O samba não se aprende na escola: considerações sobre a invisibilidade das artes afrobrasileiras nas instituições educacionais

Fátima Costa de Lima

Resumo


Este trabalho expõe considerações sobre o não reconhecimento, pelas instituições educacionais brasileiras, da cultura negra como suporte para uma experiência pedagógica no campo das artes. A cultura brasileira de origem européia se concede o direito de duvidar da possibilidade didática e formativa destes saberes originários no continente africano e que são ensinados e aprendidos fora destas instituições. A política educacional contribui decisivamente para este fenômeno cultural, e a escola é o seu principal agente: a partir dos sete anos, a criança afrodescendente praticamente se deseduca. No caso de Santa Catarina, a Proposta Curricular para a Educação Infantil e para o Ensino Fundamental e Médio, na área do Ensino das Artes, datada de 1998, é mais um instrumento que concorre para o fracasso escolar do aluno afrodescendente, alienando este aluno das condições mínimas para o exercício pleno da cidadania.


Palavras-chave


Artes Afrobrasileiras; Educação; Cultura; Exclusão; AfroBrazilian Arts; Education; Culture; Exclusion

Texto completo:

PDFA


P.Vista, eISSN 2175-8050, UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

 

 

Creative Commons License
Ponto de Vista: Revista de Educação e Processos Inclusivos, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN 2175-8050 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons
> > > > >