Translesbianizando o olhar: representações na margem da arte

Lin Arruda

Resumo


Reivindicando o fracasso, a inadequação, a marginalidade e a negatividade como prerrogativas distintivas dos projetos e das subjetividades dissidentes, o presente ensaio sugere que nas proposições contra-artísticas brasileiras “Pegadinha Les-Bi-Trans”, “Sapatoons Queerdrinhos” e “Eu vejo lésbicas em todos os lugares” está sendo formulado um imaginário marginal lésbico/trans. A articulação de uma mirada translesbianizante capaz de desestabilizar as retóricas e visualidades da instituição heterocapitalista é aqui abordada como uma potencialidade das estratégias autorrepresentativas pós-identitárias e negativas empregadas em projetos que se situam às margens das instituições autorizadas de produção de conhecimento (dentre elas os sistemas das artes).

Palavras-chave


Arte Queer; Representação; Lesbiandade; Transgeneridade; Dissidência

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/%25x

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.