Ficções queer brasileiras: anotações para um dossiê

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n1p13

Palavras-chave:

Literatura brasileira, Gênero, Queer, Representação, Representatividade

Resumo

O cânone literário ainda é baseado em um modelo excludente – masculino, branco, heterossexual, classe média – que acaba por instaurar invisibilidades na vida literária, como se comprova a partir da pouca presença de autorias LGBTQI+ em editoras hegemônicas e/ou de personagens LGBTQI+ exercendo função de protagonistas em narrativas. No cenário contemporâneo, no qual as pautas políticas dos estudos de gênero e raça/etnia evidenciaram sua urgência, é necessário sublinhar como tem sido discutida a representação e a representatividade na literatura. Mais do que nunca tem sido demonstrada a potência da identificação entre leitor/a e literatura na construção e fortalecimento das subjetividades individuais, fato que torna preocupante haver poucas obras com as quais pessoas LGBTQI+ possam mirar-se. Contra o cânone excludente não bastariam personagens não hegemônicos em ação, mas seriam necessários projetos literários ou de crítica literária que questionassem os dispositivos e tecnologias normalizadoras do corpo e do gênero. Este texto, nesse sentido, tem por objetivo apresentar minimamente as questões que nortearam a convocatória para um dossiê de ficções brasileiras que teve o queer como chave de leitura política e estética.

Biografia do Autor

Geovana Quinalha de Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), possui Mestrado em Letras, com ênfase em estudos literários pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2007). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). É editora da Revista Rascunhos Culturais. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em literatura brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos feministas e decoloniais.

Marcio Markendorf, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui Graduação em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2003) e Doutorado Direto em Literatura, concentração em Teoria da Literatura, pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009). Atualmente é Professor Associado I do Departamento de Artes da Universidade Federal de Santa Catarina e leciona no Curso de Bacharelado em Cinema e no Programa de Pós-graduação em Literatura. Atua como coordenador do Programa de Pós-graduação em Literatura. 

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero – feminismo e subversão de identidade. Trad. de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CONNELL, Raewyn; PEARSE Rebecca. Gênero, uma perspectiva global, compreendendo o gênero – da espera pessoas à política – no mundo contemporâneo. Trad. de Marília moschovich. São Paulo: nVersos, 2015.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea – um lugar contestado. Vinhedo: Editora Belo Horizonte, 2012.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. Trad. de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade I – a vontade de saber. Trad. de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2018.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. Trad. de Susana Bornéo Funck. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

NANTES, Flávio Adriano. Desejo sitiado. Guaratinguetá: Penalux, 2019.

RUFFATO, Luiz (Org.). Entre nós – contos sobre homossexualidade. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2007.

RUFFATO, Luiz. Luiz Ruffato. Jornal Rascunho. Paiol Literário. Edição 105. Disponível em: http://rascunho.com.br/luiz-ruffato/. Acesso em: 11/05/2020.

TREVISAN, João Silvério. Pai, Pai. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2017.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

Oliveira, G. Q. de, & Markendorf, M. (2020). Ficções queer brasileiras: anotações para um dossiê. Anuário De Literatura, 25(1), 13-21. https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n1p13

Edição

Seção

Dossiê "Ficções queer brasileiras"