Comunidades tradicionais: a formação socio-histórica na Amazônia e o (não) lugar das comunidades ribeirinhas

Autores

Palavras-chave:

Amazônia, Comunidades Ribeirinhas, Formação sócio-histórica, Território

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a formação sócio-histórica da Amazônia, destacando o (não) lugar ocupado pelas comunidades ribeirinhas e por outros povos amazônicos, bem como problematizar o uso do território e a inserção da região amazônica no mundo globalizado. Trata-se de um ensaio teórico, com base em livros, revistas e artigos publicados, fundamentado em perspectiva crítica. No qual, evidencia-se essa trajetória socioeconômica e histórica da Amazônia marcada por uma intensa exploração dos seus recursos naturais que visa atender aos interesses do capital. O plano de modernização da região culminou contraditoriamente no adensamento das expressões da questão social e marginalização dos povos amazônicos, em especial, as comunidades ribeirinhas, historicamente excluídas nesse processo.

Biografia do Autor

Joyce Sampaio Neves Fernandes, Universidade Federal de Santa Catarina/Doutoranda em Serviço Social

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal do Pará (2017). Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (2020). Atualmente é Doutoranda em Serviço Social na Universidade Federal de Santa Catarina (PPGSS/UFSC). Integra o Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Sociedade Família e Política Social (NISFAPS). Realiza pesquisas nas seguintes áreas: Amazônia, comunidades tradicionais, território, políticas sociais e família.  

Liliane Moser, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (1988), mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993), doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006). Com pós-doutorado no Instituto de Ciências Sociais - ICS da Universidade de Lisboa (2019). É professora associada da Universidade Federal de Santa Catarina, com atuação no Departamento de Serviço Social - DSS e no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social - PPGSS. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase em política social, família e trabalho atuando principalmente nos seguintes temas: políticas sociais, família, conciliação trabalho e vida familiar e trabalho social com famílias. Integra o Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Sociedade, Família e Política Social (NISFAPS), a Rede de Pesquisa Família e Política Social (REFAPS) e coordena o Observatório de Políticas Sociais e Famílias Catarinenses (OPSFaC).

Referências

ARENZ, Karl Heinz. Filhos e filhas do beiradão: a formação sócio-histórica dos ribeirinhos da Amazônia. Santarém: Faculdades Integradas do Tapajós - FIT, 2000.

BARROSO, Silvana Compton. Comunidades ribeirinhas na Amazônia: a dinâmica sociopolítica para acesso a bens e serviços sociais. Manaus: EDUA, 2015.

CAMPOS, Edval Bernardino. As sociedades Amazônicas e o SUAS. In: CAMPOS, Edval Bernardino (org.). Fator amazônico e a interface com o Sistema Único de Assistência Social. 1. ed. Belém: ICSA/UFPA, 2013. p. 31-51.

CASTRO, Edna. Urbanização, pluralidade e singularidades das cidades amazônicas. In: CASTRO, Edna (org.). Cidades na Floresta. São Paulo: Annablume, 2008. p. 13-39.

CASTRO, Edna; SANTOS, Maria Antonieta. Belém de águas e de portos: ação do Estado e a modernização na superfície. In: CASTRO, Edna (org.). Belém de águas e ilhas. Belém: CEJUP, 2006. p. 25-43.

CHAVES, Genisson Paes. FURTADO, Lourdes Gonçalves. Entre rios, furos e igarapés: o ambiente aquático no imaginário social dos ribeirinhos de uma sociedade Amazônica. Contribuciones a las Ciencias Sociales, Universidad de Málaga, p. 1-13, Jun. 2017. Disponível em: https://www.eumed.net/rev/cccss/2017/02/index.htm. Acesso em: 25 set. 2018.

CHAVES, M. do P. Socorro Rodrigues. Uma Experiência de Pesquisa-ação para Gestão Comunitária de Tecnologias Apropriadas na Amazônia: o estudo de caso do assentamento de Reforma Agrária Iporá. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica, Instituto de Geociências. UNICAMP/CIRED, Campinas, SP, 2001. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/287073. Acesso em: 04 mar. 2018.

DIEGUES, Antonio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. 2. ed. São Paulo, SP: Hucitec, Nupaub / USP, 2008.

AUTOR. Política de Assistência Social na Amazônia: problematizando o acesso das famílias ribeirinhas da Ilha das Onças, Barcarena/PA. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Centro Socioeconômico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

FURTADO, Lourdes. G.; MANESCHY, Maria C. Gens de mer et contraentes sociales: les pêcheurs côtiers de l’état du Pará, nord du Brésil. In: COLLOQUE NATIONAL ET INTERNATIONAL – entre terre et mer – sociétes littorales et pluriactivités XV-XX siècles, 2002, Lorient, França.

FURTADO, Lourdes. G. Comunidades tradicionais: sobrevivência e preservação ambiental. In: D’INCÃO, Maria Angela; SILVEIRA, Isadora Maciel da. (org.). A Amazônia e a crise da modernização. 2. Ed. Belém, PA: ICSA-UFPA/ Museu Paraense Emílio Goeldi, 2009. p. 65-72.

FRAXE, Therezinha de Jesus Pinto. Cultura cabocla-ribeirinha: mitos, lendas e transculturalidade. São Paulo: Annablume, 2004.

GOMES, Vera Lúcia Batista. Trabalho e desenvolvimento na Amazônia: notas para a reflexão no Estado do Pará. In: GOMES, Vera Lúcia Batista; VIEIRA, Ana Cristina de Souza; NASCIMENTO, Maria Antonia Cardoso (org.). O avesso dos direitos: Amazônia e Nordeste em questão. Recife: UFPE, 2012. p. 145-175.

HURTIENNE, Thomas. O que significa a Amazônia para a sociedade global? In: D’INCÃO, Maria Angela; SILVEIRA, Isadora Maciel da. (org.). A Amazônia e a crise da modernização. 2. Ed. Belém, PA: ICSA-UFPA/ Museu Paraense Emílio Goeldi, 2009. p. 153-156.

IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 17. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

LIRA, Talita de Melo; CHAVES, Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues. Comunidades Ribeirinhas na Amazônia: organização sociocultural e política. Interações. Campo Grande, MS, v. 17, n. 1, p. 66-76, jan./mar. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1518-70122016000100066&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 04 mai. 2018

MAGALHÃES, Sônia Barbosa; CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). A expulsão de ribeirinhos em Belo Monte: relatório da SBPC. São Paulo: SBPC, 2017. [livro eletrônico].

MARQUES, Gilberto de Souza. Amazônia: riqueza, degradação e saque. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2019.

MASCARO, A.L. Estado e forma política. São Paulo: Boitempo, 2013.

NODA, Sandra et al. Utilização e apropriação das terras por agricultura familiar amazonense de várzea. In: DIEGUES, Carlos Antônio; MOREIRA, André de Castro C. (org.). Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: Núcleo de apoio à pesquisa sobre populações humanas e áreas úmidas brasileiras, USP, 2001.

POJO, E. C et al. As águas e os Ribeirinhos: beirando sua cultura e margeando seus saberes. Revista Interdisciplinar da Divisão de Pesquisa e Pós-Graduação, Campus Universitário de Abaetetuba (UFPA), v. 8, n. 11, p. 176-198, ago. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistamargens/article/view/3249 Acesso em: 03 mar. 2018.

SÁ, Maria Elvira Elvira Rocha de; NASCIMENTO, Nádia do Socorro Fialho. Acumulação de capital e cidades na Amazônia: produção de riquezas e negação de direitos sociais. In: GOMES, Vera Lúcia Batista; VIEIRA, Ana Cristina de Souza; NASCIMENTO, Maria Antonia Cardoso (org.). O avesso dos direitos: Amazônia e Nordeste em questão. Recife: UFPE, 2012. p. 201-224.

SANTOS, Milton. O dinheiro e o território. In: SANTOS, M.; BECKER, B. (org.). Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. p. 13-21.

SANTOS, Milton. O retorno do território. In: OSAL/Observatorio Social de América Latina – Debates, Buenos Aires: CLACSO, ano 6, n. 16, p. 251-261, Jan. 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal16/D16Santos.pdf. Acesso em: 08 jan. 2020.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. 6. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2001.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, María Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2006.

WAGLEY, Charles. Uma comunidade amazônica: estudos do homem nos trópicos. 5º série. Biblioteca Pedagógica Brasileira Brasiliana. São Paulo: Companhia Editorial Nacional, 1957. [Trad. Clotilde da Silva Costa. Vol. 290].

Downloads

Publicado

2021-09-28