Imaginários sociodiscursivos da mulher negra: análise do conto "Isaltina Campo Belo", de Conceição Evaristo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2019v24n1p114

Resumo

O espaço da mulher negra na sociedade tem sido construído a duras penas e o modo como ela é representada nos meios de produção cultural colabora para a manutenção de esteriotipias e concepções reducionistas da sua real personalidade. Conceição Evaristo, por meio de uma escrita literária engajada, não só abre espaço para que seja ouvida a voz das mulheres negras, como também as dignifica, humaniza. A partir de estudos bibliográficos e do arcabouço teórico-metodológico da Semiolinguística, do linguista francês Patrick Charaudeau, procedemos com a análise do discurso do texto Isaltina Campo Belo, um dos 13 contos constantes no livro Insubmissas Lágrimas de Mulheres (2011), que é totalmente protagonizado por mulheres. O conceito de imaginários sociodiscursivos foi mobilizado e a análise demonstrou que o texto literário da citada autora revela e ressemantiza, ao mesmo tempo, os imaginários que habitam a memória coletiva da sociedade brasileira. O corpus de análise constituiu-se, além do conto, de elementos paralinguísticos, como textos nos quais Conceição Evaristo explica seu estilo de escrita, a “escrevivência”, textos que abrangem teorias concernentes ao feminismo negro e interseccional, além do conceito de representações sociais, de Serge Moscovici, e de literatura engajada.

Biografia do Autor

Avanete Pereira Sousa, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professora do Departamento de História da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Doutora em História pela Universidade de São Paulo (USP).

Emanuela de Souza Cordeiro, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professora EBTT do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Baiano. Mestranda em Letras: Educação, Cultura e Linguagens (UESB)

Referências

AMOSSY, Ruth. As imagens de si no discurso. São Paulo: Contexto, 2015.

BERTH, Joice. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

CORDEIRO, Hildalia Fernandes Cunha; BARBOSA, Julio César. A escrita negra feminina e lesboafetiva de Conceição Evaristo no conto Isaltina Campo Belo. In: IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES, 4., 2015, Salvador. Anais [...]. Salvador: Realize, 2015, p. 1-15. Disponível em: http://www.uneb.br/enlacandosexualidades/files/2015/07/comunicacaooralhildaliafernandes.pdf. Acesso em: 26 mar. 2019.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso Político. São Paulo: Contexto, 2006.

CHARAUDEAU, Patrick. Dize-me qual é teu corpus, eu te direi qual é a tua problemática. Diadorim, Rio de Janeiro, v. 10, p. 1-23, dez. 2011. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/3932/2910.

Acesso em: 25 jul. 2019.

CHARAUDEAU, Patrick. Os estereótipos, muito bem. Os imaginários, ainda melhor. Traduzido por André Luiz Silva e Rafael Magalhães Angrisano. Entrepalavras, Fortaleza, v.7, p. 571-591, jan./jun. 2017.

CRENSHAW, Kimberlé. Documentos para encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, ano 10, 1. semestre 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em: 26 mar. 2019.

DE MELLO, Renata Aiala. Especificidades e interseções entre os conceitos de imaginários sociodiscursivos, imagem de si, estereótipos e representações sociais. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA, v.2, n.1, 2012. Anais [...], Uberlândia: Edufu, 2012.

DENIS, Benoit. Literatura e engajamento: de Pascal a Sartre. Bauru: EDUSC, 2002.

ECO, Umberto. Sobre a literatura. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: BestBolso, 2011.

EVARISTO, Conceição. Da representação a auto representação da mulher negra na literatura brasileira. Revista Palmares - Cultura Afro-brasileira. Brasília, DF, ano 1, n. 1, p. 52-54, ago. 2005.

DUARTE, Constância Lima (Org.). Mulheres em Letras – Antologia de Escritoras Mineiras. Ilha de Santa Catarina: Editora Mulheres, 2008.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas Lágrimas de Mulheres. 2. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. 34. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998.

GARCIA, Carla Cristina. Breve História do Feminismo. 3. ed. São Paulo: Claridade, 2015.

GRILLO, Angela Teodoro. De lasciva a musa: a representação da mulher negra em versos de Gregório de Matos a Mário de Andrade. Scripta Uniandrade, Curitiba, v. 11, n. 2, p. 76-96, 2013.

HOOKS, Bell. Não sou eu uma mulher. Mulheres negras e feminismo. 1. ed. 1981. Tradução livre para a Plataforma Gueto, 2014.

HOOKS, Bell. Não sou eu uma mulher. Mulheres negras e feminismo. Disponível em: https://plataformagueto.files.wordpress.com/2014/12/nc3a3o-sou-eu-uma-mulher_traduzido.pdf. Acesso em: 25 jul. 2019.

HALL. Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Traduzido por Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Pedagogia do armário - A normatividade em ação. Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 481-498, jul./dez. 2013.

LEENHARDT, Jacques. A Construção da identidade pessoal e social através da história e da literatura. In: LEENHARDT, Jacques; PESAVENTO, Sandra Jatahy (org.). Discurso Histórico e Narrativa Literária. Campinas: UNICAMP, 1998.

LORDE, Audre. A transformação do silêncio em linguagem e ação. 2017. Disponível em: https://transformativa.wordpress.com/2017/01/31/a-transformacao-do-silencio-em-linguagem-e-acao-audre-lorde/. Acesso em: 25 mar. 2019.

MACHADO, Ida Lúcia; MENDES, Emília. A análise semiolinguística: seu percurso e sua efetiva tropicalização. Revista Latino –americana de estudos do discurso. Brasília, DF, v. 13, n. 2, p. 7-20, 2013. Disponível em: http://raled.comunidadaled.org/index.php/raled/article/view/50/52. Acesso em: 13 jun. 2018.

MATOS, Gregório de. Obra poética. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 1992.

MOREIRA, Núbia Regina. A organização das feministas negras no Brasil. Vitória da Conquista: UESB, 2011.

SOBRINHO, Simone Teodoro. A violência de gênero como experiência trágica na contemporaneidade: estudo de Insubmissas Lágrimas de Mulheres, de Conceição Evaristo. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Letras, Programa de Pós-Graduação em letras: estudos literários, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

Downloads

Publicado

2019-08-26

Como Citar

SOUSA, Avanete Pereira; CORDEIRO, Emanuela de Souza. Imaginários sociodiscursivos da mulher negra: análise do conto "Isaltina Campo Belo", de Conceição Evaristo. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 114–130, 2019. DOI: 10.5007/2175-7917.2019v24n1p114. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2019v24n1p114. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Representações afro-brasileiras: uma homenagem a Conceição Evaristo