As lutas feministas e sua articulação pelas mídias digitais: percepções críticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p459

Palavras-chave:

Feminismo, Mídias Digitais, Lutas Sociais

Resumo

Este artigo é uma reflexão sobre as potencialidades do uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) destacando as mídias digitais como instrumento das lutas feministas. Estas plataformas virtuais ampliam o alcance das discussões das pautas feministas, paradoxalmente permitem ataques de movimentos e manifestações contrárias. O que ressaltamos é a importância fundamental do uso destes instrumentos de comunicação para o processo de mobilização popular, estratégia indispensável para a luta política, em que pesem as diferentes formas de comunicação possibilitadas pela Internet, sua visibilidade e seu alcance. Os desdobramentos podem ser percebidos mediante as frequentes manifestações sociais brasileiras materializando as articulações estabelecidas por essas linguagens digitais.

Referências

ARRUZZA, C.; BHATTACHARYA, T.; FRASER, N. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BOGADO, M. Rua. In: HOLLANDA, H. B. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: 14 jun. 2019.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei 5069/2013. Acrescenta o art. 127-A ao Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal. 27 mar. 2013a. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=565882. Acesso em: 14 jun. 2019.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei 6583/2013. Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. 16 out. 2013b. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=597005. Acesso em: 14 jun. 2019.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei no, de 2007. Dispõe sobre o Estatuto do Nascituro e dá outras providências. 2007. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=443584&filename=PL+478/2007. Acesso em: 14 jun. 2019.

BRASIL. Programa Brasil Sem Homofobia. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, 2004.

CISNE, M. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. São Paulo: Outras Expressões, 2015.

CISNE, M. Relações sociais de sexo, “raça”/etnia e classe: uma análise feminista-materialista. Temporalis, Brasília, DF, ano 14, n. 28, p. 133-149, jul./dez. 2014. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/7886. Acesso em: 20 jun. 2019.

COELHO, M. P. Vozes que ecoam: Feminismo e Mídias Sociais. Pesquisas e Práticas Psicossociais, Minas Gerais, v. 11, n. 1, p. 214-224, jan. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1809-89082016000100017&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 14 jun. 2019.

COSTA, C. Rede. In: HOLLANDA, H. B. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

FIGUEIREDO, K. A. Serviço Social, linguagem e comunicação pública: desafios na contemporaneidade. In: RODA DE CONVERSA SERVIÇO SOCIAL E COMUNICAÇÃO, REDES SOCIAIS, LINGUAGEM E POLÍTICA, 2013, Minas Gerais. Anais [...]. Minas Gerais: CRESS, 2013. p. 01-10.

GONTIJO, C. R. et al. Ciberespaço: Que território é esse? Educação e Tecnologia, Curitiba, v. 12, n. 3, 2007. Disponível em: http://ticsproeja.pbworks.com/f/Ciberespaco.pdf. Acesso em: 14 jun. 2019.

HANISCH, C. The personal is political. In: FIRESTONE, S.; KOEDT, A. (org.). Notes from the Second Year: Womens’s liberation. Disponível em: http://www.carolhanisch.org/CHwritings/PIP.html. Acesso em: 10 fev. 2020.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2017.

RAMONET, I. Quem controla a Internet? Carta Maior, [S.l.], 09 out. 2005. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Coluna/Quem-controla-a-Internet-/20001. Acesso em: 14 jun. 2019.

RIBEIRO, A. C. T. Território usado e humanismo concreto: o mercado socialmente necessário. In: SILVA, C. A. et al. Formas em crise: utopias necessárias. Rio de Janeiro: Arquimedes, 2005.

SAFFIOTI, H. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SCHNEIDER, H.; SILVA, A; VIEIRA, E. O uso das redes sociais como método alternativo de ensino para jovens: análise de três projetos envolvendo comunidades virtuais. In: Colóquio Internacional “Educação e contemporaneidade”, 4., 2010, São Cristóvão. Anais eletrônicos [...]. São Cristóvão: EDUCON, 2010. Disponível em: http://educonse.com.br/2010/. Acesso em: 31 out. 2018.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

Downloads

Publicado

2020-10-05