Rupturas, neogolpismo e América Latina: uma análise sobre Honduras, Paraguai e Brasil

Matheus Alexandre Araújo, Vanessa dos Santos Pereira

Resumo


Ainda que previsto o esgotamento do ciclo de governos de esquerda latino-americanos, a onda rosa, o que aconteceu nos últimos períodos tem surpreendido. Não se esperava quebra nas regras do jogo, como em Honduras (2009), Paraguai (2012) e Brasil (2016), países que interpretações errôneas das instituições resultaram em impedimento dos mandatos presidenciais. Assim, este trabalho tem por objetivo compreender, a partir de uma perspectiva comparada, esses três processos. Para tanto, classificaremos os processos de deposições ocorridos nos três países como neogolpismo para diferenciar dos padrões anteriores, pois não contam com participação direta dos militares e seu processamento acontece por meio das instituições vigentes. Dissertaremos, ainda, sobre como esses eventos reverberam na qualidade democrática em América Latina e os limites das análises que enfatizavam a consolidação da democracia nos países estudados.

Palavras-chave


Neogolpismo; Democracia; América Latina

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592018v21n1p125

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.