A normalidade do trabalho, empregos normais e vidas de trabalho: razões para trabalhar

Estela Grassi

Resumo


Como se trabalha e se vive hoje, e que razões nos motivam a fazê-lo? O artigo apresenta hipóteses sobre o assunto, tendo como referência o emprego formalmente instituído, contemplado na legislação laboral, modalidade que não esgota o fato de a maioria das pessoas “viver do seu trabalho”, qualquer que seja a consideração que se faça das suas capacidades. Focaliza a idéia de normalidade, distinguindo entre o nível dos princípios estruturais (o trabalho como amálgama da sociedade), e aquele que corresponde à legalidade, o qual, pela sua vez, é desdobrado pelas normalidades das vidas de trabalho. Na sequência, retoma as razões razoáveis que esgrimem as pessoas quando tomam decisões a respeito das suas vidas e trabalhos concretos, como parte das reconfigurações recentes da esfera de trabalho, na qual se destacam a maior incerteza e a exigência de maior disponibilidade. Nessa conjunção, os interesses-necessidades do sujeito e as exigências daquela esfera apresentam-se como tensões que as pessoas e as famílias devem resolver em termos de “assuntos privados”.


Palavras-chave


Trabajo; Normalidad; Normas/razones; Necesidades familiares; Carrera-interés; Trabalho; Normalidade; Normas/razões; Necessidades familiares; Carreira-interesse; Labor; Normality; Norms/reasons; Family needs; Career-interest

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802009000200012

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.