo (PR/Brasil). 2016. 203p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

TESCHAUER, Carlos. Die Caingang oder Coroados-Indianer im brasilianischen Staate Rio Grande do Sul. Anthropos Band/TOM. IX, Heft/Fasc. 1-2, p.16-35. Ill. St. Gabriel- Mödling bei Wien, 1914.

TOMMASINO, Kimmiye; BARROS, Valéria Esteves Nascimento. Os Guarani na bacia do Paranapanema – Parentesco, Casamento e Redes de Sociabilidade Étnica: Relatório Complementar e Preliminar Especialmente Elaborado para o IBAMA/Comissão de Licenciamento da UHE São Jerônimo. Londrina: [s.n.], 2002.

TOMMASINO, Kimmiye. A Ecologia dos Kaingang na Bacia do Tibagi. In: MEDRI, Moacy E. A Bacia do Tibagi. Londrina: Medri, 2002. p. 81-100.

TOMMASINO, Kimmiye. A história dos Kaingáng da Bacia do Tibagi: uma sociedade jê meridional em movimento. 1995. 351p. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

VEIGA, Juracilda. Cosmologia e Práticas Rituais Kaingang. 2000. 297p. Tese (Doutorado) – Universidade de Campinas, Campinas, 2000.

Downloads

Publicado

2022-05-26

Como Citar

HESSE, Roberta de Queiroz; AMOROSO, Marta Rosa. A política dos lados: produção da alteridade na TI São Jerônimo. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 134–154, 2022. DOI: 10.5007/2175-8034.2022.e70652. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/70652. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos