Controle social e governo de dados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p409

Palavras-chave:

Biopolítica, Sociedade do Controle, Dados, Democracia

Resumo

O artigo tem como temas o controle e a biopolítica, tendo a sua delimitação nas questões tecnológicas como parte das relações de controle biopolítico e na afetação local. O problema de pesquisa é: de que forma o atual projeto biopolítico de controle neoliberal afeta a sociedade brasileira enquanto uma democracia recente e quais as peculiaridades podem ser percebidas? Dito isso, utiliza-se como metodologia a abordagem fenomenológico-hermenêutica, juntamente aos métodos de procedimento monográfico e a técnica de pesquisa por documentação indireta. Conclui-se que o projeto biopolítico nacional baseia-se na lógica neoliberal, e por isso se impõe de forma a exigir o máximo da vida humana em prol da lucratividade, enquanto aumenta cada vez mais a amplitude dos dispositivos de controle (e disciplina, reservada aos inaptos), ao mesmo tempo em que no País se verifica certa radicalidade de caraterísticas autoritárias e conflitivas na adoção do modelo de controle contemporâneo na democracia nacional.

Biografia do Autor

Felipe da Veiga Dias, Faculdade Meridional (IMED), Escola de Direito, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil

Pós-doutor em Ciências Criminais pela PUC/RS. Doutor em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) com período de Doutorado Sanduíche na Universidad de Sevilla (Espanha). Professor do Programa de Pós-Graduação em Direito da Faculdade Meridional (IMED) – Mestrado. Professor do curso de Direito da Faculdade Meridional (IMED) – Passo Fundo – RS. Brasil. Coordenador do Grupo de Pesquisa “Criminologia, Violência e Sustentabilidade Social”. Advogado. Passo Fundo – Rio Grande do Sul – Brasil.

Augusto Jobim do Amaral, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Departamento de Direito, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutor em Altos Estudos Contemporâneos (Ciência Política, História das Ideias e Estudos Internacionais Comparativos) pela Universidade de Coimbra. Doutor, Mestre e Especialista em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais (Mestrado e Doutorado) da PUCRS

Referências

AMOORE, L. The politics of possibility: risk and Security beyond probability. London: Duke University Presse, 2013.

BARAK, G. The crimes of the powerful and the globalization of crime. Revista Brasileira de Direito. v. 11, n. 2, jul-dez, p. 104 – 114, 2015.

BAZZICALUPO, L. Biopolítica: un mapa conceptual. São Leopoldo: Unisinos, 2017.

CASARA, R. R. R. Estado pós-democrático: neo-obscurantismo e gestão dos indesejáveis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CHIGNOLA, S. A vida, o trabalho, a linguagem: biopolítica e biocapitalismo. Cadernos IHU, ano 13, nº. 228, v. 13, p. 3 – 19, 2015.

CHIGNOLA, S. A toupeira e a serpente. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais. v. 19, n. 3, p. 239 – 269, 2018.

DELEUZE, G. ´Post-scriptum´ sobre as sociedades de controle. Conversações (1972 – 1990). São Paulo: Editora 34, 1992.

ESPOSITO, R. Bíos: Biopolitica y filosofia. Buenos Aires: Amorrortu, 2006.

EUROPEAN COMMISSION. Competition – Antitrust. Disponível em: http://ec.europa.eu/competition/antitrust/overview_en.html. Acesso em: 04 de maio de 2019.

FIDELIS, A. L. Entre o “laissez-faire” americano e o “intervencionismo” europeu: para qual direção aponta a investigação do CADE sobre o mecanismo de busca do Google. Revista de Defesa da Concorrência. v. 3, n. 2, p. 65 – 86, 2015.

FORUM. Tuítes da Folha sobre “bolso” e “bolovo” ativam ação de robôs, que saem em defesa de Bolsonaro. Sem nenhuma relação com política, publicações ativaram os chamados bots - ou robots -, que saíram em defesa do candidato nos comentários. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/tuites-da-folha-sobre-bolso-e-bolovo-ativam-acao-de-robos-que-saem-em-defesa-de-bolsonaro/?fbclid=IwAR3uwtrIjs1nCcdjdhTc8EW9lO3lm1Re0dAGsgBkQ1zFWgnoCh4CMfzr6aY. Acesso em 04 de março de 2019.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975 – 1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. O Sujeito e o Poder. In: DREYFUS, Hubert L.; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. Segurança, Território, População. Curso do Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

KEYES, R. The Post-Truth Era: Dishonesty and Deception in Contemporary Life. New York: St. Martin Press, 2004.

HAN, B. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

HONESKO, V. N. Sobre o governo do real: a vida nos domínios do capitalismo informacional. Profanações. Ano 5, n. 1, p. 24 – 38, 2018.

HOWARD, P N. et al. Junk news and bots during the US election: What were Michigan voters sharing over Twitter. Computational Propaganda Research Project, Oxford Internet Institute, Data Memo, n. 2017.1, p. 1 – 5, 2017.

HOWARD, P N.; KOLLANYI, B.; WOOLLEY, S. Bots and Automation over Twitter during the US Election. Computational Propaganda Project: Working Paper Series, 2016.

MBEMBE, A. Políticas da inimizade. Lisboa: Antígona, 2017.

MORIN, E.; LE MOIGNE, J. L’intelligence de la complexité. L’Harmattan: Montreal, 1999.

MOROZOV, E. Big tech: a ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

NOBLE, S. U. Algorithms of oppression: how search engines reinforce racism. NYU Press, 2018.

O GLOBO. Google é multado em US$ 56,8 milhões por violar lei de proteção de dados na Europa – Penalidade foi aplicada pelo governo francês, sendo a primeira sob o novo regulamento, que entrou em vigor na UE em maio de 2018. Publicado em: 21 de janeiro de 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/tecnologia/google-multado-em-us-568-milhoes-por-violar-lei-de-protecao-de-dados-na-europa-23389682. Acesso em: 04 de maio de 2019.

O'NEIL, C. Weapons of math destruction: how big data increases inequality and threatens democracy. Broadway Books, 2017.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a Internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PASQUALE, F. The black box society: the secret algorithms that control money and information. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 2015.

REVEL, J. Foucault, un pensamiento de lo discontínuo. Buenos Aires – Madrid: Amorrortu editores, 2014.

SRNICEK, N. Plataform capitalism. Cambridge: Polity Press, 2017.

Downloads

Publicado

2020-10-05