Masculinidades melodramáticas em três filmes de Sandro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n253796

Palavras-chave:

Masculinidades, Representações de Gênero, Cinema, Melodrama

Resumo

Neste artigo temos como proposta realizar uma análise das representações masculinas
presentes em três melodramas argentinos de princípios dos anos 70 protagonizados por Roberto Sanchez, mais conhecido como Sandro: Muchacho (1970), Siempre te amaré (1971), e Embrujo de amor (1971), dirigidos por Leio Flendeir. A partir de uma perspectiva de gênero, as tramas melodramáticas presentes nestes três filmes podem ser pensadas como um rito de passagem de uma desvirilização juvenil à conquista da hombridade vinculada à concretização do amor heterossexual. Neste esquema, o corpo masculino é apresentado em tela como um objeto de desejo e identificação por meio da câmera, apresentando marcas de raça e classe que se condensam dentro das cenas musicais dos filmes, cujas letras das canções que as constituem também foram analisadas. O artigo indaga como a performance de Sandro potencializa sentidos e formas de representação que tensionam os padrões hegemônicos de gênero da época.

Biografia do Autor

Santiago Navone, Universidad NAcional de Mar Del Plata

Santiago Luis Navone es Doctor en Historia de la Universidad Nacional de Mar Del Plata. Profesor y Licenciado en Historia por la Universidad Nacional de Mar del Plata (UNMdP). Perteneciente al grupo de investigación Familia Género y subjetividades. Ha publicado artículos en revistas nacionales e internacionales y participadas en encuentros académicos sobre su área de investigación: el estudio de las representaciones masculinas en el cine argentino de los 60 y 70. 

Publicado

2019-09-05

Edição

Seção

Artigos