Regulação do corpo feminino no almanaque de farmácia d’A Saúde da Mulher

Beatriz Oliveira Santos, Idilva Maria Pires Germano

Resumo


Neste artigo são discutidos aspectos da regulação do corpo da mulher entre o final do século XIX e meados do XX, a partir da análise de uma seleção de números do almanaque de farmácia intitulado d’A Saude da Mulher. A publicação era uma das mais lidas pelas senhoras e veiculava o medicamento mais popular da indústria nacional voltado para sua saúde. Apresentava anúncios de medicamentos, horóscopos, ilustrações, cartas de leitoras, entre outras variedades. Envoltos de discursos morais, atuaram como dispositivo pedagógico, ensinando, inspirando e regulando comportamentos e modelando subjetividades, principalmente as das mulheres, que deveriam ser dóceis, boas mães, esposas e cuidadoras do lar. Este artigo argumenta como os almanaques atuaram como instrumentos de regulação, educando e medicalizando o corpo feminino, disseminando ideais de feminilidade e virilidade, família, saúde, higiene e progresso nacional.


Palavras-chave


Corpo feminino; Saúde da mulher; Almanaques de farmácia; Dispositivo pedagógico

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário. Macunaiìma: o herói sem nenhum caráter. São Paulo: Martins Fontes, 1969.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

CASA NOVA, Vera Lúcia. “Almanaques de Farmácia (1920...)”. Cadernos de Linguística e Teoria da Literatura, n. 8, p. 53-65, 1982.

CASA NOVA, Vera Lúcia. Lições de almanaque: um estudo semiótico. Belo Horizonte: EDUFMG, 1996.

CARVALHO, Alexandre Filordi de; GALLO, Silvio Donizetti de Oliveira. “Defender a escola do dispositivo pedagógico: o lugar do experimentum scholae na busca de outro equipamento coletivo”. Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, n. 4, p. 622-641, 2017.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difusão Editora, 1998.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem Médica e Norma Familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

ALMANAQUE para 1918 d’A Saude da Mulher. São Paulo/Rio de Janeiro: Estab. Graph. Weiszflog Irmãos, 1918.

ALMANAQUE para 1921 d’A Saude da Mulher. São Paulo/Rio de Janeiro: Estab. Graph. Weiszflog Irmãos, 1921.

ALMANAQUE para 1929 d’A Saude da Mulher. São Paulo/Rio de Janeiro: Estab. Graph. Weiszflog Irmãos, 1929.

ALMANAQUE para 1938 d’A Saude da Mulher. São Paulo/Rio de Janeiro: Estab. Graph. Weiszflog Irmãos, 1938.

ALMANAQUE para 1946 d’A Saude da Mulher. São Paulo/Rio de Janeiro: Estab. Graph. Weiszflog Irmãos, 1946.

DELPHY, Christine. “Patriarcado (teorias do)”. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle (Orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: EDUNESP, 2009. p. 173-178.

DEL PRIORE, Mary. “Viagem pelo imaginário do interior feminino”. Revista Brasileira de História, v. 19, n. 37, 1999.

EIRENREICH, Barbara; ENGLISH, Deirdre. Complaints and Disorders: the sexual politics of sickness. Tacoma: Lunaria Press, 1973. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/969738/mod_resource/content/1/Complaints%20and%20Disorders%204.14%20%281%29.pdf. Acesso em 18/04/2019.

FERNANDES, Tania Maria. Plantas medicinais: memória da ciência no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2004.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2014.

GALLO, Silvio Donizetti de Oliveira. “René Schérer e a Filosofia da Educação: Aproximações”. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 37, 2015, Florianópolis. Anais... Florianópolis: FAPESP, 2015. p. 1-17. ISSN 2447-2808.

GAUDENZI, Paula; ORTEGA, Francisco. “O estatuto da medicalização e as interpretações de Ivan Illich e Michel Foucault como ferramentas conceituais para o estudo da desmedicalização”. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v. 16, n. 40, p. 1-14, 2012.

GOMES, Mario Luiz. “Vendendo saúde! Revisitando os antigos almanaques de farmácia”. Hist. cienc. saúde - Manguinhos, v. 13, n. 4, p. 1007-1018, 2006.

GUIA... Almanach-Guia da Saude, Paris, [s.n.], 1902.

LARA, Caroline de. “Agora sou outro!”: propagandas e educação sanitária nos almanaques de farmácia (1900-1945). 2016. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História, Cultura e Identidades, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, Paraná, Brasil.

LOBATO, Monteiro. Urupês. Rio de Janeiro: Globo, 2007[1918].

LOURO, Guacira Lopes. “Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas”. Pro-Posições, v. 19, n. 2, p. 17-23, maio/ago. 2008.

MACHADO, Roberto et al. A Danação da Norma: medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

MARTINS, Ana Paula Vosne. Visões do feminino: a medicina da mulher nos séculos XIX e XX [online]. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2004.

MARTINS, Ana Paula Vosne. “Um sistema instável: as teorias ginecológicas sobre o corpo feminino e a clínica psiquiátrica entre os séculos XIX e XX”. In: WADI, Yonissa Marmitt; SANTOS, Nádia Maria Weber (Orgs.). História e loucura: saberes, práticas e narrativas. Uberlândia: EDUFU, 2010. p. 15-49.

NADAF, Yasmim Jamil. “Essas revistinhas que se chamam almanaques”. Revista Ecos: Literatura, Língua e Imprensa, Cáceres, Mato Grosso, v. 10, n. 1, p. 131-138, jul. 2011.

OLIVEIRA, Eduardo Alexandre Santos de. “O conceito de dispositivo da sexualidade na obra Foucaultiana ‘A vontade de saber’”. Kalagatos – Revista de Filosofia, Fortaleza, v. 12, n. 24, p. 89-108, 2015.

REVEL, Judith. Michel Foucault: Conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

ROHDEN, Fabíola. Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

VIEIRA, Elisabeth Meloni. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2002.

ZORZANELLI, Rafaela Teixeira; ORTEGA, Francisco; BEZERRA JÚNIOR, Benilton. “Um panorama sobre as variações em torno do conceito de medicalização entre 1950-2010”. Ciência e Saúde Coletiva (Impresso), Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 1859-1868, jun. 2014.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n157854

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.