O leitor coautor em "Augusta" e "Um conto límpido e obscuro", de Sérgio Sant’Anna

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2024.e92534

Palavras-chave:

Metaficção, Leitor, Coautoria

Resumo

Apresenta-se uma leitura dos contos “Augusta” e “Um conto límpido e obscuro”, do livro Anjo noturno (2017), a partir da função de coautoria assumida pelo leitor na escrita metaficcional. O objetivo é compreender que o leitor, quando provocado, contribui para o abandono da ideia de que o texto é único, uma vez que este exige um posicionamento dele em relação a sua participação ativa na elaboração de sentido da narrativa. Marcada por inovações visíveis, tanto nas experimentações formais quanto nas temáticas, as obras de caráter metaficcional causam no leitor um estranhamento, abalando suas expectativas e solicitando-lhe comportamentos interpretativos de natureza crítica, mais do que um consumo meramente ingênuo e passivo dos textos. É visível, na narrativa de cunho metaficcional, que o leitor tire suas próprias conclusões. Nos contos, Sérgio Sant’Anna aponta elementos que exigem a contrapartida do leitor como coautor e, ao mesmo tempo, crítico da/na construção dos sentidos do enredo. Para tanto, o estudo bibliográfico vale-se das reflexões de Hans Robert Jauss (1979) e Wolfgang Iser (1996), para a análise, apresenta-se as autoras Linda Hutcheon (1984) e Patrícia Waugh (1985) como principais embasamentos teóricos.

Biografia do Autor

Karla Nunes de Souza, Universidade Estadual de Goiás

Mestranda em Língua, Literatura e Interculturalidade pela Universidade Estadual de Goiás - Campus Cora Coralina (2022-2023). Especialista em Língua Inglesa pela Centro Universitário de Anápolis - UniEvangélica (2006). Pós-Graduada em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, pela Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM (2010).

José Elias Pinheiro Neto, Universidade Estadual de Goiás

Doutor em Ciências Humanas (Geografia Humana) FFLCH/USP. Professor no Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Língua, Literatura e Interculturalidade (POSLLI/UEG), Coordenador de Unidade UEG/Itapuranga. Líder do Grupo de Pesquisa: Literatura em Interfaces: transdisciplinaridade e interculturalidade (LINTERFACES), cadastrado na base de dados do CNPq (2021), Membro dos grupos de pesquisa: GEOLITEART/USP e GEPELLP/UEG.

Referências

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. De J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BERNARDO, Gustavo. O livro da metaficção. Rio de Janeiro: Tinta Negra Bazar Editorial, 2010.

CERVANTES, Miguel. O engenhoso fidalgo Dom Quixote de la Mancha. Trad. de Eugênio Amado. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia; Brasília: INL, 1984.

PROENÇA FILHO, Domício. A linguagem literária. São Paulo: Ática, 2005.

HOISEL, Evelina. Teoria, crítica e criação literária: o escritor e seus múltiplos. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2019.

HUTCHEON, Linda. Narcissistic narrative: the metaficcional paradox. New York; London: Methuen, 1984.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Trad. de Johannes Kreschmer. São Paulo: Ed. 34, 1996.

JAUSS, Hans Robert. A estética da recepção: colocações gerais. In: LIMA, Luiz Costa. A Literatura e o leitor: textos de estéticas da recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979, p. 43-61.

SANT'ANNA, Sérgio. Anjo noturno: narrativas. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

WAUGH, Patricia. Metafiction: the theory and practice of self-conscious fiction. London; New York: Routledge, 1985.

Downloads

Publicado

2024-01-26

Como Citar

SOUZA, Karla Nunes de; PINHEIRO NETO, José Elias. O leitor coautor em "Augusta" e "Um conto límpido e obscuro", de Sérgio Sant’Anna. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 29, p. 01–13, 2024. DOI: 10.5007/2175-7917.2024.e92534. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/92534. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos