O que a Antropologia pode fazer pelas crianças?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2024.e93948

Palavras-chave:

Antropologia, Aprendizagem, Educação, Etnografia, Formação

Resumo

Este artigo defende a prática da Antropologia com crianças como uma forma de expandir os horizontes da disciplina e permitir a educação do/a antropólogo/a. Tal perspectiva implica uma reflexão constante sobre a formação do/a antropólogo/a, uma vez que o/a aprendiz deve estar aberto/a a novas abordagens e à contínua evolução da disciplina. Ao realizar etnografias com crianças, torna-se possível questionar as representações hegemônicas sobre a infância e ampliar a compreensão convencional acerca desse fenômeno em nível global. Nesse sentido, é crucial que a formação em Antropologia considere a reflexão sobre educação, crianças e infância, com o objetivo de preparar antropólogos/as capazes de lidar com a complexidade e a diversidade da infância e das experiências das crianças. Além disso, é necessária uma revisão sobre a associação imediata de educação ao ensino e escolarização, de forma a ampliar sua compreensão acerca dos diversos modos de aprendizagem.

Biografia do Autor

Fernanda Müller, UnB/UNIRIO

<

Referências

ALLERTON, Catherine. Childhood. In: STEIN, Felix (ed.). Open Encyclopedia of Anthropology. Facsimile of the first edition in The Cambridge Encyclopedia of Anthropology. 1. ed. 2020. Disponível em: https://www.anthroencyclopedia.com/printpdf/972. Acesso em: 11 abr. 2023. DOI: http://doi.org/10.29164/20child.

ANDERSON-LEVITT, Kathryn M. (org.). Anthropologies of Education: a Global Guide to Ethnographic Studies of Learning and Schooling. 1. ed. [S.l.]: Berghahn Books, 2012.

ARAGÃO, Luiz Tarlei. Coronéis, candangos e doutores: por uma Antropologia dos valores aplicada ao caso brasileiro. Curitiba: Appris, 2018.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O Trabalho do Antropólogo: Olhar, Ouvir, Escrever. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 13-37, 1996. Disponível em: https://www. revistas.usp.br/ra/article/view/111579/109656. Acesso em: 8 set. 2020.

CHAMBOREDON, J. C.; PRÉVOT, J. O “ofício de criança”: definição social da primeira infância e funções diferenciadas da escola maternal. Cadernos de Pesquisa, [s.l.], n. 59, p. 32-56, 1986. Disponível em: www.publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/1305. Acesso em: 12 abr. 2023.

CHRISTENSEN, Pia; PROUT, Alan. Anthropological and Sociological perspectives on the study of children. In: GREENE, Sheila; Hogan, Diane (ed.). Researching children’s Experiences, Approaches and Methods. London: Sage, 2005. p. 42-60.

CHRISTENSEN, Pia. Children’s Participation in Ethnographic Research: Issues of Power and Representation. Children & Society, [s.l.], v. 18, p. 165-176, 2004. Disponível em: https://doi. org/10.1002/chi.823. Acesso em: 18 abr. 2023.

COHN, Clarice. Concepções de infância e infâncias: um estado da arte da antropologia da criança no Brasil. Civitas: revista de Ciências Sociais, [s.l.], v. 13, n. 2, p. 221-244, 2013. Disponível em: https://10.15448/1984-7289.2013.2.15478. Acesso em: 18 abr. 2023.

COHN, Clarice. O que as crianças indígenas têm a nos ensinar? O encontro da etnologia indígena e da antropologia da criança. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 27, p. 31-59, 2021.

GOMES, Ana Maria Rabelo; FARIA, Eliene Lopes; BERGO, Renata Silva. Aprendizagem na/da etnografia: reflexões conceitual-metodológicas a partir de dois casos bem brasileiros. Revista FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 28, n. 56, p. 116-135, set.-dez. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2019.v28.n56.p116-135. Acesso em: 14 abr. 2023.

GOTTLIEB, Alma. Para onde foram os bebês? Em busca de uma Antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Psicologia USP, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 313-336, jul. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pusp/a/r938Knpn9QqKsvqgR8Hpc6H/#. Acesso em: 13 abr. 2023.

GUSMÃO, Neusa. Desafios das categorias na relação entre dois campos de conhecimento: a Antropologia e a Educação. Revista Eletrônica Interações Sociais, [s.l.], v. 5, n. 2, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.14295/reis.v5i2.13936. Acesso em: 12 abr. 2023.

HERZFELD, Michael. Antropologia: Prática teórica na cultura e na sociedade. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

INGOLD, Tim. Chega de etnografia! A educação da atenção como propósito da antropologia. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 404-411, 2016. Disponível em: https://doi. org/10.15448/1981-2582.2016.3.21690. Acesso em: 14 abr. 2023.

INGOLD, Tim. Anthropology contra ethnography. Hau: Journal of Ethnographic Theory, [s.l.], v. 7, n. 1, p. 21-26, 2017.

INGOLD, Tim. Antropologia: para que serve? Petrópolis: Vozes, 2019.

INGOLD, Tim. Antropologia e/como Educação. Petrópolis: Vozes, 2020.

INGOLD, Tim. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 6-25, jan.-abr. 2010. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ ojs/index.php/faced/article/view/6777/4943. Acesso em: 14 abr. 2023.

LAVE, Jean. Situated Learning: Historical Processes and Practice. In: LAVE, Jean. Learning and everyday life: access, participation and changing practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2019. p. 133-157.

LAVE, Jean. Aprendizagem como/na prática. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 21, n. 44, p. 37-47, jul.-dez. 2015.

LAVE, Jean; PACKER, Martin. Hacia una ontologia social del aprendizaje. Revista de Estudios Sociales, [s.l.], n. 40, p. 12-22, 2011.

LAVE, Jean.; WENGER, Etienne. Situated Learning: Legitimate Peripheral Participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

LEVINE, Robert. Ethnographic Studies of Childhood: A Historical Overview. American Anthropologist, [s.l.], v. 109, n. 2, p. 247-260, 2007.

MAUSS, Marcel. Três observações sobre a sociologia da infância. Pro-Posições, [s.l.], v. 21, n. 3, [1937] 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-73072010000300014. Acesso em: 8 ago. 2023.

MEDAETS, Chantal. “Tu garante?”: aprendizagem às margens do Tapajós. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.7476/9786557250402. Acesso em: 10 abr. 2023.

OLIVEIRA, Amurabi Pereira de. Uma análise da antropologia da educação nas Reuniões Brasileiras de Antropologia (2000-2020). Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 47, 2021.

PEIRANO, Mariza. Etnografia, ou a teoria vivida. Ponto Urbe, [s.l.], v. 2, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.4000/pontourbe.1890. Acesso em: 1o abr. 2023.

PEIRANO, Mariza. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995. PIRES, Flávia. Quem tem medo de mal-assombro? Religião e infância no semiárido nordestino. Rio de Janeiro; João Pessoa: E-papers; UFPB, 2011.

PIRES, Flávia. O que as crianças podem fazer pela antropologia? Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 16, n. 34, p. 137-157, 2010. Disponível em: DOI: https://doi. org/10.1590/S0104-71832010000200007.

PROUT, Alan; JAMES, Allison. A new paradigm for the sociology of childhood? Provenance, promise and problems. In: JAMES, Allison; PROUT, Alan. Constructing and reconstructing childhood. London: Falmer Press, 1997. p. 07-33.

PROUT, Alan. Reconsiderando a Nova Sociologia da Infância. Cadernos de Pesquisa, [s.l.], v. 40, n. 141, p. 729-750, 2010.

RIBEIRO, F. B. A proibição legal de castigos físicos na infância: alguns contrastes entre Brasil, Uruguai e França. Desidades, [s.l.], v. 4, n. 10, p. 19-28, 2016. Disponível em: https://revistas. ufrj.br/index.php/desidades/article/view/3149/2497. Acesso em: 29 ago. 2022.

RIFIOTIS, Fernanda Cruz et al. A antropologia e as crianças: da consolidação de um campo de estudos aos seus desdobramentos contemporâneos. Horizontes Antropológicos, [s.l.], v. 27, n. 60, p. 7-30, 2021.

ROCHA, Eloisa Acires Candal Rocha. A pedagogia e a educação infantil. Revista Brasileira de Educação, [s.l.], v. 16, n. 1, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413- 24782001000100004. Acesso em: 12 ago. 2023.

SCHUCH, Patrice; RIBEIRO, Bittencourt Ribeiro; FONSECA, Cláudia. Infâncias e crianças: saberes, tecnologias e práticas. Civitas: Revista de Ciências Sociais, [s.l.], v. 13, n. 2, 205-220, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.15448/1984-7289.2013.2.16467. Acesso em: 12 abr. 2023.

SOUSA, Emilene Leite de. Umbigos enterrados: corpo, pessoa e identidade Capuxu através da infância. Florianópolis: Editora da UFSC, 2017.

SOUSA, Emilene Leite de; PIRES, Flávia. Entendeu ou quer que eu desenhe? Os desenhos na pesquisa com crianças e sua inserção nos textos antropológicos. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 27, n. 60, 2021. p. 61-93. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104- 71832021000200003. Acesso em: 3 abr. 2023.

TASSINARI, Antonella Imperatriz. I. O que as crianças têm a ensinar a seus professores? Coleção Antropologia em primeira mão. Florianópolis: UFSC/Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, 2011. v. 129.

TOREN, Christina. Learning as a microhistorical process. In: JARVIS, Peter (ed.) The Learning Handbook. Abingdon: Routledge, 2012. p. 402-410.

Downloads

Publicado

2024-01-25

Como Citar

MÜLLER, Fernanda; OLIVEIRA, Sueli do Carmo. O que a Antropologia pode fazer pelas crianças?. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 26, n. 1, 2024. DOI: 10.5007/2175-8034.2024.e93948. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/93948. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Novos Debates na formação em antropologia