O amor (e a mulher): uma conversa (im)possível entre Clarice Lispector e Sartre

Autores

  • Valeska Maria Zanello de Loyola Instituto de Educação Superior de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0104-026X2007000300002

Palavras-chave:

amor, mulher, Clarice Lispector, Sartre.

Resumo

Com o presente trabalho visamos fazer uma análise do conto “O amor”, de Clarice Lispector, a partir das seguintes categorias apontadas por Sartre em O ser e o nada: olhar-ser olhado, instrumentalidade (funcionalidade) e amor. Partimos da experiência elaborada por Clarice em seu texto, na qual Ana, dona de casa atarefada e ‘empenhada’ em servir aos familiares (“pura funcionalidade”), se depara, numa de suas idas e vindas à cidade, com um cego mascando chicletes. Ora, um cego é um olho que não olha, é um olho sem função. É essa vivência que abre a Ana a dimensão do amor, num sentido muito específico (que aponta para as relações de gênero), e do qual a descrição fenomenológica de Sartre parece não dar conta.

Downloads

Publicado

2007-09-11

Edição

Seção

Artigos