Contos de Camp Wilde: tornando queer a pesquisa em Educação Ambiental

Noel Gough, Annette Gough, Peter Appelbaum, Sophia Appelbaum, Mary Aswell Doll, Warren Sellers

Resumo


Este artigo questiona o relativo silêncio da teoria e da teorização queer sobre a pesquisa em educação ambiental. Exploramos algumas possibilidades para tornar queer a pesquisa em educação ambiental ao criar (estimulando outras/os a fazer o mesmo) narrativas de Camp Wilde, um local imaginário que nos ajuda a expor o fato de este ser um campo marcado por uma construção heteronormativa. Essas narrativas propõem métodos alternativos de representação e (re)produção do sujeito e do objeto de nossas indagações e nossas identidades como pesquisadoras/es. As/os colaboradoras/es utilizam-se de diferentes recursos teóricos como história da arte, desconstrução, ecofeminismo, crítica literária, estudos culturais populares e pós-estruturalismo feminista a fim de desenvolver uma nova orientação para apesquisa em Educação Ambiental, a qual esperamos que jamais seja categorizada como um ‘novo gênero’.


Palavras-chave


Educação Ambiental; Pedagogias Queer; Heteronormatividade; Pesquisa

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000100017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.