Diretrizes curriculares e questão racial: uma batida pulsante na formação profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p519

Palavras-chave:

Questão racial, Formação Profissional, Diretrizes Curriculares do Serviço Social

Resumo

Trata do aprofundamento de estudos sobre as Diretrizes Curriculares da ABEPSS e a questão racial como elemento fundamental à compreensão da vida social na particularidade brasileira e, por conseguinte, na formação e no trabalho profissional em serviço social. Considerando a lógica do projeto de formação profissional construído nos últimos 40 anos da Virada e ruptura do conservadorismo o debate racial vem ganhando expressão, ainda que com lacunas e silêncios a serem superados. Nesta direção, visa contribuir com aspectos teórico-metodológicos que possam subsidiar a superação do debate étnico-racial restrito à temática identitária ou de política pública que ocasionam a sua secundarização, fragmentação e distanciamento. Os estudos realizados no pós doutoramento permitiram constatar que a indissociabilidade dos núcleos de fundamentação evidenciam como o debate racial contribui fundamentalmente para as aproximações do real na perspectiva marxista da totalidade histórica, sendo assim, força motriz para seu movimento de resistência, rebeldia e superação.

 

 

Biografia do Autor

Maria Helena Elpidio, Universidade Federal do Espírito Santo

Docente do departamento de serviço social e do PPGPS/UFES

Doutora em Serviço Social (2015) - PPGSS/UERJ

Pós-doutorado no PPGSS/UFJF (2019-2020)

Menbro do grupo de estudos Interfaces (UFES)

Referências

ABESS. CEDEPSS. Diretrizes gerais para o curso de Serviço Social (Com base no currículo mínimo aprovado em Assembleia Geral Extraordinária de 8 de novembro de 1996). Cadernos Abess, São Paulo, n.7, p.58-76, 1997.

ABEPSS. Subsídios para o debate sobre a questão étnico-racial na formação em serviço social. Brasília (DF), 2018. Disponível em: http://www.abepss.org.br/arquivos/anexos/subsidio_debate_uestao_etnico_servico_social-201812041419427146430.pdf. Acesso em: 20 de fevereiro de 2020

ABREU, Maria Helena Elpidio. A experiência da “ABEPSS itinerante”: a atualidade do projeto de formação profissional frente à contrarreforma da educação. Temporalis, Brasília (DF): ABEPSS, ano 13, n. 25, p. 113-132, jan./jun. 2013.

ABREU, Marina Maciel. A formação profissional em serviço social e a mediação da ABEPSS: diretrizes curriculares/1996 em relação à perspectiva emancipatória no âmbito do avanço do conservadorismo. In: SILVA, Maria Liduina de Oliveira (org). Serviço Social no Brasil: histórias de resistências e ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

ALMEIDA, Magali da Silva. Diversidade humana e racismo: notas para um debate radical no serviço social. Argumentum, Vitória, v. 9, n. 1, p. 32-45, jan./abr. 2017. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/15764/10929. Acesso em: 23 de junho de 2019.

ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BEHRING, Elaine R. et al. Capitalismo em crise: política social e direitos. São Paulo: Cortez, 2010.

CERQUEIRA, Daniel et al. Atlas da violência 2019. Brasília (DF), Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/06/Atlas-da-Violencia-2019_05jun_vers%C3%A3o-coletiva.pdf. Acesso em: 22 de outubro de 2019

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

CRUZ, Suellen S. da. Serviço social e a questão étnico- racial. 2017. (Trabalho de conclusão de curso)-Departamento de serviço social, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.

DIAS, Sheila. Serviço Social e Relações Raciais: caminhos para uma sociedade sem classes. Temporalis, Brasília (DF), ano 15, n. 29, jan./jun. 2015.

EURICO, M.C. Da Escravidão ao Trabalho Livre: contribuições para o trabalho do assistente social. Ser Social, Brasília (DF), v.19, n. 41, p. 41-42, 2017.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas; Fundação da Biblioteca Nacional, 2016.

FERNANDES, Florestan. O significado do protesto negro. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular co-edição Editora Perseu Abramo, 2017.

FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. Vol. 1. 3. ed. São Paulo: Ática, 1978.

IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social em tempo de capital fetiche. São Paulo: Cortez, 2007.

¬¬¬¬IAMAMOTO, Marilda V.; CAVALHO, Raul. Relações sociais e Serviço Social no Brasil. São Paulo: Cortez, 1995.

IAMAMOTO, Marilda V. Trabalho e indivíduo social. São Paulo: Cortez, 2001.

IANNI, Octavio. Raças e classes sociais no Brasil. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 2004.

LUKÁCS, Georg. História e Consciência de Classe. Porto: Publicações Escorpião, 1974.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2019.

MUNANGA, Kabele. Negritude: uso e sentidos. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo marcarado. 3. ed. São Paulo: Perspectivas, 2016.

NETTO, José Paulo. Para uma nova história do serviço social no Brasil. In: SILVA, Maria Liduina de Oliveira (org). Serviço Social no Brasil: histórias de resistências e ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

ROCHA, R. da F. A. A incorporação da temática étnico-racial no processo de formação em serviço social: avanços e desafios. 2014. Tese (Doutorado em Serviço Social)-Escola de Serviço Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

SANTOS, Claudia Mônica. Na Prática a Teoria é outra? Mitos e Dilemas na Relação entre Teoria, Prática, Instrumentos e Técnicas no Serviço Social. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2010.

YAZBEK, Carmelita. IAMAMOTO, Marilda Villela (org.). Serviço Social na história: América Latina, África e Europa. São Paulo: Cortez, 2019.

Downloads

Publicado

2020-10-05