Figuras do narrador e da morte em “Mandiocal”, de Paulliny Tort

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2023.e94728

Palavras-chave:

Erva Brava, Paulliny Tort, Literatura brasileira contempoânea, Narrador

Resumo

Este artigo propõe uma análise do conto “Mandiocal” escrito pela autora brasiliense Paulliny Tort e publicado no volume de contos intitulado Erva brava em 2021. Nesta investigação, adota-se uma abordagem de leitura próxima ao texto literário (Close Reading), enfocando elementos internos e estruturantes que se mostram relevantes para a compreensão da narrativa. Entre esses elementos, destaca-se a figura do narrador, cuja retórica desafia as fronteiras discursivas entre o foco narrativo e a voz dos personagens. Além disso, aborda-se a temática da morte, que permeia toda a narrativa, assumindo um papel simbólico, especialmente no diálogo com questões relacionadas à desigualdade social. Por meio dessa análise, busca-se também investigar a representação da fissura institucional, tanto nos signos verbais quanto nos signos não-verbais apresentados no conto. A disjunção entre as instâncias de poder denota, como mostraremos, a existência de dois mundos descompassados, em que o mundo institucionalizado é alheio à forma como a população interiorana vive, se organiza, e delibera sobre suas dissidências.

Biografia do Autor

Vanessa de Paula Hey, Universidade Federal do Paraná

Formada em Letras Português/Inglês pela Universidade Federal do Paraná, com sólida experiência profissional na área de Educação, Autoria, Editoração e Tradução. No momento, a autora se encontra vinculada ao Programa de Pós-graduação em Letras da mesma instituição, onde realiza seu doutorado com ênfase em Estudos Literários. Sua pesquisa atual é um estudo sobre o Modernismo, a modernidade, e a modernização nas obras de escritores como Monteiro Lobato, Franz Kafka e Érico Verissimo.

Referências

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LINS, Osman. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976.

MUNIZ, Paulo Henrique. O estudo da morte e suas representações socioculturais, simbólicas e espaciais. Revista Varia Scientia, v. 6, n. 12, p. 159-169, set., 2006.

SANTOS, Luis Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessôa de. Sujeito, tempo e espaço ficcionais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

TODOROV, Tzvetan; DUCROT, Oswald. Dicionário enciclopédico das ciências da linguagem. Trad. de Alice Kyoko Miyashiro, J. Guinsburg, Mary Amazonas Leite de Barros e Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Perspectiva, 1972.

TORT, Paulliny. Erva Brava. São Paulo: Fósforo, 2021.

WOOD, James. Como funciona a ficção? Trad. de Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

Downloads

Publicado

2023-11-13

Como Citar

HEY, Vanessa de Paula. Figuras do narrador e da morte em “Mandiocal”, de Paulliny Tort. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 28, p. 01–13, 2023. DOI: 10.5007/2175-7917.2023.e94728. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/94728. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos