Autoritarismo e crise da democracia no Brasil: entre o passado e o presente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-0259.2021.e75120

Palavras-chave:

Autoritarismo, Democracia, Crise da democracia, Brasil

Resumo

O presente artigo busca refletir sobre a crise da democracia liberal e a ascensão de ideias autoritárias no Brasil a partir do golpe parlamentar de 2016, mas principalmente após o início do governo de Jair Bolsonaro em 2018. A ascensão de manifestações de direita e de extrema direita no País, na atual conjuntura, nos faz pensar sobre a complexa relação histórica entre Estado, autoritarismo e democracia no Brasil. Assim sendo, percebemos que a incipiente democracia liberal brasileira é sustentada por uma cultura política autoritária reprodutora de desigualdades, racismos, conformismos e violências. Nesse sentido, em oposição aos movimentos assinalados antidemocráticos, a democracia popular deve ser construída a partir de novos valores éticos, morais, políticos, filosóficos e econômicos, radical ao capitalismo e condizente com práticas político-pedagógicas capazes de fomentar novos sujeitos sociais.

Biografia do Autor

Sabrina Aparecida da Silva, Programa de Pós-graduação em Serviço Social (PPGSS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014), Mestra (2017) e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UFSC. Vinculada ao Núcleo de Estudos e Pesquisas Estado, Sociedade Civil, Políticas Públicas e Serviço Social (NESPP). Pesquisadora nas áreas de fundamentos do Serviço Social brasileiro, Estado, sociedade civil, lutas sociais, participação popular e democracia a partir do pensamento de Antonio Gramsci.

Referências

BOBBIO, N. Dicionário de política. 11ª Ed.Brasília: Ed. UnB, 1998.

COGGIOLA, O. Entre FHC, Lula e Bolsonaro. Elementos para uma histórica econômico-política do Brasil (1979-2019). São Paulo: Programa de Pós-graduação em História Econômica – USP. 2019.

COUTINHO, C. N. A democracia como valor universal(1979). Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/coutinho/1979/mes/democracia.htm. Acesso em 12/06/2020.

COUTINHO, C. N. Vontade coletiva. Dicionário Gramsciano (1926-1937). 1ed. São Paulo. Editora: Boitempo, 2017. p. 811 - 813.

DEMIER, F; MELO, D. Onda conservadora, crise orgânica e cesarismo de toga no Brasil. In:Marxismo, política social e direitos. [Org. Ivanete Bochetti; Elaine Behring; Rita de Lourdes de Lima]. 1ª Ed. São Paulo: Cortez, 2018. p. 253 – 272.

FAUSTO, B. O pensamento nacionalista autoritário. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2001.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5ª edição. São Paulo: Globo, 2005.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Maquiavel. Notas sobre o Estado e a Política. 3ªEdição. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, V. 3, 2007a.

GRAMSCI, A. Democracia e fascismo. Escritos políticos.Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, V. 2, 2004b. p. 278 – 289.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. 4ª Edição. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, V. 2, 2006.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Introdução ao estudo da filosofia. A filosofia de Benedetto Croce.5ª Edição. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, V. 1, 2011.

HACKENHAAR, C. O integralismo em Santa Catarina e a tentativa de golpe em março de 1938. [Tese de Doutorado]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2019.

HIRSCH, J. Crise da democracia – qual crise? Revista da Boitempo, São Paulo, n 32, 3º trimestre,p. 81 – 87, mai./2019.

LAVALLE, A. G. Participação, (des)igualdade política e democracia. In: Desigualdades e democracia: o debate da teoria política. [Org. Luis Felipe Miguel]. São Paulo: UNESP, 2016. p. 171 – 202.

MASCARO, A. L. Dinâmica da crise e do golpe: de Temer a Bolsonaro. Revista da Boitempo, São Paulo, n 32, 3º trimestre, p. 25 – 32, mai./2019.

MIGUEL, L. F. Dominação e resistência: desafios para uma política emancipatória. 1ª Ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

NETTO, J. P. Pequena história da ditadura brasileira (1964-1985). São Paulo: Editora Cortez, 2014.

NEVES, A. V. Ameaças à democracia hoje: desafios contemporâneos. In: Democracia e Participação Social: desafios contemporâneos. [Org. Angela Vieira Neves]. Campinas: Papel Social, 2016. p. 21 – 30.

PAULANI, L. M. Bolsonaro, o ultraliberalismo e a crise do capital. Revista da Boitempo, São Paulo, n 32, 3º trimestre, p. 48 – 56, mai./2019.

SANTOS, W. G. Poder e política: crônica do autoritarismo brasileiro. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1978.

SANTOS, W. G. Paradoxos do Liberalismo. Rio de Janeiro: IUPERJ/São Paulo: Vértice, 1988.

SEMERARO, G. Libertação e Hegemonia: realizar a América Latina pelos movimentos populares. São Paulo: ideias e letras, 2009.

SIMIONATTO, I. Razões para continuar utilizando a categoria sociedade civil. In: Democracia, sociedade civil e serviço social: uma perspectiva crítica. [Org. Angela V. Neves, Alba Tereza B. de Castro]. Brasília: UNB, 2012. p. 33 – 58.

Downloads

Publicado

2021-04-09