Homens em tempos de umbra: Cruz e Sousa e Benjamin

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2022.e84257

Palavras-chave:

Cruz e Sousa, Espaço urbano, Walter Benjamin

Resumo

Nesse artigo, o poema em prosa "Umbra”, de João da Cruz e Sousa (2008 [1891]), é tomado como epítome do espaço urbano derruído, reportando-o a Charles Baudelaire e ao poema pós-simbolista “Sub-umbra”, de Artur de Sales (1987 [1950]), como enunciação do estranhamento saturnino (Giorgio Agamben) e da renúncia (Paul Valéry) em justaposição ao conceito de “fugacidade eterna” (BENJAMIN, 2006). Nessa dialética, a imagem do afloramento calcário descrito em Umbra encontra as relações entre memória e estratigrafia de Walter Benjamin e, tendo por objeto esse “quadro micrológico da cultura cotidiana” (BOLLE, (2006 [1994]), o poema em prosa do século XIX se desdobra em textos contemporâneos – devir-barro no romance de Itamar Vieira Júnior; geocrítica de José Miguel Wisnik; tugurização e contra-arquitetura de Antonio José Ponte e simbolismo experimental de Claudio Daniel – e no site-specific Testemunho, do artista Daniel de Paula, à procura de registrar a fugacidade urbana em seu devir-natureza. Nessa deriva de leituras, Cruz e Sousa e Benjamin se aproximam em outra “imagem do pensamento”.

Biografia do Autor

Dennis Radünz, Universidade Federal de Santa Catarina

Dennis Radünz  é mestre em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina e graduado em Letras – Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa pela UFSC. Publicou, entre outros, os livros de poemas “Exeus” (1996. 2a. edição,1998) e “Ossama: Último Livro” (2016. 2a. edição, 2018) e “Roça barroca: mundos torrentes” (2021), livro que recebeu o Prêmio Catarinense de Literatura 2021 da Academia Catarinense de Letras na categoria ensaio. Entre as dezenas de trabalhos como editor destaca-se a edição bilíngue "Gente alemã / Deutsche Menschen", de Walter Benjamin (Nave, 2020), com tradução de Daniel Martineschen.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental. Trad. De Selvino Jose Assmann. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

ALVES, Uelinton Farias. Cruz e Sousa: Dante negro do Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2008.

ARENDT, Hannah. Walter Benjamin (1892-1940). In: ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1987, p. 133-176.

BAUDELAIRE, Charles. Pequenos poemas em prosa. Trad. de Dorothée de Bruchard. 2. ed. revista. Florianópolis: Editora da UFSC, 1996.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhida – Rua de Mão Única. Trad. de Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. 6. reimp. São Paulo: Brasiliense, 2011. v. 2.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas – Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Trad. de José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 2000. v. 3.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Organização de Rolf Tiedemann (edição alemã) e Willi Bolle (edição brasileira). Trad. de Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Ed. UFMG / São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

BOLLE, Willi. Alegoria, imagens, tableau. In: NOVAES, Adauto (Org.) Artepensamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, p. 411-432.

CRUZ E SOUSA, João da. Umbra. In: CRUZ E SOUSA, João da. Obra completa: prosa. Organização e estudo de Lauro Junkes. Jaraguá do Sul: Avenida, 2008, p. 352.

DANIEL, Claudio. Gavita, Gavita. In: DANIEL, Claudio. Romanceiro de Dona Virgo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2004, p. 80-91.

PAULA, Daniel de. SITU # 2: Testemunho. Site-specific. Disponível em: https://myartguides.com/exhibitions/sao-paulo/daniel-de-paula-situ2-testemunho/. Acesso em: 18/03/2021.

PONTE, Antonio José. Uma arte de fazer ruínas. Trad. de Diego Cervelin. In: ANDRADE, Ana Luiza; BARROS, Rodrigo Lopes de; CAPELA, Carlos Eduardo Schmidt (Org.). Ruinologias: ensaios sobre os destroços do presente. Florianópolis: Edufsc, 2016, p. 157-175.

PONTE, Antonio José. Un paréntesis de ruínas. In: PONTE, Antonio José. La fiesta vigilada. Barcelona: Anagrama, 2007, p. 141-204.

RANCIÈRE, Jacques. O inconsciente estético. Trad. de Monica Costa Netto. São Paulo: Ed. 34, 2015.

SALES, Artur de. Sub-umbra. In: MURICY, Andrade (Org.). Panorama do movimento simbolista brasileiro. 3. ed., revista e ampliada. São Paulo: Perspectiva, 1987, p. 781. v. 2. (Coleção Textos).

VALÉRY, Paul. Existência do Simbolismo. In: VALÉRY, Paul. Variedades. Organização e introdução de João Alexandre Barbosa. Tradução de Maíza Martins de Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 1991. p. 63-76.

VIEIRA JÚNIOR, Itamar. Torto arado. São Paulo: Todavia, 2019.

WISNIK, José Miguel. Maquinação do mundo: Drummond e a mineração. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

RADÜNZ, Dennis. Homens em tempos de umbra: Cruz e Sousa e Benjamin. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 27, p. 01–11, 2022. DOI: 10.5007/2175-7917.2022.e84257. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/84257. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos