O Serviço Social nos aparatos do Estado e seu posicionamento ético-político na garantia dos direitos sociais

Maribel Martín Estalayo, Luis Nogués Sáez

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar relatos de um grupo de profissionais de Serviço Social na Espanha que, visando recuperar a essência do serviço social e com o mal estar decorrente de exercer a tarefa em um contexto de re-mercantilização e privatização do social, obscurecem o compromisso profissional. Tais relatos, supostamente, esvaziam-se ideologicamente afastando-se de práticas comprometidas com a igualdade social e a garantia de direitos sociais, formando um pensamento único. Ressaltar a importância de que a relação profissional é construída em torno da defesa dos direitos sociais e a adoção de recursos e benefícios econômicos, significa resistir às visões essencialistas do Serviço Social; é ir além dos discursos que situam de modo antagônico uma intervenção baseada na racionalidade ou na emotividade; na objetividade ou na subjetividade; na ajuda material ou no apoio psicossocial; na burocracia ou na adhocracia. Considera-se estratégico que as/os assistentes sociais do sistema público de serviços sociais adotem uma atitude ética e política que contribua para reconstituir a parte social do Estado.

Palavras-chave


Serviço Social; Ética; Política; Direitos sociais; Estado

Texto completo:

PDF/A (Español (España))


DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592017v20n3p335

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.