La política exterior ya no es cosa de hombres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n260106

Biografia do Autor

Mónica Salomón, Universidade Federal de Santa Catarina

Mónica Salomón, Doutora em Ciência Política (Relações Internacionais) pela Universitat Autònoma de Barcelona (1998).  Professora do Departamento de Economia e Relações Internacionais da UFSC desde 2010. Anteriormente lecionou na Universitat Autònoma de Barcelona (1994-2005) e no Instituto de Relações Internacionais da PUC-Rio (2006-2009). Atúa no curso de graduação e no programa de pós-graduação em Relações Internacionais e no Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. Bolsista de produtividade nível 2 do CNPq. Visiting Scholar no Departamento de Ciência Política da Universidade de Toronto (setembro 2018 a agosto de 2019), onde desenvolve um projeto de pesquisa sobre as dimensões de gênero das políticas externas brasileira e canadense.

Referências

BASHEVKIN, Sylvia. “Numerical and Policy Representation on the International Stage: Women Foreign Policy Leaders in Western Industrialized Systems”, International Political Science Review, 35, p. 409-429, 2014.

CELIS, Karen y CHILDS, Sarah. “The Substantive Representation of Women: What to Do with Conservative Claims?” Political Studies, 60, p. 213-225, 2012.

KOCH, Michael T.; FULTON, Sarah A. “In Defense of the Women: Gender, Office Holding, and National Security Policy in Established Democracies”. Journal of Policies, 73 (1), p. 1-16, 2011;

PITKIN, Hanna F. The Concept of Representation. Berkeley: University of California Press, 1967.

Publicado

2019-09-05

Edição

Seção

Resenhas