Fetichismo da técnica e geração de valor no trabalho do profissional em saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p658

Palavras-chave:

Tecnicismo, Teoria do Valor, Materialismo Histórico

Resumo

Este artigo analisa o processo de determinação capitalista de produção de mais valor no trabalho do profissional em saúde, em sua articulação constitutiva com o fetiche da técnica. O presente estudo demonstrou que o trabalho dos profissionais em saúde no capitalismo é convertido numa mercadoria, cuja finalidade é a geração de mais valor a partir dos serviços de saúde. Viu-se que o processo de geração de valor do trabalho nesse campo, conforma-se aos parâmetros de atendimento das demandas de reprodução do capital e necessita de um centralismo fetichizado sobre o conjunto de técnicas que compõem tal setor. Demonstra-se, assim, com este estudo, que o tecnicismo, materializado no profissional em saúde, contribui com a exploração de mais-valia relativa e de conformação ideológica alinhada aos interesses da classe dominante na sociedade do capital.

Biografia do Autor

Fillipe Manoel Santos Cavalcanti, Universidade Federal de Alagoas

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Linguística e Literatura, Universidade Federal de Alagoas

Maria Virgínia Borges Amaral, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Linguística e Literatura no Programa de Pós-graduação em Linguística e Literatura, Universidade Federal de Alagoas

Professora Titular da Universidade Federal de Alagoas

 

Referências

AMARAL, M. Virgínia Borges. A condição do trabalho e o serviço social no setor sucroenergético. In: Maria Virginia Borges Amaral. (Org.). CapitalXTrabalho no campo: questão agrária, agricultura familiar e trabalho no setor sucroenérgetico. 1ed. Maceió: EDUFAL, 2011, v. 1, p. 1-1.

AMARAL, M. Virgínia Borges A volatilidade do trabalho do profissional em Serviço Social em tempos de crise. In: Maria Virginia Borges Amaral; Norma Alcântara. (Org.). Trabalho, Política, Vida Cotidiana, Serviço Social. 1ed.Maceió: EDUFAL, 2015, v. 1, p. 35-54.

AMARAL, M. Virgínia Borges [2005] Discurso e relações de trabalho. Maceió: Edufal, 2016.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (Brasil). Enfermagem em números. Brasília, DF: COFEN, 2019 CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE – CNS. Resolução n.º 218, de 06 de março de 1997. Disponível em <http://www.crefrs.org.br/legislacao/pdf/res_cns_218_1997.pdf>. Acesso em 25 de março de 2020.

ERICSON, Sóstenes. Processos de modelização na institucionalização de saberes no campo de enfermagem. In: AMARAL, Maria Virgínia Borges; ERICSON, Sóstenes. Do discurso: fundamentos e práticas. Maceió: Edufal, 2019.

LUKÁCS, Gyorgy. Para uma ontologia do ser social. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

LUKÁCS, Gyorgy. Conversando com Lukács. São Paulo: Instituto Lukács, 2014.

MARX, Karl. O Capital – crítica da economia política. Livro 1. 31. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

MARX, Karl. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro 1. Tomo II. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MENDES-GONÇALVES, Ricardo Bruno. Saúde, sociedade e história. São Paulo: Hucitec; Porto Alegre: Rede Unida, 2017.

MÉSZÁROS, Istívan. Para Além do Capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

NIGHTINGALE, Florence. Anotações de enfermagem: o que é, e o que não é. [1860]. Trad. Janaina Belém. 1. ed. São Paulo: Rideel, 2010.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, SP: editora Unicamp, 2014.

OGUISSO, Taka. A influência francesa na enfermagem brasileira. In.: OGUISSO, Taka. (org.). Trajetória histórica e legal da enfermagem. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2007. p.130-158.

SANTOS, Tatiane Araújo dos; MELO, Cristina Maria Meira. Valor do trabalho da enfermeira. Salvador: Edufba, 2019.

Downloads

Publicado

2020-10-05