Habilidades perceptuais entre a captura e o comércio de pescado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e75519

Palavras-chave:

percepção, pesca, técnicas do corpo, tainha, comércio de pescado

Resumo

O artigo analisa habilidades perceptuais praticadas no mar, na praia ou no mercado, para encontrar, capturar e avaliar qualidades de pescado. Para entendermos parte das relações que se estabelecem entre pessoas e peixes entre a captura, a conservação e a comercialização nestes ambientes, acionamos conceitos antropológicos ligados à percepção ambiental e às técnicas do corpo. Refletimos sobre práticas da pesca artesanal que revelam relações ecológicas e qualidades sensíveis que se materializam nas transformações vividas por cardumes de tainhas, ciobas e outros peixes. Com base em pesquisa etnográfica com pescadores artesanais no Sul e Nordeste do Brasil e com comerciantes de pescado nestas localidades e no entreposto comercial da CEAGESP, em São Paulo, o artigo contribui para as discussões em torno da constituição de uma Antropologia da Percepção.

Biografia do Autor

Gabriel Coutinho Barbosa, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina

Professor do Departamento de Antropologia e Docente do Programa de Pós Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGAS/UFSC) desde 2010. É Doutor (2008) em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo, com ênfase em etnologia indígena, relações interétnicas e teoria da troca. Atualmente, dedica-se às áreas de Antropologia da Percepção e da prática, pesquisando temas relacionados a percepção do ambiente, navegação e pesca, relações humanos-animais. É pesquisador do Coletivo de Estudos em Ambientes, Percepções e Práticas - CANOA/UFSC.

Viviane Vedana, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC

Professora Adjunta no Departamento de Antropologia e no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Na UFSC atua como pesquisadora no Coletivo de Estudos em Ambientes, Percepções e Práticas (CANOA) e no Grupo de Estudos em Oralidade e Performance (GESTO). Participa como Affiliate Scholar do SEACoast Center, na Universidade da Califórnia, Santa Cruz (UCSC). Seu interesse de pesquisa são os sistemas técnicos de produção e comercialização e as perturbações do capitalismo nas práticas e paisagens. Sua pesquisa atual tem como foco os mercados de peixe como sistemas técnicos de conservação e distribuição e as transformações dos peixes de mercadoria a comida. Também pesquisa sobre som e antropologia visual. Atua principalmente nos campos da antropologia da técnica, antropologia econômica e do trabalho.

Rafael Victorino Devos, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007). É Professor no Departamento de Antropologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Docente no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/UFSC. Pesquisador do Grupo de Pesquisa CNPq Coletivo de Estudos em Ambientes, Percepções e Práticas - CANOA/UFSC. Pesquisador do INCT CNPq Brasil Plural. Colaborador do SEACoast Center da Universidade da Califórnia, Santa Cruz (UCSC). Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase nos seguintes temas: percepção ambiental, antropologia da paisagem, itinerários urbanos, documentário etnográfico, antropologia da técnica e memória social. Sua pesquisa atual tem como foco relações multiespécies em paisagens costeiras e habilidades perceptuais em técnicas de pesca.

Referências

AMARAL, Gabriela Vieira do; FREITAS, Daniela De Grandi Castro. Método do índice de qualidade na determinação do frescor de peixes. Ciência Rural: Santa Maria, v. 43, n. 11, p. 2093 - 2100, nov. 2013.

BARBOSA, Gabriel Coutinho; DEVOS, Rafael Victorino. Paralaxe e “marcação por terra”: técnicas de navegação entre jangadeiros na Paraíba e Rio Grande do Norte (Brasil). Mana: estudos de antropologia social, Rio de Janeiro: UFRJ 23(3), p. 343-372, 2017a.

BARBOSA, Gabriel Coutinho; DEVOS, Rafael Victorino. Técnicas de navegação por jangadeiros no litoral norte da Paraíba: “marcação por terra”, GPS, propulsão à vela e motor”. In: C. SAUTCHUK (Ed.) Técnica e transformação: perspectivas antropológicas. ABA Publicações, 2017b, p. 153-180.

BATESON, Gregory. Steps to an Ecology of Mind. San Francisco: Chandler Pub. Co., 1972 [1987].

BATESON, Gregory & BATESON, Mary Catherine. Angels Fear: Towards an Epistemology of the Sacred. New York: Macmillan, 1987.

BERLIN, Brent & KAY, Paul. Basic color terms: their universality and evolution. Berkeley, California: University of California Press, 1991.

BOAS, Franz. Sobre sons alternantes. In: STOCKING Jr., G. (org.) A Formação da Antropologia Americana, 1883-1911: antologia Franz Boas. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora UFRJ, 1889[2004], pp. 98-104.

CLASSEN, Constance. Foundations for an Anthropology of the Senses. International Social Science Journal, 153, p. 401-412, 1997.

CSORDAS, Thomas. Embodiment as a paradigm to anthropology. Ethos, 18(1), p. 5-47, 1990.

CSORDAS, Thomas. Corpo Significado Cura. Porto Alegre: Editora UFRGS. 2002[2008].

D’ANDRADE, Roy G. The development of cognitive anthropology. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 1995.

DERĘGOWSKI, Jan B. W. H. R. Rivers (1864-1922): the founder of research in cross-cultural perception. Perception, v. 27, n. 12, p. 1393-1406, 1998.

DEVOS, Rafael Victorino; BARBOSA, Gabriel Coutinho; VEDANA, Viviane. 2015. La production du paysage. Pratiques de pêcheurs en bord de mer (Santa Catarina, Brésil) Études rurales, juillet-décembre 2015, 196, p. 57-72, 2015.

DEVOS, Rafael Victorino; VEDANA, Viviane; BARBOSA, Gabriel Coutinho. Paisagens como panoramas e ritmos audiovisuais: percepção ambiental na pesca da tainha GIS - Gesto, Imagem e Som - Revista de Antropologia, São Paulo: USP, v. 1, p. 41-58, 2016.

DEVOS, Rafael Victorino; BARBOSA, Gabriel Coutinho; VEDANA, Viviane. Da temporada da tainha à temporalidade da paisagem. In: MONTARDO, D. L. O. ; RUFINO, M. R. C. F. (Eds.). Saberes e Ciência Plural: diálogos e interculturalidade em Antropologia. 1ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2017, p. 173-190.

DEVOS, Rafael Victorino; BARBOSA, Gabriel Coutinho; VEDANA, Viviane. Notícias de peixes: habilidades perceptuais, técnica e cognição distribuída na pesca da tainha. Vibrant: Virtual Brazilian Anthropology, V. 16, 2019.

DIEGUES, Antonio Carlos Sant’Ana. A pesca construindo sociedades: a história ecológica da tainha no litoral sudeste-sul brasileiro. In: DIEGUES, A. C. S. A Pesca Construindo Sociedades. São Paulo: NUPAUB-USP, 2004. pp. 243-315.

FARNELL, Brenda. Moving Bodies, Acting Selves. Annual Review of Anthropology, Vol. 28, pp. 341-373, 1999.

FELD, Steven. Sound and Sentiment: birds, weeping, poetics and song in Kaluli expression. Durham & London: Duke University Press. 1982[2012].

GIBBS, Jr. Raymond, W. Embodiment in Cognitive Science. New York: Cambridge University Press. 2006.

GIBSON, James J. The Senses considered as Perceptual Systems. Boston: Houghton Mifflin Company. 1966.

GIBSON, James J. The Ecological Approach to Visual Perception. New York: Psychology Press. 1986.

HARAWAY, Donna. When Species Meet. Minneapolis/London: University of Minesota Press. 2007.

HENARE, Amiria; HOLBRAAD, Martin & WASTELL, Sari. Thinking Through Things: theorizing artefacts ethnographically. London: Routledge, 2007.

HERBST, Dannieli Firme & HANAZAKI, Natalia. Local ecological knowledge of fishers about the life cycle and temporal patterns in the migration of mullet (Mugil liza) in Southern Brazil. Neotropical Ichthyology, 12(4), p. 879-890, 2014.

HOWES, David. Sensing Culture: engaging the senses in culture and social theory. Ann Arbor, MI: The university of Michigan Press. 2003.

HOWES, David. (ed.) Empire of the senses: the sensual culture reader. Oxford: Berg. 2005.

HOWES, David. The social life of senses. Ars Vivendi Journal 3. p. 04-23, 2013.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London and New York: Routledge, 2000.

INGOLD, Tim. Being Alive: essays on movement, knowledge and description. London and New York: Routledge. 2011.

LATOUR, Bruno. Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência. In: NUNES, J. A. & ROQUE, R. (orgs.). Objectos Impuros: Experiências em Estudos sobre a Ciência. Edições Afrontamento, 2004[2008], pp. 39-61,

LEMOS, V. M., VARELA Jr., A. S., SCHWINGEL, P. R. MUELBERT, J.H. & VIEIRA, J.P. Migration and reproductive biology of Mugil liza (Teleostei: Mugi- lidae) in south Brazil. Journal of Fish Biology, v.85, n.3, p. 671-687, 2014.

LÉVI-STRAUSS. O Pensamento Selvagem. Campinas: Editora Papirus. 1962[1989].

LÉVI-STRAUSS, Claude. Estruturalismo e Ecologia. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. O olhar distanciado. Lisboa: Edições 70. 1983, pp. 149-174.

LÉVI-STRAUSS, Claude & ERIBON, Didier. De perto e de longe. São Paulo: CosacNaif. 1988[2005].

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: CosacNaify. pp. 399-422. 1935[2005].

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos A. R. Moura. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MOL, Annemarie. The Body Multiple: ontology in medical practice. Durham and London: Duke University Press. 2002.

PINK, Sarah. Doing Sensory Ethnography. London: Sage, 2009.

RIVERS, William H. R. 1901 Primitive Color Vision. Popular Science Monthly, Cambrige University, Volume 59 May, p. 44-58, 1901.

STOCKING Jr., George W. Franz Boas and the cultural concept in historical perspective. American Anthropologist, New Series, Vol. 68, No. 4 (Aug., 1966), 867-882, 1966.

STOCKING Jr., George W. W. H. R. Rivers: from the evolution of sensory perception to the diffusion of primitive social organization. In: STOCKING Jr., George W. After Tylor: British Social Anthropology 1888-1951. Madison: The University of Wisconsin Press. 1995, pp. 184-208.

STOCKING Jr., George W. (org.). A Formação da Antropologia Americana, 1883-1911: antologia Franz Boas. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora UFRJ, 1999[2004].

STOLLER, Paul. Sensuous Scholarship. University of Pennsylvania Press, 1997.

TSING, Anna Lowenhaupt. The Mushroom at the end of the world: on the possibility of life in capitalist ruins. Princeton and Oxford: Princeton University Press, 2015.

TSING, Anna Lowenhaupt. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Brasília: IEB Mil Folhas. 2019.

WISEMAN, Boris. Structure and sensation. In: WISEMAN, Boris. The Cambridge Companion to Lévi-Strauss. Cambridge: Cambridge University Press, 2009, pp. 296-314.

Downloads

Publicado

2021-02-24

Edição

Seção

Diversidade Contaminada - Dossiê ReACT