Campo Belo: narrativa insubmissa e insurgente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2019v24n1p131

Palavras-chave:

Literatura Negro-brasileira, Mulheres Negras, Lesbotexto, Gênero, Sexualidade

Resumo

Neste artigo desejamos provocar e compartilhar reflexões sobre o conto “Isaltina Campo Belo”, de autoria de Conceição Evaristo, parte integrante do livro: Insubmissas lágrimas de mulheres. A narrativa escolhida explicita o percurso da personagem em busca de compreensão da sua própria existência. Ao longo do caminho, surgem dúvidas, dores, alegrias e (des)cobertas sobre a construção da identidade de gênero, lesboafetiva e lesboerótica da personagem. O texto foi escrito a partir de alguns encaminhamentos que envolvem: problematizar os silêncios impostos historicamente que são construídos repletos de preconceitos e discriminações sobre a sexualidade da mulher negra; propor a insubmissão e a insurgência como categorias existenciais e claves interpretativas para análise do corpus; buscar referenciais teóricos pertinentes para a compreensão do conto analisado dentro da possibilidade de análise interseccional de gênero e sexualidade, principalmente dialogando com a perspectiva da “epistemologia negra sapatão” de Tanya L. Saunders para o lesbotexto apresentado e de autoras(es) que desenvolvem a perspectiva de pensar a literatura negra epistemologicamente; mapear a jornada da personagem do conto refletindo sobre os seus processos de construção identitária.

Biografia do Autor

Geny Ferreira Guimarães, Colégio Técnico da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Professora EBTT de Geografia no CTUR/UFRRJ e Coordenadora do LABGEO/CTUR. Doutora em Geografia pela UFBA (2015). Mestre em Ciências Sociais pela UFRRJ/CPDA (2004). Possui graduação em Geografia pela UFF com habilitações em Licenciatura (1994) e Bacharelado (1995). Especializações (Lato Sensu) em Relações Internacionais pela Universidade Cândido Mendes - UCAM (1999) e Gestão para Educação Ambiental - UERJ (2001). Especialização (Lato Sensu) em História, Cultura e Literatura Africana (UCB - em processo de elaboração de monografia). Com experiência na área de Geografia (magistério - desde 1998). Campo de pesquisa sobre os seguintes temas: questões ambientais; ruralidades; patrimônios; relações étnico-raciais (RER); Geografia Negra e Antirracista (Geografia N&A) e Geografia & Literatura Negro-brasileira (GeoLit Negra). Atualmente o seu foco é discutir a dimensão racial do espaço em termos de pesquisa, ensino e extensão nos estudos Geográficos.

Hildalia Fernandes Cunha Cordeiro, Universidade Federal da Bahia

Hildalia Fernandes é Educadora. Doutoranda em Literatura e Cultura pela UFBA; Mestre em Educação e Contemporaneidade pela UNEB na linha 1: Educação, memória, processos civilizatórios e pluralidade cultural. Foi docente nas licenciaturas de letras e pedagogia com os componentes: Fundamentos e Metodologia do Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Indígena (desde 2006.2), Leitura e Produção textual (desde 2008. 2); Fundamentos e Metodologia da Educação Ambiental (2009.1) e Pesquisa em educação (2015) na Faculdade D.Pedro II até dezembro de 2016. É especialista em História e Cultura Africana e Afro-Brasileira pela Fundação Visconde de Cairu (2009); especialista em Linguística Textual pelo CEPOM (1995) e concluinte na especialização em Consciência e Educação pelo ISEO e é, também pedagoga (Faculdade D. Pedro II). Prestou Consultoria para a Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Salvador (SMEC) em Africanidades e Lei 10.639/03 (2005 a 2007) e Coordenou o grupo de pesquisa em Relações Étnico-raciais nos cursos de Letras e Pedagogia da Faculdade D. Pedro II (2011) e orienta trabalhos de conclusão de curso que versem sobre tais temáticas. Professora formadora (PARFOR) Educação das relações etnicorraciais na empresa UNEB Campus VI - IRECÊ Licenciatura em Artes Visuais - Universidade do Estado da Bahia (2013) e na Licenciatura de Geografia com o componente Pluralidade Cultural; Licenciatura em pedagogia em ITAGUAÇU (Xique - Xique); Professora formadora (UAB) Relações Etnicorraciais na empresa UFBA no Curso EJA na Diversidade (2013). Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Católica do Salvador (1993) e Pedagogia (à distância) pela Faculdade D. Pedro II. Pesquisa sobre escrita literária de mulheres negras(em especial vida e obra de Carolina Maria de Jesus e Toni Morrison), narrativas de professoras negras e cabelo como símbolo identitário e educação antirracista. É, ainda, aprendiz de contista, tendo contos publicados nos Cadernos Negros 36 e 38. Faz parte dos grupos literários: Quilombo Letras e Quartinhas de Aruá e é Erva Doce na Capoeira. Docente no Cursinho pré-vestibular Vilma Reis com o componente curricular: Literatura negro-diaspórica

Referências

AUGUSTO, Geri. A língua não deve nos separar! Reflexões para uma Práxis Negra Transnacional de Tradução. In: CARRASCOSA, Denise. Traduzindo no Atlântico Negro: Cartas Náuticas Afrodiaspóricas para Travessias Literárias. Salvador: Ogums Toques Negros, 2017. p. 31-60.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARRASCOSA, Denise. Traduzindo no Atlântico Negro: Cartas Náuticas Afrodiasporícas para Travessias Literárias. Salvador: Ogums Toques Negros, 2017.

CARRASCOSA, Denise. Pós-colonialidade, pós-escravismo, bioficção e com(tra)temporaneidade. Estudos de Literatura brasileira contemporânea, Brasília, n. 44, p.105-124, jul./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/elbc/n44/a06n44.pdf. Acesso em: 06 jul. 2017.

CUTI, [Luiz Silva]. Literatura Negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de janeiro: Relume-Dumará, 2001.

DIAS, Camila Sodré de Oliveira. Por uma Literatura das Ausências e das Emergências: as afro-lésbicas na escrita de Miriam Alves e Zula Gibi. In: ABRALIC – EXPERIÊNCIAS LITERÁRIAS TEXTUALIDADES CONTEMPORÂNEAS, 15, Rio de Janeiro, RJ. ANAIS. Rio de Janeiro: ABRALIC. 2016. p.2099-2109. Disponível em: http://www.abralic.org.br/anais/arquivos/2016_1491264573.pdf. Acesso em: 31 mar. 2019.

EVARISTO, Conceição. Não nasci rodeada de livros, mas de palavras, através da literatura oral. Entrevista. Jornal El país. Paraty. 03 jul. 2017a. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/07/29/cultura/1501282581_629505.html. Acesso em: 10 jan. 2019.

EVARISTO, Conceição. Poemas de recordação e outros movimentos. Malê: Rio de Janeiro, 2017b.

EVARISTO, Conceição. Olhos D’água. Rio de Janeiro: Pallas, Fundação Biblioteca Nacional, 2014.

EVARISTO, Conceição. Isaltina Campo Belo. In CONCEIÇÃO, Evaristo. Insubmissas lágrimas de mulheres. Belo Horizonte: Nandyala, 2011. p. 48-58.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de mi¬nha escrita. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio (Org.). Representações performáticas brasilei¬ras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza, 2007. p. 16-21.

EVARISTO, Conceição. Da representação a auto-representação da mulher negra da mulher negra na literatura brasileira. Revista Palmares: cultura afro-brasileira. Brasília, v.1, n.1, ago. 2005, p.52-54. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/wp-content/uploads/2011/02/revista01.pdf. Acesso em: 31 mar. 2019.

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Literatura Negra, Literatura Afro-brasileira: como responder a polêmica. In: SOUZA, Florentina: LIMA, Maria Nazaré. Literatura afrobrasileira. Salvador: CEAO, 2006. p. 9-38.

GIRAUDO, José Eduardo Fernandes. Poética da memória: uma leitura de Toni Morrison. Porto Alegre: UFRGS, 1997.

GLISSANT, Édouard. A barca aberta. In: GLISSANT, Édouard. Poética da Relação. Porto: Sextante Editora, 2011. p.17-20.

GLISSANT, Édouard. The open boat. In: GLISSANT, Édouard. Poetics of relation. The Michigan: University of Michigan Press. 2010. p. 5-10.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência. São Paulo, Rio de Janeiro: Editora 34: UCAM, 2001.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

hooks, bell. O amor como prática da liberdade. [Tradução para uso didático por Wanderson Flor Nascimento]. Disponível em: https://medium.com/enugbarijo/o-amor-como-a-pr%C3%A1tica-da-liberdade-bell-hooks-bb424f878f8c. Acesso em: 08 ago. 2017. In: hooks, bell. Outlaw Culture: Resisting Representations. New York: Routledge, 2006, p. 243-250.

hooks, bell. Vivendo de Amor. In: WERNECK, Jurema (Org.). O Livro da Saúde das Mulheres Negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Pallas/Criola, 2000, p. 188-198.

LEVANTES LITERÁRIOS. Disponível em: https://correionago.com.br/portal/dialogos-presentes-cris-sales-entrevista-poeta-cuti/. Acesso em 02 out. 2017.

LORDE, Audre. A transformação do silêncio em linguagem e ação. Geledés. Rio de Janeiro. 2015. Disponível em: https://www.geledes.org.br/a-transformacao-do-silencio-em-linguagem-e-acao/. Acesso em: 20 ago. 2017.

LORDE, Audre. Sister outsider: essays and speeches. New York: Crossing Press. Crossing Press Feminist Series, 2007.

LORDE, Audre. Espelhos não são baratos. [Textos escolhidos de Audre Lorde] Projeto Raiz Forte. Vitória: Edições Feministas e Lésbicas independentes. Disponível em: <http://www.projetoraizforte.com.br/biblioteca/textos-escolhidos-de-audre-lorde/>. Acesso em: 04 abr. 2017. In: LORDE, Audre. Good mirrors are not cheap. In: LORDE, Audre. The collected poems of Audre Lorde. New York: Norton & Company, 2000, p. 73.

LORDE, Audre. In: TATE, C. (Org.). Black Women Writers at Work. New York: Continuum, 1983. p. 100-116.

NASCIMENTO, Tatiana. Audre Lorde, Dionne Brand. Entrevista – Vídeo Youtube. Projeto Literatura Inteira. Salvador, n.5 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=mHUo9M5KI5k&t=834s. Acesso em: 29 mar. 2019.

RICH, Adrienne. A heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Revista Bagoas. Natal, n.5, 2010, p.17-44. Disponível em: http://www.cchla.ufrn.br/bagoas/. Acesso em: 02 ago. 2017.

RISO, Ricardo. É hora de ouvir os atabaques de dois poetas sem equívocos: Éle Semog e José Carlos Limeira. Liteafro. s/d. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/. Acesso em: 13 ago. 2017.

SALES, Cristian Souza de. Conto Regina Anástácia. Palestra Diálogos insubmissos de mulheres negras. Salvador, 2017.

SAUNDERS, Tanya L. Epistemologia negra sapatão como vetor de uma práxis humana libertária. Tradução de: Sarah Ryanne Sukerman Sanches. Periódicus, Salvador, n. 7, v. 1, p. 102-116, mai./out., 2017. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/22275. Acesso em: 28 ago. 2017.

SILVA, Ana Rita. Vozes literárias negras. Cruz das Almas: UFRB, 2012.

SANTOS, Neuza Souza. Torna-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

WALKER, Alice. Search of our mothers gardens. In: WALKER, Alice. Search of our Mothers Gardens: Womanist Prose. New York: Harcourt, 1983. p. 231-243.

WALKER, Sheila. Rostos familiares, lugares inesperados: uma diáspora africana global. Documentário. Afrodiáspora Inc, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=g1BceeLjIRo. Acesso em: 29 mar. 2019.

Downloads

Publicado

2019-08-26

Como Citar

GUIMARÃES, G. F.; CORDEIRO, H. F. C. Campo Belo: narrativa insubmissa e insurgente. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 131-148, 2019. DOI: 10.5007/2175-7917.2019v24n1p131. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2019v24n1p131. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Representações afro-brasileiras: uma homenagem a Conceição Evaristo