Bolívia em disputa: das comunidades andinas à Revolução de 1952

Autores

Palavras-chave:

Bolivia, Terra, Comunidade, Capital, Reforma Agrária

Resumo

A formação econômico-social latinoamericana é marcada historicamente pelo processo de expropriação dos meios de trabalho na acumulação primitiva de capital europeu, separando os povos de suas terras e formas de organização comunitárias e conformando uma estrutura de dependência dos países da América Latina. A Bolívia passa por esse processo de disputa da terra desde sua fundação e é transformada pelas lutas sociais derivadas destas contradições, síntese deste conflito foi a Revolução de 1952. Assim, é perceptível uma captura das tentativas autônomas e revolucionárias de resolução dos conflitos da terra pelo Estado, submetendo-as à lógica do capital, de tal forma que mais deformidades econômicas, sociais e geográficas são desdobradas no território boliviano, com conflitos de classe permeados de regionalismo. Esta pesquisa deu-se em caráter qualitativo, por meio do método materialismo histórico-dialético, com uma revisão teórica e histórica.

Biografia do Autor

Davi Antunes da Luz, Universidade Federal de Santa Catarina

Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Lucas Lima da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

ANDERSON, K. B. Marx nas margens: nacionalismo, etnia e sociedades não ocidentais. São Paulo: Boitempo, 2019.

ANDRADE, E. de O. A Revolução Boliviana. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

BAMBIRRA, V. O capitalismo dependente latino-americano. Florianópolis: Insular, 2015.

BOLÍVIA. Vicepresidencia del Estado Plurinacional. Presidencia de La Asamblea Legislativa Plurinacional. La Paz, Bolívia. Disponível em: https://www.vicepresidencia.gob.bo/. Acesso em: 18 maio 2021

CIRELLI, C. E. Antecedentes de un conflicto: La reforma agraria boliviana de 1953 y la profundización de las desigualdades entre oriente y occidente. Revista Cambios y Permanencias, Bucaramanga, n. 5, p. 387-410, dez./2014.

CUEVA, A. El desarrollo del capitalismo en América Latina y la cuestión del Estado. Problemas del Desarrollo. Revista Latinoamericana de Economía, v. 11, n. 42, p. 29-42, maio/2013.

CUSICANQUI, R. Apuntes para una historia de las luchas campesinas en Bolivia (1900-1978). In: CASANOVA, P. G. (org.). Historia política de los campesinos latinoamericanos. México: Siglo XXI, 1985. v. 3, p. 146-207.

FONTES, V. O Brasil e o capital imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

KLEIN, H. S. História da Bolívia. Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

LINERA, Á. G. A potência plebeia: ação coletiva e identidades indígenas, operárias e populares na Bolívia. São Paulo: Boitempo, 2010.

LINERA, Á. G. Forma Valor y Forma Comunidad. La Paz: Muela del Diablo, 2009.

MARIÁTEGUI, J. C. Sete ensaios de interpretação da realidade peruana. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MARINI, R. M., TRASPADINI, R.; STEDILE, J. P. (org.). Ruy Mauro Marini: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política: Livro I: O processo de produção do capital. 2ª ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

PLATT, T. Estado boliviano y ayllu andino: tierra y tributo en norte de potosí. La Paz: Biblioteca del Bicentenario de Bolivia, 2016.

RAMOS, J. A. História da Nação Latino-americana. Florianópolis: Insular, 2014.

RIBEIRO, D. O dilema da América Latina: estruturas de poder e forças insurgentes. Petrópolis: Vozes, 1978.

ROSTWOROWSKI, M. Historia del Tahuantinsuyu. Lima. Perú: Instituto de Estudios Peruanos, 1999.

SAAVEDRA, B. El Ayllu: Estudios sociologicos. La Paz: Librería Editorial "juventud", 1998.

SOUZA, C. L. S. de. Racismo e luta de classes na América Latina: as veias abertas do capitalismo dependente. São Paulo: Hucitec, 2020.

Downloads

Publicado

2021-09-28