Estrutura ou dispositivo: como (re)pensar a diferença sexual hoje?

Mariana Ferreira Pombo

Resumo


Este artigo pretende problematizar e repensar o conceito de diferença sexual na
contemporaneidade, considerando as transformações no campo da sexualidade e da família que interrogam a ahistoricidade e a imutabilidade dessa categoria. Na primeira parte do artigo será exposta a interpretação estruturalista da diferença sexual, a partir da teoria de Françoise Héritier, e uma leitura (negativa) da cultura feita por Michel Schneider baseada na diferença sexual como estrutura. Na segunda parte, será feito um trabalho de desconstrução da categoria de diferença sexual, pensada como dispositivo, e não como estrutura. Ideias de Joel Birman, Judith Butler, Sabine Prokhoris e Deleuze e Guattari serão apresentadas com o objetivo de romper com uma ontologia da diferença sexual e positivar múltiplas diferenças.


Palavras-chave


Diferença Sexual; Contemporaneidade; Estrutura; Dispositivo; Diferenças

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n254194

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.