Sobre educar médicas e médicos: marcas de gênero em um currículo de Medicina

André Filipe dos Santos Leite, Thiago Ranniery Moreira de Oliveira

Resumo


Este artigo investiga como normas de gênero marcam o funcionamento do discurso pedagógico da Medicina em um currículo de formação médica. A partir de observações participantes, somadas a uma linha de ação inspirada na analítica do discurso de Michel Foucault, argumenta-se que o currículo da Medicina é constituído por um conjunto de discursos que posicionam corpos generificados, articulados em torno tanto de uma medicalização da moralidade sexual como de uma moralização sexual da Medicina. Ao conectar reprodução, capacidades cognitivas e processos de cuidado em saúde a matrizes generificadas de relações, explora-se como as estratégias discursivas suplementam e transformam o horizonte médico, concebido como homogêneo e estável, em um jogo de significações que indicam que a Medicina, ou pelo menos a educação médica, talvez não seja tão biomédica assim.

Palavras-chave


Currículo Médico; Discurso Pedagógico da Medicina; Normas de Gênero

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/%25x

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.