Relações Intersubjetivas e Interespécies em um Lugar “Distante”: a Coxilha Rica

Autores

  • Eduardo Hector Ferraro UFSC pós graduação

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e79591

Palavras-chave:

Território, Lugar, Cooperação, Domesticação

Resumo

Nas grandes extenso?es dos campos da Coxilha Rica, no Estado de Santa Catarina, Brasil, a vida flui entre humanos e na?o humanos, animais dome?sticos e selvagens, configurando relac?o?es intersubjetivas e interespe?cies, delineando comportamentos, fomentando formas de pensamento e uma sociabilidade pro?pria do lugar. Nesse local, e? caracteri?stica a divisa?o de terras em fazendas ou propriedades rurais, como tambe?m a existe?ncia de alguns vilarejos com moradias, menos frequentes na regia?o. Essa forma de espacialidade organiza a vida e a sociabilidade entre pessoas e espe?cies animais, determinando alguns espac?os para esses encontros entre humanos e outras formas de vida. Neste artigo, analiso e comparo conceitos nativos com outros geogra?ficos e antropolo?gicos como espac?o geogra?fico, territo?rio, ambiente, paisagem e lugar, mostrando como essas percepc?o?es nativas regulam o processo de domesticac?a?o de animais no local e servem para a compreensa?o das relac?o?es intersubjetivas e interespe?cie da Coxilha Rica.

Biografia do Autor

Eduardo Hector Ferraro, UFSC pós graduação

Doutor e mestre em Antropologia Social, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduou-se em Licenciatura em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Atualmente é professor da Universidade do Vale do Itajaí na área de saxofone, flauta transversal, flauta doce, improvisação e análise musical. Ministra as disciplinas Metodologia de Pesquisa em Música e Ciências Sociais na Música Popular na especialização em Educação Musical. Saxofonista, flautista e compositor, é músico profissional há 30 anos. Desenvolve pesquisas sobre música latino-americana, música nativista, folclore rio-platense e andino, como também sobre sociabilidade, sujeito e subjetividade em grupos sociais no contexto latino-americano. Desenvolve pesquisas na área de antropologia multiespécie, relações humano-animais, especificamente em diversidade pecuária, atividades da Campanha, economias regionais da América do Sul baseadas nas interações nesse ambiente.

Referências

ANDERSON, D. G. et al. Architectures of domestication: on emplacing human-animal relations in the North. [S.l.: s.n.], 2017.

BATESON, G. Steps to an ecology of mind. New York: Chandler Publishing Company, 1972.

CLARK, Nigel Animal interface: the generosity of domestication. In: CASSIDY, Rebecca; MULLIN, Molly. (ed.). Where the wild things are now: domestication reconsidered – Wenner-Gren International Symposium Series. Oxford, UK: Berg Publishers, 2007. p. 49-70.

COSTA, Licurgo. O Continente das Lagens, sua história e influências no sertão de terra firme. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura, 1982.

DESCOLA, Philippe. A antropologia da natureza: entrevista. Topoi, Rio de Janeiro, v. 14, n. 27: 1-23, jul.-dez. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2237-101X014027013.

DESCOLA, Philippe. Beyond Nature and Culture. Proceedings of the British Academy, [s.l.], v. 139, p. 137-155, 2006.

DESCOLA, Philippe. Estrutura ou sentimento: a relação com o animal na Amazônia. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 23-45, 1998.

DESCOLA, Philippe; PÁLSSON, Gísli. Nature and Society: Anthropological perspectives. London: Routledge, 1996.

ESCOBAR, Arturo. El final del salvaje: Naturaleza, Cultura y Política en la antropologia contemporanea. Giro Editores: Santafé de Bogotá, 1999.

ESCOBAR, Arturo. El lugar de la naturaleza y la naturaleza del lugar: ¿globalización o postdesarrollo? In: ESCOBAR, Arturo. La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales – Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000. p. 68-87. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100708045100/7_escobar.pdf. Acesso em: 17 nov. 2020.

FERRARO, E, H. Ser ou não ser gaúcho? A perspectiva do sujeito campeiro contemporâneo no pampa latino-americano. 2018. 288p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Florianópolis, 2018.

FUNDACÃO CATARINENSE DE CULTURA. Caminho das tropas. Florianópolis: Ed. FCC, 1986.

HARAWAY, Donna. When species meet. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008. INGOLD, Tim. Companion Encyclopedia of Anthropology. New York: Routledge, 1994.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: Essays on livelihood, dwelling and skill. London: Routledge, 2000.

INGOLD, Tim. Anthropology is not Etnography. British Academy Rewiew, [s.l.], Issue 11, 2008.

INGOLD, Tim. Hunters, pastoralists and ranchers: Reindeer economies and their transformations. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

INGOLD, Tim; PÁLSSON, Gísli. Biosocial becomings: integrating social and biologic Antrhropology. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

POLÊSE, Cosme. Coxilha Rica: subsídios a uma proposta de conservação para o sul do município de Lages-SC. 2014. 185 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Humanas e da Educação, Programa de Pós-graduação Profissional em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental, Florianópolis, 2014.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SAUTCHUK, Carlos E. Os antropólogos e a domesticação, derivações e ressurgências de um conceito. In: SEGATA, Jean; RIFIOTIS, Theophilos (org.). Políticas etnográficas no campo da ciência e das tecnologias da vida. Porto Alegre: UFRGS, 2018. p. 85-108.

SORDI, Caetano. Fences in the borderland: technique, landscape and the architectures of domestication in the Brazilian-Uruguayan Pampa. Vibrant, Virtual Braz. Anthr. [on- line], v. 16, e16600, 2019. Epub Nov. 28, 2019. ISSN 1809-4341. Disponível em: https://doi. org/10.1590/1809-43412019v16d600.

STÉPANOFF, Charles; VIGNE, Jean-Denis (ed.). Introduction. In: STÉPANOFF, Charles; VIGNE, Jean-Denis. Hybrid Communities, Biosocial Approaches to Domestication and Other Trans-species Relationships. London; New York: Routledge, 2018.

STRATHERN, Marilyn. No Nature, no culture: the Hagen Case. In: MACCORMACK, C.; STRATHERN, M. (ed.). Nature, Culture and Gender. Cambridge: Cambridge University Press, p. 174-222.1980.

ZEDER, Melinda A. The domestication of animals. Journal of Anthropological Research, [s.l.], v. 68, n. 2: p. 161-190, 2012.

Downloads

Publicado

2022-05-26

Como Citar

FERRARO, Eduardo Hector. Relações Intersubjetivas e Interespécies em um Lugar “Distante”: a Coxilha Rica. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 155–173, 2022. DOI: 10.5007/2175-8034.2022.e79591. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/79591. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos