Entrelaçamento de narrativas em "A maior ponte do mundo", de Domingos Pellegrini

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2021.e79779

Palavras-chave:

Narrativa literária, Narrativa histórica, Ficção histórica, Literatura brasileira contemporânea

Resumo

Este artigo analisa o conto “A maior ponte do mundo”, de Domingos Pellegrini, com enfoque no entrelaçamento entre a narrativa literária e a narrativa histórica. Publicado originalmente em 1977 na coletânea O homem vermelho, primeiro livro do autor, o conto relata as experiências de dois eletricistas na construção da ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro, no ano de 1974. A narrativa centra-se, portanto, em um evento factual, dando-lhe, todavia, um tratamento fictício. Dessa forma, o artigo investiga as aproximações e distanciamentos entre literatura e história, explorando o modo como o fato histórico é reimaginado em uma narrativa que, por ser ficcional, expressa sentimentos e pensamentos possíveis dos envolvidos no episódio. Examina, ainda, como as escolhas estéticas do autor – concepção das personagens, linguagem marcadamente coloquial, ritmo narrativo acelerado – colaboram para construir um efeito de verossimilhança que convida o leitor a retomar os acontecimentos do passado, a reconfigurá-los no tempo presente e a melhor compreender sua própria historicidade.

Biografia do Autor

Yara Fernanda Chimite, Universidade Feevale

Doutoranda em Processos e Manifestações Culturais na Universidade Feevale com apoio do CNPq. Mestre pelo mesmo programa com bolsa da CAPES. Bacharel em História pela ULBRA. Membro do Grupo de Pesquisa Comunicação, Cultura e Consumo Digitais (c3dig).

Juracy Assmann Saraiva, Universidade Feevale

Professora e pesquisadora da Universidade Feevale, RS, Brasil. Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS), Doutora em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Pós-Doutora em Teoria da Literatura pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Bolsista em Produtividade do CNPq.

Sandra Portella Montardo, Universidade Feevale

Professora e pesquisadora da Universidade Feevale, RS, Brasil. Mestre e Doutora e Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Comunicação, Cultura e Consumo Digitais (c3dig). Bolsista em Produtividade do CNPq.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Porto Alegre: Globo, 1966.

BLOOM, Harold. Como e por que ler. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CHARTIER, Roger. A história: a leitura do tempo. In: SCHÜLER, Fernando; AXT, Gunter; SILVA, Juremir Machado da (Org.). Fronteiras do pensamento: retratos de um mundo complexo. São Leopoldo: Unisinos, 2014, p. 163-178.

CHIAPPINI, Ligia. Literatura e história. Notas sobre as relações entre os estudos literários e os estudos historiográficos. Literatura e sociedade, São Paulo, v. 5, n. 5, p. 18-28, 2000.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

DOMINGOS Pellegrini. In: Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa390086/domingos-pellegrini. Acesso em: 11 de dez. 2020.

ECO, Umberto. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 2012.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. 8. ed. São Paulo: Edusp, 2000.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

JENKINS, Keith. A história repensada. São Paulo: Contexto, 2001.

LUBBOCK, Percy. A técnica da ficção. São Paulo: Cultrix, 1976.

LUKÁCS, György. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2000.

OTÁVIO, Chico; GÓES, Bruno. Travessia: ponte Rio–Niterói, 40 anos. O Globo, [s. l.], 2014. Disponível em: https://infograficos.oglobo.globo.com/pais/ponte-rio-niteroi.html. Acesso em: 11 dez. 2020.

PELLEGRINI, Domingos. A maior ponte do mundo. In: MORICONI, Italo (Org.). Os cem melhores contos brasileiros do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. p. 364-373.

PELLEGRINI, Domingos.Terra vermelha. São Paulo: Moderna, 1998.

PELLEGRINI, Domingos. O caso da Chácara Chão. Rio de Janeiro: Record, 2000.

PELLEGRINI, Domingos. Um escritor na biblioteca. [Entrevista concedida a Mariana Sanchez]. Cândido: Jornal da Biblioteca Pública do Paraná, Curitiba, 2012. Disponível em: https://www.bpp.pr.gov.br/Candido/Pagina/Um-Escritor-na-Biblioteca-Domingos-Pellegrini. Acesso em: 11 dez. 2020.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Fronteiras da história: uma leitura sensível do tempo. In: SCHÜLER, Fernando; AXT, Gunter; SILVA, Juremir Machado da (Org.). Fronteiras do pensamento: retratos de um mundo complexo. São Leopoldo: Unisinos, 2014. p. 179-190.

PREMIADOS por edição. [S. l.], [2020]. Disponível em: https://www.premiojabuti.com.br/premiados-por-edicao. Acesso em: 11 dez. 2020.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1994. t. 1.

ROMAN, Marcos. Um colecionador de prêmios. Folha de Londrina, Londrina, 29 out. 2016. Disponível em: https://www.folhadelondrina.com.br/folha-2/um-colecionador-de-premios-961978.html. Acesso em: 11 dez. 2020.

SARAIVA, Juracy Assmann. Por que e como ler textos literários. In: SARAIVA, Juracy Assmann; MÜGGE, Ernani et al. Literatura na escola: propostas para o ensino fundamental. Artmed: Porto Alegre, 2006. p. 27-44.

SARAIVA, Juracy Assmann. O estatuto do narrador. In: SARAIVA, Juracy Assmann. O circuito de memórias. São Paulo: Edusp; Nankin, 2009. p. 25-40.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história. Foucault revoluciona a história. Lisboa: Edições 70, 1987.

WHITE, Hayden. Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Edusp, 1995.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

CHIMITE, Y. F.; SARAIVA, J. A.; MONTARDO, S. P. Entrelaçamento de narrativas em "A maior ponte do mundo", de Domingos Pellegrini. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 26, p. 01-15, 2021. DOI: 10.5007/2175-7917.2021.e79779. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/79779. Acesso em: 26 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos