Cor, classe, gênero: aprendizado sexual e relações de domínio

Valeria Ribeiro Corossacz

Resumo


Neste artigo, discuto as experiências de aprendizado de uma sexualidade heterossexual, racializada e classista através da análise de relatos biográficos de um grupo de homens entre 43 e 60 anos, do Rio de Janeiro, que se autodefinem como brancos. Em particular, examino os relatos dos entrevistados sobre aquelas que, durante a entrevista, foram definidas como “relações sexuais de iniciação” com trabalhadoras domésticas e, em menor escala, com prostitutas, tidas durante a adolescência. Trata-se da análise de uma relação de poder descrita por quem a exerceu. A análise das entrevistas evidencia como essas experiências não só contribuíram para a produção da sexualidade dos homens entrevistados, mas também são elemento central na definição do pertencimento de classe e cor.


Palavras-chave


Brasil; Branquitude; Intersecção de Classe, Gênero e Cor; Homens Brancos de Classe Média; Empregadas Domésticas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/%25x

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.