As estratégias de resistência dos operadores de telemarketing frente às ofensivas do capital

Mônica Duarte Cavaignac

Resumo


Este artigo propõe reflexões acerca das formas de consciência, organização e resistência dos trabalhadores num contexto de flexibilização das relações de trabalho, fragmentação da classe trabalhadora e setorialização do movimento sindical, à luz de estudiosos das transformações contemporâneas no mundo do trabalho. Resgata parte da tese de doutorado da autora, apresentando resultados de uma pesquisa sobre a greve dos operadores de telemarketing de uma empresa privada de telecomunicações que ocorreu na cidade de Fortaleza, em 2007, motivada por baixos salários e precárias condições de trabalho de jovens trabalhadores terceirizados. A observação dos protestos e das mobilizações, bem como a coleta de depoimentos, revelou as percepções, motivações e perspectivas dos manifestantes, apontando os significados do movimento que marcou a história desses “infoproletários” mais pelo seu caráter inédito de luta política contra o grande capital do que pela conquista efetiva de direitos.


Palavras-chave


Operadores de telemarketing; Resistência; Greve



DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802013000200002

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.