Notas sobre a complexidade do neoconservadorismo e seu impacto nas políticas sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p720

Palavras-chave:

Neoconservadorismo, Neoliberalismo, Hegemonia

Resumo

É impossível discutir neoconservadorismo sem destacar a importância dele no atual contexto econômico-político e cultural brasileiro. Cabe afirmar que a intensidade e o ritmo das manifestações neoconservadoras implicam ainda mais os/as assistentes sociais, na tarefa de análise, de posicionamento crítico e de intervenção nas relações sociais. O esforço de pensá-las precisa ser sempre plural e complexo. O neoconservadorismo relaciona-se profundamente com o neoliberalismo e com a necessidade da construção de uma moralidade conservadora no atual momento do capitalismo. São múltiplas as incidências que operam na construção dessa moralidade conservadora e de um “novo homem” docilizado. Na especificidade brasileira, a chegada ao poder da extrema direita é analisada como expressão do neoconservadorismo e de suas manifestações simultâneas nas relações de gênero, étnico-raciais e no campo dos direitos sexuais e de sua busca por hegemonia. Compreendê-la é condição sine qua non para superar análises economicistas da cena brasileira contemporânea.

Biografia do Autor

Guilherme Silva de Almeida, Escola de Serviço Social da UFRJ.

Foi professor efetivo do PURO/UFF (2009-2010), da UERJ (2010-2019) e atualmente é professor adjunto da ESS/UFRJ, atuando no Departamento de Fundamentos do Serviço Social. Atuou como assistente social na política de saúde e com direitos humanos. Tem como temas de pesquisa mais diretamente relações de gênero e sexualidade.

Referências

BARROCO, Maria Lúcia S. Os Fundamentos Sócio-Históricos da Ética. In: CFESS/ABEPSS. Capacitação em Serviço Social e Política Social – Módulo 2: Crise Contemporânea, Questão Social e Serviço Social. Brasília: CEAD, 1999. p. 119-136.

BARROCO, Maria Lúcia S. Não passarão! Ofensiva neoconservadora e Serviço Social. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 124, p. 623-636, 2015.

BBC News Brasil. BRASIL é o 2º em ranking de países que passam mais tempo em redes sociais. Época Negócios, 6 set. 2019. Disponível em: https://is.gd/HcNWRw. Acesso em: 03 abr. 2020.

BELEDELI, Marcelo. Banco Renner se repagina após 30 anos de mercado. Jornal do Comércio, 05 de junho de 2020. Disponível em: https://is.gd/gpKx50. Acesso em: 06 maio 2020.

BOSCHETTI, Ivanete. Expressões do conservadorismo na formação profissional. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 124, p. 637-651, 2015.

BRUM, Eliane. O homem mediano assume o poder: o que significa transformar o ordinário em ‘mito’ e dar a ele o governo do país? El País, Opinião, 04 fev. 2019. Não paginado. Disponível em: https://is.gd/U7HgyV. Acesso em: 11 maio 2020.

CARNOY, Martin. Estado e Teoria Política. Campinas: Papirus, 1990.

CARTA CAPITAL. “As pistas do método ‘Cambridge Analytica’ na campanha de Bolsonaro”. 19 de outubro de 2018. Disponível em: https://is.gd/21OEvh. Acesso em: out. 2019.

CORRÊA, Sonia. “A ‘política do gênero’: um comentário genealógico”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 53, 2018.

CORRÊA, Sonia. Eleições brasileiras de 2018: a catástrofe perfeita? Sexual Policy Watch (SPW). Disponível em: https://is.gd/VIagXP. Acesso em: 03 jul. 2019.

DRIBLANDO a democracia: como Trump venceu as eleições. Produção de Antoine Rubin. Dirigido por Thomas Huchon. Paris: 2018.Disponível em: https://is.gd/ToBFYy. Acesso em: jul. 2019. Duração: 52 min.

FERREIRA, Guilherme Gomes. Conservadorismo, fortalecimento da extrema direita e a agenda da diversidade sexual e de gênero no Brasil contemporâneo. Revista Lutas Sociais: revista vinculada ao Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais da PUCSP, São Paulo, v. 20, n. 36, p. 166-178, 2016.

IAMAMOTO, Marilda. O Serviço Social na cena contemporânea. In: CFESS/ABEPSS. Serviço Social: direitos e competências.

Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009.

JUNQUEIRA, Rogério. “A invenção da ‘ideologia de gênero’: a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero”. Psicologia Política, v. 18, n. 43, p. 449-502, 2018.

LAVINAS, Lena; GONÇALVES, Guilherme Leite. Brasil 2018: direitização das camadas médias e polarização social. Le Monde Diplomatique Brasil, 04 out. 2018. Disponível em: https://is.gd/IHC0G8. Acesso em: maio 2020.

LÖWY, Michael. Conservadorismo e extrema direita na Europa e no Brasil. Revista Serviço Social & Sociedade, n. 124, p. 652-664, 2015.

MELO, Alice. No ritmo de Jesus: donos de uma expressiva indústria gospel, os evangélicos vêm se firmando como produtores de cultura brasileira. Revista de História da Biblioteca Nacional, p. 15-19, 2012.

PAULO NETTO, J. A construção do projeto ético-político do Serviço Social frente à crise contemporânea. In: CFESS/ABEPSS. Capacitação em Serviço Social e Política Social, módulo 01: Crise contemporânea, questão social e Serviço Social. Brasília: CEAD/UnB, 1999.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Revista Sociedade & Cultura: revista do Departamento de Ciências Sociais e Pós Graduação em Sociologia, v. 11, n. 2, p. 263-274, 2008.

RIBEIRO, Carolina. Conheça as redes sociais mais usadas no Brasil e no mundo em 2018. Disponível em: https://is.gd/zloiIE. Acesso em: 20 abr. 2020.

ROSA, Rafael Rocha da. Neoliberalismo, desdemocratização, subjetividade. Revista Argumentos: revista do Programa de Pós Graduação em Filosofia da UFC, ano 11, n. 21, p. 154-165, 2019.

SIMÕES, Carlos. A Ética das Profissões. In: BONETTI, Dilséa Adeodata et al. Serviço Social e Ética: convite a uma nova práxis. 3. ed.São Paulo: Cortez, 2000.

SILVA, Ana Paula Procópio. O contrário de casa grande não é senzala. É quilombo! A categoria práxis negra no pensamento social de Clóvis Moura. 2017. 268 f. Tese (Doutorado) “Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Escola de Serviço Social, UFRJ, Rio de Janeiro, 2017.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão; CAVALCANTE, Rita (org.). Religiões e o paradoxo apoio social intolerância, e implicações na política de drogas e comunidades terapêuticas. São Paulo: HUCITEC, 2019.

VALENTE, Jonas. “Celular se torna principal forma de acesso à internet no Brasil”. Agência Brasil, 24 jul. 2018. Disponível em: https://is.gd/m2JYnt. Acesso em: 11 maio 2020.

VALLS, Álvaro L. M. O que é ética. São Paulo: Brasiliense, 1994.

VAZ, Tatiana. Edir Macedo compra 49% do Banco Renner. Revista Exame. Disponível em: https://is.gd/x4KeQX. Acesso em: 10 jul.2019.

Downloads

Publicado

2020-10-05

Edição

Seção

Adaptações de Palestras