# io resto a casa: vozes (in)ativas e (res)significadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n2p78

Palavras-chave:

Voz poética, Tradição popular, Ratoeira, Pandemia, Memória

Resumo

Ao pensar na poética e na potência da voz em tempos de pandemia, este artigo pretende lançar algumas reflexões sobre a (res)significação da voz durante o confinamento. Privados do corpo, do contato físico, a voz potencializa-se, em contextos poéticos ou não. Ficamos sem imagem, mas não podemos ficar sem a voz, tornamo-nos combatentes de uma grande máquina de guerra, como já afirmava Freud, em 1915, combatemos ou estagnamos e, dessa forma, (re)encontramos nossos estilhaços no espelho e reorganizamos a imagem. Com base em A letra e a voz, de Paul Zumthor (2001), e no texto “Cultura é memória”, de Jerusa Pires Ferreira (1995), toma-se como exemplo a Ratoeira, praticada no litoral catarinense, para pensar a relação da voz e da memória. É um artigo que resulta de pesquisas bibliográficas sobre a relação do corpo e da voz, sobre a manifestação popular de tradição oral chamada Ratoeira e que procura ligações com o momento atual da pandemia, no qual estamos reaprendendo a escutar e a combater com palavras. Para esse combate, a voz e a literatura desempenham importante papel.

Biografia do Autor

Daniela Bunn, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina, atua no Departamento de Metodologia do Ensino do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Traduziu treze livros de literatura infantil (italiano/português e português/italiano). Tem artigos publicados na área de literatura, tradução, metodologias do ensino de português e de italiano.

Referências

BUNN, Daniela. Ratoeira bem cantada, manifestação popular. In: SEMINÁRIO FAZENDO GÊNERO, 7, 2006, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Editora, 2006, p. 1 - 5. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/fg7/artigos/D/Daniela_Bunn_56.pdf. Acesso em: 25 maio 2020.

FARIAS, Vilson Francisco de. 500 anos de litoral catarinense: mosaico cultural com marca açoriana na faixa litorânea. In: FARIAS, Vilson Francisco de. Dos Açores ao Brasil Meridional: uma viagem no tempo. Florianópolis: Editora da UFSC, 1998. v. 2.

FREUD, Sigmund. Considerações atuais sobre a guerra e a morte [1915]. In: FREUD, Sigmund. Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). Trad. e notas de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p.156-184.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Minimizar identidades. In: JOBIM, José Luís. (Org.) Literatura e identidades. Rio de Janeiro: Eduerj, 1999, p. 115-124.

LOMBARDI, Andrea. O Diabo no corpo: uma leitura do Decameron de João Boccaccio. Alea, v, 14, n. 14, p. 180-200, jul./dez. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-106X2012000200003. Acesso em: 25 mai. 2020.

FERREIRA, Jerusa Pires. Cultura é memória. Revista USP, São Paulo, n. 24, p. 114-120, dez./fev. 1995. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i24p114-120. Acesso em: 23 maio 2020.

FERREIRA, Jerusa Pires. O universo conceitual de Paul Zumthor. Revista do IEB, n. 45, p. 141-152, set. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i45p141-152. Acesso em: 18 maio 2020.

RODARI, Gianni. Gramática da fantasia. Trad. de Antonio Negrini. São Paulo: Summus, 1982.

VERSOS da Ilha. [S.l.: s.n.], 2010. 1 vídeo (ca, 13 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=pqlfgwVfJpU. Acesso em: 15 maio 2018.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. A “literatura” medieval. Trad. de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ZUMTHOR, Paul. A Permanência da Voz. O Correio, Rio de Janeiro, ano 13, n. 10, p. 4-8, out. 1985.

Downloads

Publicado

2020-10-06

Como Citar

BUNN, D. # io resto a casa: vozes (in)ativas e (res)significadas. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 78-85, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n2p78. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n2p78. Acesso em: 1 dez. 2020.

Edição

Seção

Dossiê "Poéticas da Voz"