Transitar para onde? Monstruosidade, (des)patologização, (in)segurança social e identidades transgêneras

Jorge Leite Junior

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir a categoria “monstro” e sua íntima relação com apatologização e/ou criminalização de determinadas pessoas vistas como ‘desviantes sexuais’,em especial travestis, transexuais e intersexuais. No início do século XXI, com o questionamentoda autoridade médica, a politização dos movimentos sociais de travestis e transexuais e abatalha por sua despatologização, para onde se encaminham os “transtornos” de sexo ougênero, as “parafilias” e as “perversões” com toda a persistente estigmatização a elas referidas? Voltarão a ser redimensionadas como algo potencialmente perigoso através da cada vez mais abrangente cultura da segurança?


Palavras-chave


Monstro; Abjeto; Travestis; Transexuais; Ciência Sexual

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2012000200016

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.