As transferências condicionadas de renda na América Latina: lenitivos para a pobreza?

Autores

  • Gepherson Macêdo Espínola Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia
  • Clóvis Roberto Zimmermann Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592018v21n1p55

Palavras-chave:

Pobreza, Programas de Transferências Condicionadas de Renda, América Latina

Resumo

Esse texto discute a implementação dos programas de transferências condicionadas de renda na América Latina como estratégia de enfrentamento da pobreza na região. Para tanto, contextualiza sinteticamente o desenvolvimento latino-americano ao longo do tempo, evidenciando através de dados estatísticos não só os elevados índices de pobreza, como também as condições educacionais e de saúde. Estes programas, via de regra, objetivam o alívio e a superação da pobreza, através do repasse monetário e do cumprimento de agendas de saúde e educação que, em tese, aumentariam o capital humano dos pobres e permitiria o ultraje da pobreza no longo prazo. Conclui-se que, apesar de salientes para as famílias, os programas de transferências condicionadas de renda na América Latina, por si sós, ainda não são capazes de enfrentar a pobreza estrutural que assinala a região, promovem o lenitivo para as más condições de vida, sem superá-las.

Biografia do Autor

Gepherson Macêdo Espínola, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia

Mestre em Gestão de Políticas Públicas e Segurança Social pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Professor do Curso de Especialização em Educação, Pobreza e desigualdade Social da Universidade Federal da Bahia.

Clóvis Roberto Zimmermann, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia

Doutor em Sociologia pela Universidade de Heidelberg, Alemanha. Professor Adjunto de Sociologia da Universidade Federal da Bahia.

Downloads

Publicado

2018-02-09