Vampiros: algumas faces do monstro em narrativas brasileiras

Mauricio Menon

Resumo


O vampiro, ao que tudo indica, configura-se como um ser atemporal, seja ocupando as crenças de determinadas sociedades, seja apresentando-se como personagem na literatura, na TV ou no cinema. Da sua concepção arcaica até as modernas figurações ele sofreu (e ainda sofre) inúmeras metamorfoses, cada cultura apresenta-o sob formatos diferentes, afirmando ou negando valores de épocas distintas. Neste trabalho,  analisam-se algumas incursões do vampiro pela literatura brasileira, mais precisamente entre 1849 (ano da publicação de Otávio e Branca ou a Maldição Materna – de João Cardoso de Menezes e Souza) e 1908 (ano da publicação de Esfinge – de Coelho Neto). Procura-se, com isso, evidenciar quais foram as faces que a literatura brasileira emprestou ao mito e perceber se a sua presença em território nacional, de meados do século XIX ao alvorecer do século XX, firmou-se ou se apenas constituiu algo passageiro.


Palavras-chave


Vampiro; Representação; Literatura brasileira

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2011v16n2p185

Direitos autorais 2011 Mauricio Menon

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.