Uma etnografia sobre o atendimento psicoterapêutico a transexuais

Autores

  • Marcos de Jesus Oliveira Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.1590/%25x

Palavras-chave:

Gênero, Transexualidade, Subjetividade, Clínica, Atendimento Psicoterapêutico

Resumo

O presente estudo analisa as formas de poder/saber que regulam a prática psicoterápica em grupo destinada a pessoas transexuais requerentes da cirurgia de transgenitalização em um hospital universitário brasileiro localizado em um grande centro urbano. Por meio de observação participante em sessões terapêuticas grupais, foi reconstituída a “microfísica do poder” da clínica, cuja direção parece tentar conformar as subjetividades ali produzidas a certos ideais regulatórios e disciplinares. Entrevistas semiestruturadas àquelas que se submeteram a atendimento psicoterápico como parte do programa de acesso à cirurgia de transgenitalização complementam a estratégia teórico-metodológica descrita, bem como buscam evidenciar alguns dos deslocamentos operados pelos sujeitos como possibilidades de resistência no interior dos regimes hegemônicos de subjetivação do contexto institucional investigado.

Downloads

Publicado

2014-09-19

Edição

Seção

Artigos