Política na capela: eleição municipal no Vale do Paraíba Paulista

Autores

  • Carlos Eduardo Pinto Procópio Instituto Federal de São Paulo
  • Ana Keila Mosca Pinezi Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Gilson Nascimento de Oliveira Instituto Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e72936

Resumo

Este texto pretende analisar as eleições municipais de 2016 na cidade paulista de Aparecida, enfatizando as disputas entre atores políticos e religiosos a partir das demandas materiais e simbólicas da cidade. No contexto deste pleito, os postulantes à prefeitura e os administradores religiosos do Santuário Nacional se concentraram no levantamento de problemas a serem sanados e nas soluções necessárias para o atendimento dos moradores locais e dos romeiros. Os atores em disputa colocaram suas perspectivas sobre a cidade tendo como ponto de partida a condição de terra santa e da função religiosa que, como tal, deveria executar. Na medida em que o processo eleitoral se desdobrava, os limites entre atores políticos e religiosos eram deslocados, confrontando os sentidos e imagens da cidade, tomados e endereçados a partir do interesse das partes em disputa.  

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Pinto Procópio, Instituto Federal de São Paulo

Porfessor do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) ; Pesquisador Colaborador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap); Doutor em Ciências Sociais pela UFJF.

Ana Keila Mosca Pinezi, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Professora associada do Departamento de Saúde Coletiva (DESCO) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), é atualmente Visiting-Scholar no Center for Brazilian Studies (San Diego State University - - SDSU - California, USA). Doutora em Psicologia pela USP.

Gilson Nascimento de Oliveira, Instituto Federal de São Paulo

Licenciado em Geografia pelo Instituto Federal de São Paulo (IFSP). Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e Tecnológica do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo (PIBIFSP) entre 2015 e 2019.

Referências

ABÉLÈS, M. Rituel et communication politique modern. Hermés (ISCC/CNRS), [s.l.], n. 4, p. 127-141, 1989.

AGNEW, J. Mapping politics: how context counts in electoral geography. Political Geography, [s.l.], v. 2, n. 15, p. 129-146, 1998.

BALANDIER, G. O poder em cena. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1982. BARREIRA, C.; PALMEIRA, M. (org.). Política no Brasil: visões de antropólogos. Rio de Janeiro: Ed. Relume-Dumará, 2006.

BARREIRA, Irly; PALMEIRA, Moacir (org.). Candidatos e Candidaturas: enredos de

campanha eleitoral no Brasil. São Paulo: Annablume, 2009.

BARREIRA, I. Chuva de papéis. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1998.

BEYER, P. A privatização e a influência pública da religião na sociedade global. In: STONE, M. F. (org.). Cultura global: nacionalismo, globalização e modernidade. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 395-419.

BRUSTOLONI, J. História de Nossa Senhora da Conceição Aparecida: a imagem, o santuário e as romarias. Aparecida: Editora Santuário, 1998.

CORADINI, O. Origens Sociais, mediação e processo eleitoral num município de imigração italiana. In: BARREIRA, I.; PALMEIRA, M. (org.). Candidatos e Candidaturas: enredos de campanha eleitoral no Brasil. São Paulo: Annablume, 2009. p. 81-104.

FRANÇA, M. C. Pequenos centros paulistas de função religiosa. 1975. 142f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1975.

GODOY, A. S. Aparecida: espaços, imagens e sentidos. 2015. 161f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2015.

GODOY, Adriano Santos. “O Papa é o melhor prefeito que a cidade já teve”: uma etnografia da paisagem urbana na capital da fé. Religião & Sociedade, [s.l.], v. 37, n. 2, p. 38-63, 2017.

GOLDMAN, M. Como funciona a democracia: uma teoria etnográfica da política. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

GOLDMAN, M.; PALMEIRA, M. (org.). Antropologia, voto e representação política. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1996.

HEREDIA, B.; TEIXEIRA, C.; BARREIRA, I. (org.). Como se fazem eleições no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Relume-Dumará, 2002.

HERZFELD, M. Cultural intimacy: Social poetics in the nation-state. New York/London: Routledge, 2014.

MONTERO, P.; BRUM, A.; QUINTANILHA, R. Ritos católicos e ritos civis: a configuração da fala pública da Igreja Católica em dois atos em memória de Vladimir Herzog (1975/2015). Mana, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 705-735, 2016.

MONTERO, Paula; SILVA, Aramis Luis; SALES, Lilian. Fazer religião em público: encenações religiosas e influência pública. Horizontes Antropológicos, [s.l.], n. 52, p. 131-164, 2018.

PALEY, J. (ed.). Democracy: anthropological approaches. Santa Fé: School for Advanced Research, 2008.

PALMEIRA, M. Os comícios e a política de facções. Anuário Antropológico, [s.l.], n. 94, p. 31-94, 1995.

PALMEIRA, M.; HEREDIA, B. Política Ambígua. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2010.

PROCÓPIO, C. E. P. A produção ritual da candidatura política. Cadernos de Campo, [s.l.],

v. 23, n. 23, p. 91-108, 2014.

SANCHIS, P. Desencanto e formas contemporâneas do religioso, Ciencias Sociales y

Religion, Porto Alegre, ano 3, 2001.

TURNER, Victor. The Center out There: Pilgrim’s Goal. History of Religions, University of

Chicago, v. 12, n. 3, p. 191-230, 1973.

TURNER, V.; TURNER, E. Image and pilgrimage in Christian culture. New York: Columbia University Press, 1978.

Downloads

Publicado

2021-10-04

Como Citar

PROCÓPIO, Carlos Eduardo Pinto; PINEZI, Ana Keila Mosca; DE OLIVEIRA, Gilson Nascimento. Política na capela: eleição municipal no Vale do Paraíba Paulista. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 23, n. 3, 2021. DOI: 10.5007/2175-8034.2021.e72936. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/72936. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos