Discriminação de gênero em grandes empresas no Brasil

Autores

  • Thaissa Tamarindo da Rocha Weishaupt Proni Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Marcelo Weishaupt Proni Universidade de Campinas - UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.1590/%25x

Palavras-chave:

Discriminação de Gênero, Legislação Trabalhista, Teto de Vidro

Resumo

O problema da discriminação de gênero no trabalho também se manifesta em grandes empresas. Em geral, os homens recebem salários maiores que as mulheres, mesmo que exerçam a mesma função. É mais difícil para as mulheres alcançar posição hierárquica elevada por causa do “teto de vidro”. O combate à discriminação de gênero – propiciado pela evolução da legislação trabalhista e por políticas públicas – é essencial para valorizar a força de trabalho feminina, mas não é capaz de eliminar as diferenças em termos de ascensão na carreira e de remuneração entre homens e mulheres, mesmo em empresas líderes de mercado. As iniciativas de promoção da equidade de gênero no mundo corporativo, contempladas em programas de responsabilidade social empresarial, produzem avanços lentos e requerem uma mudança da cultura organizacional.

Biografia do Autor

Thaissa Tamarindo da Rocha Weishaupt Proni, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Advogada. Mestre em Direito do Trabalho pela USP e doutoranda em Ciências Sociais pelo IFCH - UNICAMP, área de Trabalho, Política e Sociedade.

Marcelo Weishaupt Proni, Universidade de Campinas - UNICAMP

Graduação em Economia pela Unicamp, mestrado em Ciências Econômicas pela Unicamp, doutorado em Educação Física pela Unicamp e livre docência em Economia do Trabalho. É pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (Cesit). É professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, tendo sido diretor associado entre outubro de 2011 e outubro de 2015

Downloads

Publicado

2018-04-24

Edição

Seção

Artigos