Ensinar antropologia em tempos sombrios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e80190

Resumo

Professoras e pesquisadoras em Antropologia ainda estão buscando compreender os efeitos que as recentes e rápidas transformações no cenário político e social do país produziram sobre o campo da educação – básica, superior e de pós-graduação. O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão sobre essas mudanças a partir da experiência concreta como docente de antropologia na graduação e na pós-graduação. Nas últimas décadas, viveu-se um processo de expansão da antropologia, com a criação de novos programas de pós-graduação, disseminação de disciplinas de antropologia em cursos de graduação, criação de graduações em antropologia. Ao mesmo tempo, as políticas de inclusão no ensino superior e na pós-graduação e a criação das licenciaturas interculturais indígenas, entre outras, produziram desafios metodológicos, pedagógicos, epistemológicos para o ensino de antropologia que vinham impulsionando a produção de novos paradigmas para o nosso campo. As mudanças radicais nas políticas educacionais para o ensino básico, superior e para a pós-graduação, desencadeadas a partir do processo que desembocou no golpe de 2016 e na instauração de um governo de extrema direita em janeiro de 2018, instauraram um novo e difícil cenário para a antropologia, para as ciências humanas e para o campo científico de modo geral. O ponto de partida para se pensar possíveis formas de resistência é conceber a sala de aula e o espaço educacional como lugares não apenas de transmissão do conhecimento, mas de reflexão crítica, dialógica e desenvolvimento de potências de transformação social.

Biografia do Autor

Sônia Weidner Maluf, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Titular da Universidade Federal de Santa Catarina, docente do Programa de Pós-Graduação
em Antropologia Social e Professora Visitante no Programa de Pós-Graduação em Antropologia,
Universidade Federal da Paraíba – João Pessoa (PB), Brasil. As principais áreas de atuação são em
antropologia urbana e antropologia do contemporâneo, atuando principalmente nos seguintes temas:
pessoa, indivíduo e sujeitos contemporâneos, antropologia política, Estado e políticas públicas, gênero
e teorias feministas, corpo, saúde, saúde mental, religiosidades brasileiras. Coordena o Núcleo de
Antropologia do Contemporâneo (http://transes.paginas.ufsc.br/) e é Coordenadora Executiva do
Instituto Brasil Plural/INCT/CNPq (brasilplural.paginas.ufsc.br).

Referências

BUTLER, Judith; SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Quien le canta al Estado-Nación? Lenguaje, política pertenencia. Buenos Aires: Paidós, 2009.

DURHAM, Eunice R.; CARDOSO, Ruth C. L. O ensino da antropologia no Brasil. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 9, n. 1-2, 91-108, 1961.

GROSSI, Miriam; TASSINARI, Antonella; RIAL, Carmen. (org.). Ensino de antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além-fronteiras. Blumenau: Nova Letra, 2006.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: TADEU DA SILVA, Tomaz (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Vozes, 2000. p. 103-133.

MALUF, S. W. Memorial de atividades acadêmicas (MMA) para avaliação com finalidade de progressão para classe “E” do Magistério Superior (Titular de carreira). Florianópolis: UFSC, 2016.

NESTROVSKI, Arthur; SELIGMANN-SILVA, Márcio. Apresentação. In: NESTROVSKI, Arthur;

SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000. p. 7-12.

NESTROVSKI, Arthur. Vozes de crianças. In: NESTROVSKI, Arthur; SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000. p. 185-205.

OLIVEIRA, Amurabi. Um balanço da discussão sobre ensino na Associação Brasileira de Antropologia. Cadernos da Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais, [s.l.], v. 1, n. 1, p. 80-91, 2017.

SOARES, Luis Eduardo. O rigor da indisciplina: ensaios de antropologia interpretativa. Rio de Janeiro: Relume Dumará/Iser, 1994.

VEGA SANABRIA, Guillermo. O ensino de antropologia no Brasil: um estudo sobre as formas institucionalizadas de transmissão da cultura. 2005. 113p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

VEGA SANABRIA, Guillermo; DUARTE, Luis Fernando Dias. O ensino de antropologia e a formação de antropólogos no Brasil hoje: de tema primordial a campo (possível) de pesquisa (antropológica). BIB – Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, São Paulo, n. 90, p. 1-32, setembro de 2019.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. Rio de Janeiro: Cosac Naify, 2010.

Downloads

Publicado

2022-02-07

Como Citar

MALUF, Sônia Weidner. Ensinar antropologia em tempos sombrios . Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 117–134, 2022. DOI: 10.5007/2175-8034.2022.e80190. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/80190. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Ensino da Antropologia em contextos interdisciplinares e interculturais