Imperfeições no papel: a infertilidade nas páginas da Revista Pais & Filhos

Georgiane Garabely Vazquez

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo problematizar, a partir de uma dimensão histórica, a esterilidade/infertilidade na segunda metade do século XX no Brasil, segundo a análise documental da Revista Pais & Filhos. Os temas centrais debatidos foram as narrativas construídas pela revista em torno da dificuldade ou impossibilidade de se ter um filho. O interesse versou sobre a articulação entre os saberes médicos e os discursos apresentados na Pais & Filhos, quando a temática da infertilidade foi abordada. Foram usadas como bases teóricas as reflexões de Butler (2000; 2002), Braidotti (2001), Haraway, Kunzru e Tadeu (2000), dentre outras. Em linhas gerais, pode-se observar que a revista construiu estratégias narrativas que tornavam as mulheres inférteis em doentes. A gestação e o exercício da maternidade foram amplamente valorizados pela revista.

Palavras-chave


Infertilidade; Maternidade; Gênero; Revista Pais & Filhos

Texto completo:

PDF/A


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Rev. Estud. Fem., ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.