Bagunça: casamentos e sexualidade em tensão entre indígenas kanhgág

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e74696

Resumo

Este artigo tem como objetivo explorar alguns aspectos da sexualidade kanhgág a partir do que se chama de “bagunça”, ou “bagunçar”, referindo-se aos comportamentos sexuais vistos como desregrados por certos indígenas especialmente ao falar de jovens na contemporaneidade. Esta caracterização permite analisar tensões relativas à monogamia colocada a partir das transformações do grupo após o contato. Contrasto a isto posições ágamas, com o celibato ou uma maior “liberalidade sexual”. Estas situações representariam alternativas, temporárias ou mais permanentes, diante de certas noções do casamento e monogamia. A partir destas situações, procura-se estabelecer comparações com outros estudos entre povos Jê e outras referências sobre o grupo étnico específico. O trabalho tem como base etnográfica aldeias kanhgág localizadas no norte do estado do Paraná, região sul do Brasil, na região da bacia do rio Tibagi.

Referências

BALDUS, Herbert. O culto aos mortos entre os Kaingang de Palmas. In: BALDUS, Herbert. (org.) Ensaios de etnologia brasileira. São Paulo; Brasília: Companhia Editora Nacional; INL, [1937] 1979.

BORBA, Telêmaco. Actualidade indígena. Curitiba: Impressora Paranaense, 1908.

CIMBALUK, Lucas. A Criação da Aldeia Água Branca na Terra Indígena Kaingang Apucaraninha: “política interna”, moralidade e cultura. – Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

CIMBALUK, Lucas. Respeito e reciprocidade: referenciais da moralidade Kaingang. Mediações, Londrina, v.19, n.2, p.146-163, jul/dez, 2014.

CIMBALUK, Lucas. Xamanismos kanhgág: as artes de Pedro ‘Chapéu Branco’. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v.13, n.2, jul./dez: 211-241, 2019.

CROCKER, Christopher. Vital Souls: Bororo Cosmology, Natural Symbolism, and Shamanism. Tucson: University of Arizona Press, 1985.

CROCKER, William H; CROCKER, Jean G. Os Canela: parentesco, ritual e sexo em uma tribo da Chapada Maranhense. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2009.

DAMATTA, Roberto. Um mundo dividido: a estrutura social dos índios Apinayé. Petrópolis: Vozes, 1976.

FERNANDES, Ricardo Cid. Política e parentesco entre os Kaingang. São Paulo, Tese de Doutorado, USP, 2003.

GIBRAM, Paola Andrade. Penhkár: política, parentesco e outras histórias kaingang. Curitiba: Appris; Florianópolis: Instituto Nacional de Pesquisa Brasil Plural, 2016.

HENRY, Jules. Jungle people: a Kaingang tribe of the highlands of Brazil. New York: Vintage Books, 1964.

LEA, Vanessa. “Gênero feminino Mebengokre (Kayapó): desvelando representações desgastadas”. Cadernos Pagu, nº 3, 85-115, 1994. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1724. Acesso em 12. jun. 2017.

LEA, Vanessa. “Desnaturalizando gênero na sociedade Mẽbengokre”. Estudos Feministas, nº 1 e 2, Ano 7, 176-194, 1999. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/11991. Acesso em 12. jun. 2017.

LIMA, Francisco das Chagas. “Memória sobre o descobrimento e colônia de Guarapuava”. Revista Trimensal de História e Geographia ou Jornal do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro, Rio de Janeiro: Typographia de João Ignacio da Silva, Tomo IV, n.13, 43-64, 1842.

MAYBURY-LEWIS, David. Akwẽ-Shavante Society. New York: Oxford University Press, [1967] 1974.

MCCALLUM, Cecilia. “Ritual and the origin of sexuality in the Alto Xingu”. In: HARVEY, Penelope; GOW, Peter (eds.). Sex and Violence: Issues in representation and experience. London; New York: Routledge, 1994.

MELATTI, Delvair Montagner. Aspectos da organização social dos Kaingang paulistas. Brasília: Funai, DGPC, 1976.

NIMUENDAJÚ, Curt. Etnografia e indigenismo: sobre os Kaingang, os Ofaié- Xavante e os índios do Pará. Campinas: Ed. da UNICAMP, [1913] 1993.

PAULA SOUZA, Dr. Geraldo. “Notas sobre uma visita a acampamentos de índios caingangs”. Revista do Museu Paulista, Tomo X, São Paulo, Typ. do Diário Official, 1918.

RAMOS, Luciana Maria de Moura. Vénh Jykré e Ke Há Han Ke: Permanência e Mudança do Sistema Jurídico dos Kaingang no Tibagi. – Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

ROSA, Patrícia Carvalho. “Para deixar crescer e existir”: sobre a produção de corpos e pessoas kaingang. – Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

SPENASSATTO, Josiéli Andréa. Os dois lados da mistura: desafios da coabitação e dos intercasamentos na Terra Indígena São Jerônimo (PR/Brasil). – Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Curitiba, 2016.

TAUNAY, Alfredo d’Escragnolle. Os indios Caingangs (Coroados de Guarapuava): Monographia acompanhada de um vocabulario do dialecto de que usam. Revista Trimensal do Instituto Historico e Geographico Brazileiro, Rio de Janeiro: Typographia de Pinheiro & C, suplemento ao tomo LI, 251-310, 1888.

VEIGA, Juracilda. Organização Social e Cosmovisão Kaingang: uma introdução ao parentesco, casamento e nominação em uma sociedade Jê Meridional. – Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

VEIGA, Juracilda. Cosmologia e práticas rituais Kaingang. – Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

WIIK, Flávio Braune. Christianity converted: an ethnographic analysis of the xokleng Laklanõ indians and the transformations resulting from their encounter with pentecostalism. – Dissertation (Doctor of Philosophy) – University of Chicago, Chicago, 2004.

Downloads

Publicado

2021-06-16

Como Citar

CIMBALUK, Lucas. Bagunça: casamentos e sexualidade em tensão entre indígenas kanhgág. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 73–94, 2021. DOI: 10.5007/2175-8034.2021.e74696. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/74696. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos