A construção do conceito de criminoso na sociedade capitalista: um debate para o Serviço Social

Autores

  • Arnaldo Xavier UFSC - Florianópolis - SC

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1414-49802008000200013

Palavras-chave:

Criminologia crítica, Criminalização, Serviço Social, Violência, Critical criminology, Criminalization, Social Work, Violence

Resumo

A violência, de alguma forma, sempre esteve presente na história da humanidade, assumindo características diferentes nos diversos contextos sociais e econômicos. Ela é o foco do assunto discutido neste artigo1, sobretudo, em sua vertente urbana na sociedade capitalista contemporânea. Analisa-se, com base na história do direito penal, a centralidade que o conceito de criminoso alcançou no decorrer da história da sociedade moderna. A partir dos dados observados, busca-se refletir sobre a irrupção da violência individual em detrimento das demais formas de violência, presentes na ordem societária capitalista. Examina-se, no segmento, como os processos de criminalização e de controle social, empregados pelo aparato estatal elegem um inimigo comum a ser combatido: o delinqüente. Com o aporte teórico da criminologia crítica, discutem-se as contribuições que essas idéias trazem para o Serviço Social e como o assistente social pode apropriar-se delas em seu processo de formação e exercício profissional.

Biografia do Autor

Arnaldo Xavier, UFSC - Florianópolis - SC

Graduando do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisador integrante do Programa de Educação Tutorial de Serviço Social, atuando principalmente nos seguintes temas: criminologia crítica, direito penal, Estado e sociedade, organizações populares, violência, artes e semiótica.

Downloads

Publicado

2008-12-17