A prosa não quixotesca de Bandeira: ficção ou poesia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-784X.2019v19n31p39

Palavras-chave:

Filologia, Periodismo, Narrativa, Insólito, Crônica

Resumo

Bandeira, sem ter escrito um conto sequer, conta inúmeras histórias. Em carta a João Cabral, reclama de redondilhas jogadas por seu amigo, como celebração natalina, a um cartão que mais pareciam pulgas de Anatole France. As pulgas provinham de Les matinées de la Villa Saïd, onde um professor Brown, conversando com o próprio Anatole-personagem, retomava os “percevejos que eram como este mahométane!” do Sancho do Quixote de Avellaneda. Já as pulgas de Bandeira, “quisera [ele, Bandeira,] que fossem feitas assim!”, não passadistas como o próprio sujeito de Anatole ou como aqueles versos jogados. Como a própria personagem de Anatole, de Avellaneda e o percevejo / a pulga de Bandeira surgem de um espaço insólito compõe a questão deste artigo, dando continuidade à iluminação de Sílvio Elia ao denominar Bandeira de “prosador maior”, dada a estranheza da(s) crônica(s) e sua mobilização nessas prosas do poeta e também em sua poesia. Finalmente, lemos o insólito não dado por estórias como devir, apesar da lamentação do Itinerário “Mas eu é que sei que não nasci com bossa para isso [para a prosa]. Bem que o tentei várias vezes.”

Biografia do Autor

João Paulo Zarelli Rocha, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina. Bolsista CNPq.

Referências

TELES, Gilberto Mendonça. A experimentação poética de Bandeira. Travessia, v. 5, n. 13, p. 49, 1986.

SILVEIRA, Juliana Fabrícia da. A presença do elemento medieval na poesia de Manuel Bandeira. In: XI Congresso Internacional da ABRALIC: Tessituras, Interações, Convergências, 13-17 jul. 2008, USP;

TORRES, José William Craveiro. Manuel Bandeira, trovador modernista. In: HERNÁNDEZ, Ascensión Rivas (Ed.). Manuel Bandeira en Pasárgada. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca, 2015, p. 189-198.

CARVALHOSA, Carlito; LAGE, Lana; LEITE, Sebastião Uchôa; LIMA, Luiz Costa. João Cabral de Melo Neto. 34 Letras, n. 3, p. 18, 1989;

STEEN, Edla van. Viver e escrever. Porto Alegre: L&PM, 1981, p. 24-25.

SOUZA, Helton Gonçalves de. A poesia crítica de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Annablume, 1999.

BANDEIRA, Manuel. Itinerário de Pasárgada. Poesia completa e prosa: em um volume. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983, p. 34.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Confissões de Minas. São Paulo: Cosac Naify, 2011, p. 68.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Estética, literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

BANDEIRA, Manuel. [Hiato. Carnaval ], Poesia completa e prosa: em um volume. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983.

DOUBROVSKY, Julien Serge. Pourquoi la nouvelle critique : critique et objectivité. Paris: Mercure de France, 1966.

FOUCAULT, Michel. La situation de Cuvier dans l’histoire de la biologie. Revue d’histoire des sciences, v. 23, n. 1, p. 87-88, 1970. [Publicado também no segundo volume de Ditos e escritos]. Trechos traduzidos sem referência a um autor são de minha responsabilidade.

MELO NETO, João Cabral de. Correspondência de Cabral com Bandeira e Drummond. Organização de Flora Süssekind. Rio de Janeiro: Nova Fronteira / Fundação Casa Rui Barbosa, 2001, p. 150.

FRANCE, Anatole. Les matinées de la Villa Saïd. Recueillis par Paul Gsell. Paris: Bernard Grasset, 1921, p. 126.

AVELLANEDA, Alonso Fernández de. Segundo tomo del ingenioso hidalgo Don Quijote de la Mancha: que contiene su tercera salida, y es la quinta parte de sus aventuras. Tarragona: Felipe Roberto, 1614.

CORWIN, Norman. Holes in a Stained Glass Window. Secaucus: Lyle Stuart / Toronto: George J. McLeod, 1978, p. 45-47. Cervantes contra Lope. Direção: Manuel Huerga. Guión: María Jaén. RTVE / Onza Entertainment / Minoría Absoluta, 5 dec. 2016.

BORGES, Jorge Luis. Pierre Menard, autor del Quijote. [Ficciones]. Obras completas 1923-1949. v. 1. Buenos Aires: Emecé, 2004, p. 444-450.

BANDEIRA, Manuel. Literatura hispano-americana. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti Editores, 1949.

CERVANTES, Miguel de. Dom Quixote. Tradução de Ernani Ssó. São Paulo: Schwarz, 2012. [Penguin Companhia: Clássicos / Companhia das Letras. Recurso digital].

BORGES, Jorge Luis. Magias parciais do Quixote. Tradução de Davi Arrigucci Jr. In: Ibidem.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Porto Alegre: Tchê, 1987, p. 108.

BANDEIRA, Manuel. Mafuá do malungo. Poesia completa e prosa: em um volume, op. cit., p. 405.

NERY, Sebastião. [Jorge Medauar, baiano, poeta, ...] 976. Folclore político: 1950 histórias. Geração Editorial, 2002, p. 318.

BANDEIRA, Manuel. Arquitetura brasileira. Poesia e prosa. v. II. Rio da Janeiro: José Aguilar, 1958.

CARVALHO, Marco Antonio de. Rubem Braga: um cigano fazendeiro do ar. São Paulo: Globo Livros, 2007, p. 313.

BORIM JR., Dário. O laço e a corda bamba: Um estudo sobre a poética menor e o desacerto ideológico de Manuel Bandeira. Chasqui, v. 19, n. 1, p. 32, maio 1990.

BANDEIRA, Manuel. 97. A João Cabral de Melo Neto. Poesia e prosa, op. cit., p. 1450.

PILATI, Alexandre. Fermento literário e humor dissolvente: a experiência brasileira nos poemas bandeirianos de “Bife à moda da casa”. In: HERNÁNDEZ, Ascensión Rivas (Ed.). Manuel Bandeira en Pasárgada, op. cit., p. 152.

BENJAMIN, Walter. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. Tradução de Marcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 1999.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 1999; ou ainda às linhas-caminhos a partir de A fenda aberta de Fitzgerald. Idem, A dobra: Leibniz e o barroco. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. Campinas: Papirus, 1991;

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995; v. 4. Tradução de Suely Rolnik. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

CAPELA, Carlos Eduardo Schmidt. Derivas integrais. Literatura: teoría, historia, crítica, v. 16, n. 1, p. 81-105, 2014.

SILVA, Maximiano de Carvalho e (Org.). Homenagem a Manuel Bandeira 1986-1988. Rio de Janeiro: Sociedade Sousa da Silveira / Monteiro Aranha / Presença Edições, 1989 [1936].

FILIPOUSKI, Ana Mariza Ribeiro; NORMAN, Atelaine. Literatura brasileira e portuguesa. LUFT, Celso Pedro (Org.). Novo manual de português: gramática, ortografia oficial, redação, literatura, textos e testes. São Paulo: Globo, 1991.

PAULA, Aloysio de. A doença de Manuel bandeira. In: SILVA, Maximiano de Carvalho e (Org.). Homenagem a Manuel Bandeira 1986-1988, op. cit., p. 52.

ELIA, Silvio. O prosador Manuel Bandeira. In: SILVA, Maximiano de Carvalho e (Org.). Homenagem a Manuel Bandeira 1986-1988, op. cit., p. 527-534.

BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. Poesia e prosa, Rio da Janeiro: José Aguilar, 1958.

RAMA, Ángel. Um processo autonômico: das literaturas nacionais a literatura latino-americana. Tradução de Nestor Deola. Argumento: Revista Mensal de Cultura, v. 1, n. 3, p. 36-49, jan. 1974.

THEOBALD, Pedro. A História da literatura ocidental de OM Carpeaux e a crítica de Wilson Martins. Letrônica, v. 11, n. 3, p. 140-145, 2018.

BANDEIRA, Manuel. A crítica. [Flauta de papel]. Poesia e prosa, op. cit., p. 268.

LEMINSKI, Paulo. Sobre poesia e conto: um depoimento. Escrita: revista mensal de literatura, n. 28, p. 54-58, 1979.

FRANÇA, George Luiz. Anhembitinerários ou algum modernismo passado a limpo. Boletim de Pesquisa NELIC, v. 7, n. 10, p. 54, 2007.

MARTINS, Wilson. Sobre Manuel Bandeira. In: SILVA, Maximiano de Carvalho e (Org.). Homenagem a Manuel Bandeira 1986-1988, op. cit., p. 573.

ANTELO, Raúl. Literatura em revista. Tese (Doutorado) – Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1981, p. 346-347.

Downloads

Publicado

2020-10-06