Escritas fora do corpo: a literatura residual de Italo Calvino

Bruna Fontes Ferraz

Resumo


O ensaio “La poubelle agréée”, de Italo Calvino, publicado em O caminho de San Giovanni, apresenta uma temática inusitada se pensarmos a obra do escritor em questão: a escrita como lixo. Discorrendo sobre o ato de jogar o lixo para fora, Calvino estabelece considerações sobre a relação entre consumo e descarte, apropriação e expropriação, de modo que o destino dos bens consumidos seria a multiplicação dos resíduos expelidos. A proposta deste trabalho é, pois, refletir sobre a escrita como um desses resíduos expelidos pelo corpo, considerando que o que resta da escrita é também lixo, é também dejeto deposto do corpo do autor. Para reiterar essa relação entre escrita e excreção, nos basearemos em Nancy para quem a escrita se excreve, lança-se para fora e se inscreve no corpo do leitor. Temos, então, o homem como produtor de escórias e, consequentemente, a arte como escória. Baseando-nos, sobretudo, em Agamben, Benjamin e Didi-Huberman, discorreremos sobre a possibilidade de a literatura escatológica – dessacralizada, desauratizada – firmar-se como uma espécie de contradispositivo perante a sociedade de controle através da profanação.

 


Palavras-chave


Literatura residual; Escrita; Corpo; Italo Calvino

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2015v20nesp1p93

Direitos autorais 2015 Bruna Fontes Ferraz

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.